Brasil de Fato

Divulgar conteúdo
Uma visão popular do Brasil e do mundo
Atualizado: 1 hora 42 minutos atrás

Coluna Timbu | Idas e vindas

seg, 10/12/2018 - 16:00
COLUNA DOS CLUBES A expectativa com o fim do Campeonato Brasileiro e da segunda divisão do Campeonato Paraguaio é a vinda de jogadores Filipe Spenser | O clube contratou o meia-atacante Allan Patrick, vindo do Francana-SP, e o atacante Matheus Carvalho, que disputou a Série C pelo ABC Léo Lemos/Náutico

A pré-temporada do Náutico começou e, com ela, várias idas e vindas. Além da manutenção da base do ano passado, o clube contratou o meia-atacante Allan Patrick, vindo do Francana-SP, e o atacante Matheus Carvalho, que disputou a Série C pelo ABC. Além das contratações, hoje, 7 jogadores campeões pernambucanos do Sub-17 treinam com o elenco principal. Mas com o retorno dos jogadores que estavam emprestados, os jovens devem voltar para a base.
Há expectativa que com o fim do Campeonato Brasileiro e da segunda divisão do Campeonato Paraguaio cheguem novos jogadores nos Aflitos. Por outro lado, o volante Jhonnatan foi levado pelo CSA e há possibilidade dos pratas da casa Robinho e Luiz Henrique serem comprados em definitivo por Góias e Bahia, respectivamente. A pré-temporada promete ser bem movimentada.

(function(i,s,o,g,r,a,m){i['GoogleAnalyticsObject']=r;i[r]=i[r]||function(){ (i[r].q=i[r].q||[]).push(arguments)},i[r].l=1*new Date();a=s.createElement(o), m=s.getElementsByTagName(o)[0];a.async=1;a.src=g;m.parentNode.insertBefore(a,m) })(window,document,'script','//www.google-analytics.com/analytics.js','ga'); ga('create', 'UA-54143594-4', 'auto'); ga('set', 'campaignName', 'FacebookIA'); ga('set', 'campaignSource', 'FacebookInstantArticles'); ga('set', 'campaignMedium', 'social'); ga('send', 'pageview');
Categorias: Brasil de Fato

Tabloide especial Brasil de Fato analisa impactos da saída de cubanos do Mais Médicos

seg, 10/12/2018 - 15:52
Saúde Pública Edição também descreve o perfil e trajetória dos integrantes confirmados da equipe do governo de Bolsonaro Redação | Capa da edição especial "Menos Médicos" do Brasil de Fato Fotografia: Araquém Alcântara

Uma nova edição especial do tabloide Brasil de Fato analisa as consequências da saída de mais de 8 mil médicos cubanos do programa Mais Médicos. O tabloide apresenta informações sobre quantas cidades ficam sem atendimento, quais os estados mais atingidos, além de dados que contrapõem as desinformações que circularam sobre os médicos cubanos, disseminadas inclusive pelo presidente eleito Jair Bolsonaro.  

Para saber melhor o que é possível esperar do próximo governo que inicia em 2019, o Brasil de Fato traz um perfil de dez integrantes da equipe de governo já confirmados por Bolsonaro, de Sérgio Moro, confirmado como ministro da Justiça a Paulo Guedes, o chamado "guru econômico" de Bolsonaro, que conduzirá o ministério da Economia. 

O tabloide apresenta também uma análise sobre os riscos graves apresentados por outro dos objetivos apontados pela equipe de transição de Bolsonaro: o desmonte dos bancos públicos, em especial a Caixa Econômica Federal. Por último, o impresso fala sobre a campanha que levará ao registro da candidatura de Luiz Inácio Lula da Silva ao Prêmio Nobel da Paz. No dia 31 de janeiro centenas de personalidades nacionais e internacionais participarão do momento histórico. 

Leia aqui a edição especial do Brasil de Fato com a análise dos impactos na saúde pública com o fim da participação do governo de Cuba no programa Mais Médicos, e a descrição da equipe do governo Bolsonaro.

(function(i,s,o,g,r,a,m){i['GoogleAnalyticsObject']=r;i[r]=i[r]||function(){ (i[r].q=i[r].q||[]).push(arguments)},i[r].l=1*new Date();a=s.createElement(o), m=s.getElementsByTagName(o)[0];a.async=1;a.src=g;m.parentNode.insertBefore(a,m) })(window,document,'script','//www.google-analytics.com/analytics.js','ga'); ga('create', 'UA-54143594-4', 'auto'); ga('set', 'campaignName', 'FacebookIA'); ga('set', 'campaignSource', 'FacebookInstantArticles'); ga('set', 'campaignMedium', 'social'); ga('send', 'pageview');
Categorias: Brasil de Fato

Doctor vacancies remain unfilled in indigenous areas after Cuban doctors leave Brazil

seg, 10/12/2018 - 15:43
Health Remote and poor areas served by More Doctors program suffer major setback as government tries to fill vacant positions Lilian Campelo | In indigenous areas, only 29 Brazilian doctors had applied to fill positions left vacant by Cubans; 63 positions remained unoccupied Mário Vilela / FUNAI

As thousands of Cuban doctors who were part of Brazil’s More Doctors program left the country following "deprecating" and "threatening" remarks made by president-elect Jair Bolsonaro, towns were left with no care and the government had to rush to call for doctors to fill their vacant positions.

In the North, where the Brazilian Amazon is located, the state of Amazonas has the lowest number of positions filled in the program, where 14 cities still had vacant positions as the application deadline approached, on Friday, Nov. 7.

In indigenous areas in Amazonas, only 29 Brazilian doctors had applied to fill positions left vacant by Cubans; 63 positions remained unoccupied last week. The government is calling to fill 230 positions in towns and 92 jobs in indigenous areas in the state – 322 total.

The Mais Médicos – or More Doctors – program was first established in 2013 by then president Dilma Rousseff to tackle the lack of health professionals in poor and remote areas of the country, entering into cooperation agreements with foreign countries, including Cuba, to take doctors to areas where Brazilian health professionals wouldn't go.

North

Brasil de Fato contacted the Ministry of Health to investigate which north states are still facing a critical shortage of doctors.

Not only Amazonas, but also Pará and Amapá are facing the issue. The Ministry of Health informed that, in Pará, seven cities are still waiting to fill their positions.

In Amapá, 26 of 49 doctors who applied as of last week will not be able to hold the position due to incompatible schedule.

On Wednesday, Nov. 5, the Ministry of Health announced that 200 doctors opted out of the More Doctors program, and the positions they were assigned to had to be reopen.

Indigenous health

Only one candidate had applied by last Thursday to work in a district located in the Vale do Javari indigenous territory, in Atalaia do Norte, western Amazonas – five doctor positions were still open.

Neon Solimões Paiva Pinheiro, an anthropologist working in the Vale do Javari, argues that the low number of applicants to work in the area is due to a number of reasons, including distance from urban areas, the wages (roughly US$3,000 a month in a country where the minimum wage is US$245), endemic diseases such as malaria, hepatitis, and tuberculosis, as well as Brazilian doctors’ lack of knowledge about the ethnic and cultural diversity of indigenous peoples.

Pinheiro says the Vale do Javari indigenous territory is the second largest indigenous area in the country, home of 54 communities and an estimated population of 6,000 indigenous people.

All the doctors who worked in the area were Cuban. After they left, only one doctor applied to one of the vacant positions, and Pinheiro fears they may eventually opt out.

“So there is also the risk of this person coming here, seeing this reality, and backing out, [because of] the hardships in the dry river, sometimes we sleep on the beach; sometimes they have to stay too much time in the village for lack of logistics conditions; or boats that cannot reach it [the village]. So there is a number of reasons, when we present the reality of our mission, for people to back out.”

Commitment

Despite the hardships, the anthropologist, who has been working in the area for a year, points out that “the Cuban doctors have always embraced the cause.” “They were always available, always motivated and so committed to us, and they really did a good job.”

Fransciso Loebens, a member of the Missionary Council for Indigenous Peoples (CIMI) in the state for 40 years, says that the low number of Brazilian applicants to work in basic indigenous health care reflects the fact that medical doctors are not ready to accept new challenges facing many of these areas.

“The expectation when someone graduates medical school is that they will serve the people, and that is often left on the back burner. We know how local governments struggle, sometimes offering a lot of money – even leading to financial problems to them – to get doctors to go to hinterlands, and they still won’t go,” Loebens says.

The director of the Federation of Indigenous Organizations of the Negro River (FOIRN), Marivelton Baré, said the state of Amazonas has a big number of indigenous peoples, who suffered the most after the Cuban doctors left the country.

Baré said the Michel Temer administration is responsible for the issue and criticized president-elect Jair Bolsonaro for his statements comparing indigenous people to zoo animals.

“You can’t compare [us] to animals at a zoo. We’re at our home, we’re in our territory. What we expect of him is that he really fulfill his duty towards indigenous peoples. And, as we see it, they don’t. They misrepresent us. They do this to make us vulnerable, to claim that all this is an obstacle to development, and that’s why it’s like that. But we’ll keep mobilizing and fighting for our right,” he said.

Before Cuba severed the agreement with Brazil, the Amazonas health department informed the state had 508 medical doctors working for the More Doctors program; 318 of which were Cuban and most of them worked in indigenous areas.

(function(i,s,o,g,r,a,m){i['GoogleAnalyticsObject']=r;i[r]=i[r]||function(){ (i[r].q=i[r].q||[]).push(arguments)},i[r].l=1*new Date();a=s.createElement(o), m=s.getElementsByTagName(o)[0];a.async=1;a.src=g;m.parentNode.insertBefore(a,m) })(window,document,'script','//www.google-analytics.com/analytics.js','ga'); ga('create', 'UA-54143594-4', 'auto'); ga('set', 'campaignName', 'FacebookIA'); ga('set', 'campaignSource', 'FacebookInstantArticles'); ga('set', 'campaignMedium', 'social'); ga('send', 'pageview');
Categorias: Brasil de Fato

Brasil | Dos integrantes del MST brutalmente asesinados en un campamento en Paraíba

seg, 10/12/2018 - 15:32
VIOLENCIA RURAL Un grupo armado invadió el campamento y disparó contra las personas durante la cena Redacción* | Familiares, amigos y activistas reunidos en el funeral de José Bernardo da Silva "Orlando" Christian Woa Two

En la noche del sábado (8), dos militantes del Movimiento de Trabajadores Rurales Sin Tierra (MST) fueron asesinados en el interior del campamento Don José Maria Pires, en el municipio de Alhandra, a unos 45 km de João Pessoa, estado de Paraíba. Los relatos de testigos dan cuenta de que los bandidos entraron encapuchados en el campamento y ametrallaron el área donde cenaban los agricultores.
Las víctimas son Rodrigo Celestino y José Bernardo da Silva (conocido como Orlando), ambos coordinadores del campamento, lo que evidencia su carácter de crimen de intimidación en la lucha por la tierra. En el campamento Don José María Pires viven 450 familias, que producen hoy en una tierra que encontraron abandonada, totalmente improductiva, en la que crecía solo bambú.
El campamento se ubica en una antigua hacienda que pertenece al Grupo Santa Tereza y cumplió un año de resistencia en julio de este año. “En el velatorio, vamos a realizar un acto político”, afirmó Cida Ramos, diputada electa [la más votada del estado] y partidaria de los movimientos sociales.
El MST, en comunicado, apela para que haya justicia y castigo a los culpables, asesinos de trabajadores rurales. “En estos tiempos de angustia y de dudas sobre el futuro de Brasil, no podemos dejar que nuestro destino sea conducido por los que tienen el poder político y económico. Por lo tanto, continuamos reafirmando la lucha en defensa de la tierra como central para garantizar dignidad a los trabajadores y trabajadoras del campo y de la ciudad”, declara el Movimiento.
La Fiscalía General de la República (PGR), la Fiscalía Federal de los Derechos del Ciudadano (PFDC) y la Fiscalía Regional de los Derechos del Ciudadano en Paraíba (PRDC / PB), órganos del Ministerio Público Federal, manifestaron solidaridad a los familiares de José Bernardo da Silva y Rodrigo Celestino, brutalmente asesinados en la noche de este sábado (8).
“Ante este cuadro, la PGR, la PFDC y la PRDC / PB reiteran su compromiso con la protección de los derechos humanos de los asentados y harán todos los esfuerzos ante los órganos de investigación para que la autoría del doble asesinato sea esclarecida y los responsables castigados conforme la ley”, afirma la nota, firmada por Raquel Dodge, Fiscal General de la República, Deborah Duprat, Fiscal Federal de los Derechos del Ciudadano y José Godoy, Fiscal Regional de los Derechos del Ciudadano.
Paraíba: luchas y conflictos
La lucha por la tierra en Paraíba es antigua. Las Ligas Campesinas, uno de los movimientos más importantes por la Reforma Agraria estaba intensamente presente en el estado en las décadas de 1950 y 60, principalmente en la región de Mari, en el agreste paraibano. “El campamento Antas está al borde de la carretera desde hace 20 años y está a unos 500 metros de la casa donde vivieron João Pedro y Elisabeth, de las Ligas Campesinas”, dijo el profesor e investigador de la cuestión agraria Marco Antonio Mitidiero Júnior. João Pedro Teixeira fue asesinado en 1962. Décadas más tarde, María Margarida Alves también sería asesinada en Paraíba, en 1983.
De acuerdo con Mitidiero, sin embargo, los conflictos son más intensos en la zona de Mata y brejo [páramo] paraibano. Alhandra, lugar de los asesinatos de este sábado, se encuentra en la zona de Mata y, según el profesor, es un área marcada por la violencia en el campo. El diputado y padre Luiz Couto, del PT (Partido de los Trabajadores), por ejemplo, vive bajo protección de la Policía Federal hace más de 10 años por haber denunciado la acción de pistoleros en el lugar.
“Es una región violenta y muy codiciada por la caña de azúcar y el mineral calcáreo”, afirma el profesor. De acuerdo con él, Alhandra está dentro de la zona de mata, que se inicia en el litoral alagoano y va hasta Rio Grande do Norte. “Hay muchos conflictos y el registro de innumerables incidentes de violencias y amenazas”, explica.
El profesor resalta, sin embargo, que en los últimos años el número de asesinatos ha caído. Antes de las muertes ocurridas ayer, el asesinato más reciente había sido en 2016. En la ocasión, el asentado Ivanildo Francisco da Silva recibió tres tiros dentro de su propia casa. Él era presidente del PT local y apoyaba a la Comisión Pastoral de la Tierra.
En total, 31 personas perdieron la vida por defender los derechos de las trabajadoras y trabajadores rurales entre 1962 y 2018 de acuerdo con el banco de datos de Mitidiero y de la CPT Nacional.

(function(i,s,o,g,r,a,m){i['GoogleAnalyticsObject']=r;i[r]=i[r]||function(){ (i[r].q=i[r].q||[]).push(arguments)},i[r].l=1*new Date();a=s.createElement(o), m=s.getElementsByTagName(o)[0];a.async=1;a.src=g;m.parentNode.insertBefore(a,m) })(window,document,'script','//www.google-analytics.com/analytics.js','ga'); ga('create', 'UA-54143594-4', 'auto'); ga('set', 'campaignName', 'FacebookIA'); ga('set', 'campaignSource', 'FacebookInstantArticles'); ga('set', 'campaignMedium', 'social'); ga('send', 'pageview');
Categorias: Brasil de Fato

Ecoando as periferias, Sérgio Vaz completa 30 anos de poesia

seg, 10/12/2018 - 14:41
Celebração “Arte e cultura têm poder de resgatar a humanidade e cidadania”, defende poeta da zona sul de São Paulo Mayara Paixão | Poeta Sérgio Vaz, 54, criador da Cooperifa Divulgação

Neste 10 de dezembro de 2018, o mineiro Sérgio Vaz completa 30 anos de produção literária. Vivendo em São Paulo há quase 50 anos e tendo o estado como cenário de muitos de seus trabalhos, já pode ser considerado um paulista. Há três décadas, ele publicava sua primeira obra, intitulada “Subindo a ladeira mora a noite" e, desde então, foram mais sete títulos publicados.

Versando sobre as vozes e realidades das periferias paulistas, o poeta retrata o racismo, a desigualdade econômica e também a cultura que pulsa nas regiões periféricas da cidade. Humilde, ele entende a importância de seu trabalho, mas acredita que há muito para fazer, ainda mais quando se trata dos autores negros e independentes. “Se já está difícil para a dita ‘alta literatura’, quem dirá para autores da periferia.”

Buscando dar vazão não só ao seu trabalho, mas ao de centenas de outras vozes, Vaz é fundador da Cooperativa Cultural da Periferia (Cooperifa) e idealizador do Sarau da Cooperifa.

Em homenagem ao trabalho prestado à poesia e às periferias brasileiras, Sérgio Vaz recebe, em dezembro, o Prêmio Santo Dias de Direitos Humanos pela Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo (Alesp).

O poeta conversou com a Rádio Brasil de Fato sobre as transformações ao longo destes 30 anos, suas inspirações, o cenário político e literário brasileiro e o papel da arte na vida da juventude.

Confira a íntegra da entrevista:

Brasil de Fato — Em 30 anos de construção na literatura, o que sente que mudou?

Sérgio Vaz — Acho que o que mudou foi a identidade da periferia. Quando comecei, nem eu bem entendia o que queria escrever, porque tinha um preconceito e achava que a poesia era e tinha que ser uma linguagem difícil. Minha poesia começou a falar do lugar em que eu vivo, em que permaneço, no qual eu luto, então me deu uma identidade que talvez eu não tivesse. A poesia ajudou a minha pessoa e às vezes eu colaboro com a poesia. Acho que é isso: identidade.

Várias obras suas, em especial as primeiras produções, são independentes. Como você enxerga o espaço no mercado editorial para autores que trazem as pautas e as vozes das periferias para os livros?

O Brasil é um país que não lê. Não lê o pobre, não lê a classe média, não lê o rico e é um país que agora no mercado editorial está passando por uma crise muito grande. Se já para a dita "alta literatura”, quem dirá para autores da periferia.

Mas a vantagem entre nós, autores negros e periféricos, é que criamos um mercado próprio. Os lançamentos geralmente são nos saraus, que são mais de 50 acontecendo em São Paulo e no Brasil, então a gente tem uma rede: compramos os livros dos amigos e os amigos compram os nossos livros, e saímos distribuindo de mão em mão.

Apesar de eu já estar em uma editora e não fazer mais livro independente, ainda pego eles para poder vender, para manguear ele na rua. Para mim não mudou muita coisa. Acho que para nós a batalha vai ser sempre a mesma.

Qual é o papel que a literatura – e a arte como um todo – pode desenvolver na vida das pessoas, em especial da juventude?

Acho que arte e cultura têm um poder de resgatar a humanidade e a cidadania. Essa juventude hoje está consumindo saraus, slams, batalhas e rima. Está popularizando a literatura.

A literatura, para além dos livros, está passando de boca em boca no ouvido dessa molecada e essa juventude é muito inteligente, muito mais rápida, e está gostando de ter voz.

Acho que o mais importante de tudo é ter voz, dizer o que você pensa, o que você acha e cortar os atravessadores. Quem fala pelos jovens da periferia tem que ser os jovens da periferia. Nós não precisamos de pessoas para dizer o que a gente tem que fazer, ouvir ou falar.

Você nasceu em 1964, ano em que começa a ditadura militar no Brasil. Hoje você enxerga que sentiu os efeitos do regime militar na sua vida e formação?

Nessa época eu não tinha nem ideia do que era a ditadura, tamanha era a ditadura. A periferia não tinha a participação política que tem hoje.

Eu servi o exército em 1983, lá que eu descobri que nós vivíamos em uma literatura em que não éramos os heróis, e sim os vilões da democracia.

A partir daí que eu tomo conhecimento, a minha cabeça muda, começo a me interessar por uma literatura mais política, engajada, começo a ouvir um outro tipo de música — já venho dos bailes black de São Paulo, música negra americana e brasileira, e aí me interesso mais pela música popular brasileira dos anos 1960 e 1970, que combatia a ditadura.

Qual foi a “virada de chave” que te fez começar a produzir literatura?

Acho que quando eu li Carolina de Jesus, Quarto de Despejo. Eu tinha uma ideia elitista da literatura, da poesia, e quando li Carolina, pensei: é isso! Fala da minha gente, da minha cor, da minha raça, do meu povo, do meu bairro. Foi aí que eu tive percepção de que a poesia podia ser uma arma de defesa e de ataque.

Pelos olhos da periferia, como tem visto o momento político que vivemos hoje, em especial o que nos espera com o resultado das eleições?

É trágico. Você vê a democracia agonizando novamente e as pessoas sequer sabem o que pode acontecer. A periferia, como sempre, estava de uma certa forma de direita. Mas eu não acho que ela seja de direita e acho também que não é de esquerda. A maioria da população está um pouco alienada devido ao trabalho, pouco estudo, à correria.

Há de se lembrar também que a mesma periferia votou duas vezes no Lula e duas vezes na Dilma. No começo, senti que o povo estava precisando de um herói, de alguém que falasse aquilo que eles estão precisando no momento, que é segurança, saúde, educação, essas coisas. Mas ele [Bolsonaro] disse de uma forma violenta, e as pessoas não conseguiram entender direito. Ele falou diretamente o que as pessoas queriam ouvir. E talvez a esquerda, de alguma forma, não tenha conseguido uma linguagem para que as pessoas entendam realmente quais são as propostas do partido.

Então eu vi que as pessoas estavam mais alienadas do que fascistas. Vi muita gente falar de pobre de direita e eu não acredito nisso, até porque essas coisas sempre começaram na Avenida Paulista e a gente não tem nenhum negro ou pobre na Lava Jato, nesse escândalo todo. A periferia, infelizmente, pegou as notícias que vinham — e a gente sabe que esse trabalho está sendo feito há muitos anos — e essa eleição foi simplesmente o momento final que o golpe deu na população brasileira.

(function(i,s,o,g,r,a,m){i['GoogleAnalyticsObject']=r;i[r]=i[r]||function(){ (i[r].q=i[r].q||[]).push(arguments)},i[r].l=1*new Date();a=s.createElement(o), m=s.getElementsByTagName(o)[0];a.async=1;a.src=g;m.parentNode.insertBefore(a,m) })(window,document,'script','//www.google-analytics.com/analytics.js','ga'); ga('create', 'UA-54143594-4', 'auto'); ga('set', 'campaignName', 'FacebookIA'); ga('set', 'campaignSource', 'FacebookInstantArticles'); ga('set', 'campaignMedium', 'social'); ga('send', 'pageview');
Categorias: Brasil de Fato

Chile diz que "migração não é direito humano" e se recusa a assinar pacto da ONU

seg, 10/12/2018 - 14:28
AMÉRICA LATINA Pacto Mundial quer enfrentar desafios da migração de maneira colaborativa; EUA também não irão assinar acordo Redação* | Segundo o subsecretário chileno do Interior, Rodrigo Ubilla, migração não é um direito humano Wikimedia Commons

O governo do Chile, liderado pelo direitista Sebastián Piñera, anunciou neste domingo (9) que não vai assinar o Pacto Mundial pela Migração da Organização das Nações Unidas (ONU), em cerimônia que acontece nesta segunda (10) e terça-feira (11) no Marrocos, e argumentou que não considera que a migração seja um direito humano.

“Nossa posição é clara. Nós dizemos que a migração não é um direito humano. Quem tem direito são os países, a fim de definir as condições de ingresso dos cidadãos estrangeiros”, disse o subsecretário chileno do Interior, Rodrigo Ubilla, que foi escalado pelo governo para expor as razões para a não assinatura.

"Se fosse um direito humano, então estamos em um mundo sem fronteiras. Acreditamos firmemente nos direitos humanos dos migrantes, mas não que migrar seja um direito humano", disse Ubilla, que afirmou que Santiago vê “ambiguidades entre a regularidade e a irregularidade da imigração” no documento.

“Quando falamos de migração regular e ordenada, estamos dizendo ‘bem-vindos os imigrantes que cumprem com os requisitos’ que a normativa estabelece para que trabalhem ou estudem no Chile”, afirmou.

O Pacto Mundial pela Migração busca enfrentar os desafios da migração mundial de maneira colaborativa, para otimizar os benefícios e tratar dos riscos e desafios que a mudança de país significa para as nações de origem, trânsito e destino.

As Nações Unidas dizem que o pacto não é vinculante e respeita a soberania dos Estados.

Mais de 180 países irão assinar o texto formalmente. Somente Estados Unidos, Áustria, Hungria, Estônia, Bulgária, República Tcheca, Israel, Austrália e República Dominicana já haviam anunciado que não fariam parte do documento.

O texto, que será assinado nesta semana, será votado formalmente na Assembleia Geral da ONU entre os dias 17 e 19 de dezembro.

*Com teleSUR

(function(i,s,o,g,r,a,m){i['GoogleAnalyticsObject']=r;i[r]=i[r]||function(){ (i[r].q=i[r].q||[]).push(arguments)},i[r].l=1*new Date();a=s.createElement(o), m=s.getElementsByTagName(o)[0];a.async=1;a.src=g;m.parentNode.insertBefore(a,m) })(window,document,'script','//www.google-analytics.com/analytics.js','ga'); ga('create', 'UA-54143594-4', 'auto'); ga('set', 'campaignName', 'FacebookIA'); ga('set', 'campaignSource', 'FacebookInstantArticles'); ga('set', 'campaignMedium', 'social'); ga('send', 'pageview');
Categorias: Brasil de Fato

Repórter SUS | Educação popular na Saúde

seg, 10/12/2018 - 08:00
Atenção Primária Reconhecimento do saber popular gera maior envolvimento da comunidade e mudança nos resultados Ana Paula Evangelista | Curso de aperfeiçoamento em Educação Popular no SUS, realizado no Maranhão, em 2017. Espaço valoriza o conhecimento popular das comunidades Foto: Francisco Campos / Governo Maranhão

Como qualificar a Atenção Primária à Saúde, garantir a integralidade, um dos princípios estruturantes do Sistema Único de Saúde (SUS), para potencializar o cuidado, a promoção de saúde das populações?

Quem responde ao Repórter SUS dessa semana, produzido em parceria com a Escola Politécnica de Saúde Joaquim Venâncio da Fundação Oswaldo Cruz (EPSJV/Fiocruz), é Eymard Mourão Vasconcelos, professor da Universidade Federal da Paraíba (UFPB) e coordenador da Rede de Educação Popular e Saúde (Rede Pop).

Vasconcelos fala sobre a influência do educador Paulo Freire na saúde pública, a educação popular para qualificação dos cuidados, por meio da valorização dos saberes e práticas populares. Segundo o coordenador da Rede de Educação Popular e Saúde, essa valorização gera práticas completamente diferentes da prescrição tradicional do médico para o paciente.

"Nós, profissionais de saúde, temos uma tendência de ficar mandando as pessoas fazerem as coisas. Uma educação normativa, como se a gente soubesse e as pessoas não. Isso é totalmente improdutivo. Todo mundo já tem lutas por saúde na sua família e na sua comunidade", diz o professor universitário.

Para o coordenador da Rede Pop quando se considera o conhecimento popular das comunidades, as peculiaridades regionais e socioculturais, há um maior envolvimento da comunidade com a saúde e uma "mudança impressionante nos resultados".

“Nós médicos queremos ensinar [tudo] para as pessoas e as pessoas têm seu jeito de lidar com as doenças. Na hora que você [proporciona a] conversa, e elas começam a contar o jeito de lidar com a diabetes, por exemplo, elas vão trazendo coisas e ajudando. Aquela pessoa que era resistente, não queria nada com [tratamento] saúde, vai se entusiasmando", pontua.

Segundo o sanitarista, essa é a grande contribuição da educação popular, transformar a relação, o olhar que está impregnado nos profissionais de saúde. "De que a população é uma massa de ignorantes, apática, que não quer nada, é preguiçosa. As pessoas querem ajuda, mas não aceitam humilhação".

Na opinião do estudioso, a “construção compartilhada da solução necessária” entre profissional de saúde e população é o que diferencia a Atenção Primária brasileira da de outros países.  "Muitos sanitaristas de outros países, como países da Europa – que já tem atenção primária mais organizada – quando chegam ao Brasil e veem algumas dessas práticas ficam admirados".

Confira a entrevista:

(function(i,s,o,g,r,a,m){i['GoogleAnalyticsObject']=r;i[r]=i[r]||function(){ (i[r].q=i[r].q||[]).push(arguments)},i[r].l=1*new Date();a=s.createElement(o), m=s.getElementsByTagName(o)[0];a.async=1;a.src=g;m.parentNode.insertBefore(a,m) })(window,document,'script','//www.google-analytics.com/analytics.js','ga'); ga('create', 'UA-54143594-4', 'auto'); ga('set', 'campaignName', 'FacebookIA'); ga('set', 'campaignSource', 'FacebookInstantArticles'); ga('set', 'campaignMedium', 'social'); ga('send', 'pageview');
Categorias: Brasil de Fato

Previsão do tempo para segunda-feira (10)

seg, 10/12/2018 - 07:35
Clima Saiba como estará o clima nas cinco regiões do Brasil Redação | Previsão do tempo Karina Ramos | Brasil de Fato

Confira a previsão do tempo com informações do Instituto Nacional de Meteorologia. 

(function(i,s,o,g,r,a,m){i['GoogleAnalyticsObject']=r;i[r]=i[r]||function(){ (i[r].q=i[r].q||[]).push(arguments)},i[r].l=1*new Date();a=s.createElement(o), m=s.getElementsByTagName(o)[0];a.async=1;a.src=g;m.parentNode.insertBefore(a,m) })(window,document,'script','//www.google-analytics.com/analytics.js','ga'); ga('create', 'UA-54143594-4', 'auto'); ga('set', 'campaignName', 'FacebookIA'); ga('set', 'campaignSource', 'FacebookInstantArticles'); ga('set', 'campaignMedium', 'social'); ga('send', 'pageview');
Categorias: Brasil de Fato

Velório dos militantes do MST foi carregado de emoção na Paraíba

dom, 09/12/2018 - 23:24
DESPEDIDA Os dois militantes foram mortos por homens encapuzados em acampamento Redação BdF - PB | Velório de Orlando - muita comoção na despedida Christian Woa

O velório de José Bernardo da Silva (conhecido como Orlando) aconteceu na capela do assentamento Zumbi dos Palmares na cidade de Mari. Após as 14h, entre cânticos de luta, poesias e palavras de ordem, várias autoridades e militantes fizeram uso da palavra. O velório de Rodrigo Celestino aconteceu em João Pessoa e também recebeu centenas de pessoas para a sua despedida.

José Bernardo da Silva e Rodrigo Celestino foram assassinados na noite deste sábado (08) por volta das 19h. Os dois eram militantes do Movimento das Trabalhadoras e Trabalhadores Sem Terra (MST) da Paraíba e estavam no acampamento Dom José Maria Pires, localizado no município de Alhandra, quando um grupo de 4 homens armados entraram na área e atiraram neles enquanto jantavam.

O acampamento Dom José Maria Pires, antiga Fazenda Garapu, pertence ao Grupo Santa Tereza e completou um ano de resistência em julho deste ano. “Vamos comparecer ao velório e fazer um ato político”, disse a deputada estadual eleita, Cida Ramos, através de nota.

Abaixo, alguns trechos de falas de autoridades e militantes na despedida dos companheiros assassinados:

Jackson Macedo - Presidente estadual  do PT - PB

A preocupação é grande, não só pelo que aconteceu mas o que pode acontecer na nova conjuntura da politica nacional. Nós temos uma preocupação muito grande com o governo Bolsonaro. A polícia em João Pessoa bateu na juventude do hip hop gritando agora é Bolsonaro, então a luta da esquerda é muito grande, nós temos que criar uma grande frente de mobilização de defesa dos trabalhadores pois temos um futuro muito incerto para os militantes.

Trecho de poesia lida por um militante no velório:

Se a guerra está declarada, nós temos um lado. Não serão as armas e a violência que irá parar a nossa luta., seguimos o exemplo de Margarida Maria Alves: decidimos temer mais a fome do que a morte! Queremos e faremos justiça, ocuparemos a terra, plantaremos comida e daremos vida aos sonhos do companheiro. Alertamos: também sabemos atirar, a foice e o facão são ferramentas de trabalho mas não exitaremos em nos defender a terra repartida, se a morte for o preço da transformação desse país, não haverá munição capaz de nos parar. Nosso luto é verbo conjugado no presente, na primeira pessoa do plural: nós lutamos, nós lutaremos!


Paulo Marcelo – presidente da CUT - PB

É um momento de extrema tristeza para um dos importantes movimentos do Brasil e para todos os movimentos; o movimento sindical está de luto, o MST está de luto e daqui a um pouco mais de vinte dias se aproxima um novo brasil muito preocupante. O que nós vimos com esses dois bárbaros assassinatos é apenas o reflexo daquilo que se aproxima dos brasileiros que lutam por reforma agrária, por direitos. E o Brasil e o mundo já sabem que esse governo vem para tratorar os movimentos e fica aqui o nosso repúdio, em nome de todos os trabalhadores. E temos que reagir não ter medo, temos que continuar a luta e colocar todos os meios possíveis para defender a classe trabalhadora.

Gleisi Hoffman – senadora e Presidenta do PT nacional

Como dói que seja assim, saber que não serão os primeiros nem serão os últimos... por que que tem que ser assim? Por que tem que morrer pra poder ter um pedaço de terra pra produzir, pra poder sustentar sua família. Como é triste ver uma criança com fome. E os companheiros que enfrentam essa situação pagam com a vida. Um pais de exclusão onde a maioria luta para sobreviver, literalmente. Um país de 500 anos, que começou dizimando os índios, explorou os negros, colocando-os pra fazer serviços sem remuneração, excluindo os pobres... como um país como esse pode falar em desenvolvimento? Não tem desenvolvimento enquanto alguns tiverem que morrer para ter acesso a comida. E então a elite vem falar de paz social, dentro de carpetes e ar-condicionado. Paz social se discute aqui na lida, tendo que lutar pela comida e lutar para não ser assassinado. Na história desse país o único momento, um soluço de justiça social foi quando Lula assumiu. Pode ver na história. Queremos justiça, mas a maior justiça que podemos fazer é continuar na luta!

Ricardo Coutinho – governador da PB

Há nove anos atrás o José Bernardo teve um irmão executado da mesma forma. Eu fico me perguntando qual será o futuro desse país. Temos aqui uma perda afetiva, familiar, mas temos também a perda de algo que demora dez anos para se formar, que é a perda de um quadro, uma liderança. Não se forma liderança a três por quatro. Uma liderança, para se constituir, leva tempo, provações, legitimidade. Estamos passando pelo pior momento que é o da criminalização da sociedade que quer se organizar. Precisamos estar atentos porque a serpente saiu do ovo, já está espalhada na cabeça de muita gente que sonha em poder resolver tudo na base da bala. O brasil involuiu, está andando pra trás e vai andar cada vez mais para trás à medida que a gente aceita esse jogo e não se organiza. E enquanto governador iremos às ultimas consequências: desde ontem estamos buscando todo tipo de informação. Para que a gente possa punir, não apenas o executor, mas quem manda matar. Porque, do contrário, isso voltará a ser uma rotina no estado

José Godoy - Procurador da República - PB

É uma tristeza muito grande presenciar e ver isso acontecer na véspera dos 50 anos da declaração dos direitos humanos, 30 anos da constituição de 88 que colocou como direito básico o acesso à reforma agrária. Meus sentimentos a todos da família. Como disse o governador, será necessário muita luta para mudar isso, e nos últimos anos tem sido muito forte essa questão contra quem luta. Eu costumo dizer que não existe democracia sem eleições livres, e não existe eleições livres sem partidos e movimentos sociais. Então vocês são o cerne da democracia e quando acontece isso é a democracia que está sendo atacada.


Cida Ramos - professora e recém eleita deputada estadual pelo PSB

Muito difícil ver Orlando nesta situação. E com ele e com Rodrigo vai um pedacinho da gente. Vai um pedaço daquilo que nós acreditamos de valores, do sentimento, da necessidade desse país ser democrático, e não tratar as diferenças com esta truculência, o que morre hoje aqui é a tentativa de nos tornar mais fracos. A tentativa de dizer que a luta por justiça e igualdade não vale a pena. Estive no assentamento logo cedo. E vi o brilho no olhar que existia em Orlando. E agora, mais do que nunca, estaremos na linha de frente com vocês para mostrar que a bandidagem e a truculência não representam o Brasil.


Sandra Marrocos, vereadora de João Pessoa pelo PSB

Super difícil, encontrei companheiros de longas datas, da luta pela terra, do urbano e o rural. Tempos difíceis. O estado democrático de direito sendo atacado traz uma memoria antiga que a gente não queria que acontecesse mais que é a de companheiros lutando pelo direito a terra, o direito a vida. E teve o assassinato desse tipo na minha família. E a gente precisa estar muito atentos e fortes, resistindo, e esse é o momento que precisamos fazer enfrentamento muito forte.

Marcos Henriques – vereador de João Pessoa pelo PT
O sentimento é de revolta porque a luta de Orlando era por dignidade, por terra para o seu povo e um momento tão triste para o Brasil prestes a entrar um governo contrário à classe trabalhadora, ao MST, conforme ele mesmo relatou. Estive muito com Orlando e aprendi muito com ele: um militante que tem o amor e o orgulho daqueles que ele representa. Eu acho que essa morte tem que ser punida. O que ele deixou para a gente muitos ensinamentos. E isso vai se tornar em muita luta.


Wilton Maia do STIUPB - Sindicato dos Trabalhadores nas Industrias Urbanas da Paraíba

Essa morte não sera em vão, vamos permanecer na luta, empunhando a bandeira da luta de classe pela reforma agrária. Sabemos que são tempos difíceis que iremos enfrentar, mas não iremos nos acovardar e vamos permanecer firmes em defesa da democracia. E orlando e Marielle são exemplos de luta.

Dilei Schiochet - direção nacional do MST

A luta pela terra no Brasil sempre foi muito tensa, porque a concentração da terra é histórica, não vem de agora, e a terra e um bem da natureza e não poderia ser comprada nem vendida, como o sole o ar que respiramos, e o Brasil é o pais que mais concentra terra no mundo, e as elites não permitem que democratize a terra:  elas sempre vão tentar nos parar.

(function(i,s,o,g,r,a,m){i['GoogleAnalyticsObject']=r;i[r]=i[r]||function(){ (i[r].q=i[r].q||[]).push(arguments)},i[r].l=1*new Date();a=s.createElement(o), m=s.getElementsByTagName(o)[0];a.async=1;a.src=g;m.parentNode.insertBefore(a,m) })(window,document,'script','//www.google-analytics.com/analytics.js','ga'); ga('create', 'UA-54143594-4', 'auto'); ga('set', 'campaignName', 'FacebookIA'); ga('set', 'campaignSource', 'FacebookInstantArticles'); ga('set', 'campaignMedium', 'social'); ga('send', 'pageview');
Categorias: Brasil de Fato

Ministério Público Federal repudia assassinato de trabalhadores sem-terra na Paraíba

dom, 09/12/2018 - 15:25
Violência no campo Em nota, três órgãos do MPF também se solidarizam com MST e familiares das duas vítimas fatais Daniela Stefano | Comunidade aguarda ato político em frente a Capela Nossa Senhora Aparecida, no assentamento Zumbi dos Palmares, no município de Mari Comunicação MST/PB

A Procuradoria Geral da República (PGR), a Procuradoria Federal dos Direitos do Cidadão (PFDC) e a Procuradoria Regional dos Direitos do Cidadão na Paraíba (PRDC/PB), órgãos do Ministério Público Federal, manifestaram solidariedade aos familiares de José Bernardo da Silva e Rodrigo Celestino, brutalmente assassinados na noite deste sábado (8).

"Diante desse quadro, a PGR, a PFDC e a PRDC/PB reiteram o compromisso com a proteção dos direitos humanos dos assentados e envidarão todos os esforços perante os órgãos de investigação para que a autoria do duplo assassinato seja esclarecida e os responsáveis punidos conforme a lei", afirma a nota, assinada por Raquel Dodge, Procuradora-Geral da República, Deborah Duprat, Procuradora Federal dos Direitos do Cidadão e José Godoy, Procurador Regional dos Direitos do Cidadão.

Em nota, os amigos do MST na Paraíba expressaram a solidariedade ao MST e aos familiares de Orlando e Rodrigo: “Consideramos que o assassinato covarde desses companheiros se inscreve como ato continuo da truculência exacerbada pelo cenário político vivido no país com a ascensão do ideário neofascista e de criminalização  das organizações e movimentos populares deste país.”

Por volta das 19h deste sábado (8), Rodrigo Celestino e José Bernardo da Silva – mais conhecido como Orlando – estavam jantando no acampamento Dom José Maria Pires, no município de Alhandra, litoral paraibano, quando quatro homens armados entraram na área e dispararam contra eles. O acampamento Dom José Maria Pires completou um ano em julho deste ano. Está na área da  antiga fazenda Garapu, vinculado ao Grupo Santa Tereza.
 
Paraíba: lutas e conflitos

A luta pela terra na Paraíba é antiga. As Ligas Camponesas, um dos movimentos mais importantes pela Reforma Agrária estava intensamente presente no estado entre as décadas de 1950 e 60, principalmente na região de Mari, no agreste paraibano. Até hoje, a região é marcada por conflitos, explica o professor e pesquisador da questão agrária Marco Antonio Mitidiero Júnior: “o acampamento Antas está na beira da estrada há 20 anos e fica a cerca de 500 metros da casa onde viveram João Pedro e Elisabeth Teixeira, das Ligas Camponesas”. João Pedro Teixeira foi assassinado em 1962. Décadas mais tarde, Maria Margarida Alves também seria assassinada na Paraíba, em 1983. 

De acordo com Mitidiero, no entanto, os conflitos são mais intensos na Zona da Mata e Brejo paraibano. Alhandra, local dos assassinatos deste sábado, fica na Zona da Mata e, segundo o professor, é uma área marcada pela violência no campo. O deputado e padre Luiz Couto, do PT, por exemplo, vive sob proteção da Polícia Federal há mais de 10 anos por ter denunciado a ação de pistoleiros no local. 

“É uma região violenta e muito cobiçada por conta da cana-de-açúcar e pelo minério de calcário”, afirma o professor. De acordo com ele, Alhandra está dentro da Zona da Mata, que se inicia no litoral alagoano e vai até o Rio Grande do Norte. “Há muitos conflitos e o registro de inúmeras ocorrências de violências e ameaças”, explica.

O professor ressalta, no entanto, que nos últimos anos o número de assassinatos caiu. Antes da mortes ocorridas ontem, o mais recente assassinato havia sido em 2016. Na ocasião, o assentado Ivanildo Francisco da Silva levou três tiros dentro da própria casa. Ele era presidente do PT local e apoiador da Comissão Pastoral da Terra. 

No total, 31 pessoas perderam a vida por defender os direitos das trabalhadoras e trabalhadores rurais entre 1962 e 2018 de acordo com o banco de dados de Mitidiero e da CPT Nacional.

Homenagem

Um ato político na tarde deste domingo (9) na cidade de Mari, na Paraíba, deve homenagear os trabalhadores rurais assassinados. Familiares, simpatizantes da luta pela terra e autoridades, como a presidenta do PT, Gleisi Hoffman, e o governador da Paraíba, Ricardo Coutinho (PSB), devem participar do velório e ato, que ocorre na capela do assentamento Nossa Senhora Aparecida, no assentamento Zumbi dos Palmares. 

O corpo de Orlando deve ser velado na capela Nossa Senhora Aparecida, no assentamento Zumbi dos Palmares, em Mari. Era ali que ele vivia, com sua família. Rodrigo Celestino deve receber as últimas homenagens de maneira reservada, apenas com parentes e amigos, em João Pessoa.

(function(i,s,o,g,r,a,m){i['GoogleAnalyticsObject']=r;i[r]=i[r]||function(){ (i[r].q=i[r].q||[]).push(arguments)},i[r].l=1*new Date();a=s.createElement(o), m=s.getElementsByTagName(o)[0];a.async=1;a.src=g;m.parentNode.insertBefore(a,m) })(window,document,'script','//www.google-analytics.com/analytics.js','ga'); ga('create', 'UA-54143594-4', 'auto'); ga('set', 'campaignName', 'FacebookIA'); ga('set', 'campaignSource', 'FacebookInstantArticles'); ga('set', 'campaignMedium', 'social'); ga('send', 'pageview');
Categorias: Brasil de Fato

PAPO ESPORTIVO | Final da Libertadores em Madrid é um tapa na nossa cara

dom, 09/12/2018 - 13:00
Final da Libertadores Já estão chamando o torneio de "Copa Colonizadores da América" Luiz Ferreira | Boca Juniors e River Plate jogam a decisão no Estádio Santiago Bernabéu, em Madrid Reprodução / Facebook / Conmebol Libertadores

Caro amigo, vamos fazer que nem as crianças e brincar de “faz de conta”. Vamos fazer de conta que Flamengo e Vasco estão na final da Copa Libertadores da América e que o mundo inteiro anseia pelo Clássico dos Milhões mais importantes de todos os tempos. No entanto, as torcidas rubro-negra e vascaína entraram em conflito nos arredores do Maracanã e quase provocaram uma tragédia antes da decisão começar. O jogo é suspenso por falta de segurança e a “solução” da Conmebol é transferir a decisão para o Estádio da Luz, em Lisboa, capital de Portugal.

Nem preciso dizer que torcedores de Fla e Vasco ficariam meio “pistolas” com essa determinação, não é? Bom, foi mais ou menos isso que a Conmebol fez com a final da Libertadores de 2018. O jogo que vai decidir o campeão sul-americano saiu do Monumental de Núñez e foi remarcado para hoje, domingo (9) no Santiago Bernabéu, casa do… Real Madrid. Pois é. Na Espanha, meu amigo. Não foi por acaso que surgiram memes e zoações na internet dizendo que a competição mudaria de nome para Copa Colonizadores da América...

Essa decisão é errada de tantos jeitos que eu nem sei direito por onde começar. Ela é um verdadeiro tabefe na cara de quem ama o futebol e estava doido para ver dois clubes do tamanho de Boca Juniors e River Plate decidindo o torneiro mais importante das Américas. É a maior prova da nossa incapacidade de fazer o simples: organizar um jogo de futebol e se comportar de maneira digna nos arredores e dentro dos estádios.

Amigo, você pode falar que a rivalidade entre os dois finalistas é muito grande, que as duas torcidas se provocam o tempo todo, que na Argentina é diferente e outras coisas. Mas nada tira da minha cabeça que nós, torcedores (sim, estou me incluindo nessa), somos os maiores responsáveis por toda a baderna que tomou conta dos estádios e arenas. A gente simplesmente não sabe se comportar. E em determinados locais (como a Argentina) a situação piora demais. Como cobrar retidão de CBF, Conmebol e FIFA se o torcedor age como se estivesse no Circo Romano? Rivalidade é uma coisa. Babaquice é outra.

E ainda existe a Conmebol que prefere passar a mão na cabeça deste ou daquele clube (por conta de prestígio, contratos ou sei lá o quê) em detrimento de outros. A maneira como ela “passou pano” no caso do técnico Marcelo Gallardo que, mesmo suspenso, apareceu no vestiário do River Plate durante a semifinal contra o Grêmio (e ainda zombou do fato diante da imprensa) resume bem o que a entidade que comanda (???) o futebol sul-americano anda fazendo com a modalidade. Muito interesse e pouca coisa que preste. Em vez de cobrar das autoridades argentinas e dos próprios clubes que os marginais sejam enquadrados nos rigores da lei, “passam pano” no que aconteceu em Buenos Aires e anda exaltam a “rivalidade” dos torcedores.

Na boa, isso é uma tremenda bifa na nossa fuça.

Qual será a próxima atitude genial da Conmebol? Como se já não bastassem as denúncias de corrupção, os escândalos que eu e você acompanhamos no noticiário e tudo mais que aconteceu nos últimos anos (com presidente de entidade indo parar atrás das grades), ela me inventa mais essa. Mas também não podemos tirar a culpa de quem joga pedra no ônibus do time rival e de quem alimenta esse tipo de barbaridade.

A verdade, meu amigo, é que nós estamos nos afastando do verdadeiro espírito esportivo e alimentando nossos próprios monstros.

(function(i,s,o,g,r,a,m){i['GoogleAnalyticsObject']=r;i[r]=i[r]||function(){ (i[r].q=i[r].q||[]).push(arguments)},i[r].l=1*new Date();a=s.createElement(o), m=s.getElementsByTagName(o)[0];a.async=1;a.src=g;m.parentNode.insertBefore(a,m) })(window,document,'script','//www.google-analytics.com/analytics.js','ga'); ga('create', 'UA-54143594-4', 'auto'); ga('set', 'campaignName', 'FacebookIA'); ga('set', 'campaignSource', 'FacebookInstantArticles'); ga('set', 'campaignMedium', 'social'); ga('send', 'pageview');
Categorias: Brasil de Fato

Intervenção federal em Roraima deve iniciar nesta segunda (10)

dom, 09/12/2018 - 09:50
Crise Governadora Suely Campos (PP) ficará afastada do cargo; interventor será o governador eleito, Antonio Denarium (PSL) Redação | Reunião do Conselho da República e do Conselho de Defesa Nacional, no Palácio do Planalto Valter Campanato / Agência Brasil

A intervenção federal no estado de Roraima passa a valer a partir de amanhã (10) até 31 de dezembro, quando for publicado no Diário Oficial da União o decreto com a medida. A informação é do ministro do Gabinete de Segurança Institucional (GSI), Sergio Etchegoyen, que participou de reunião, em Brasília, com o presidente Michel Temer, os conselhos de Segurança Nacional e Defesa Nacional.

Neste período a governadora Suely Campos (PP) ficará afastada do cargo e assume como interventor, o governador eleito, Antonio Denarium (PSL). Denarium pediu prorrogação da intervenção por mais 60 dias (até fevereiro de 2019) no sistema prisional do estado.

Após se reunir ontem (8) com sua equipe de transição, Denarium anunciou as ações que vai apresentar a Temer, em Brasília, na terça-feira (11). A prioridade, segundo ele, é pagar os salários atrasados dos servidores, alguns há três meses, e pedir antecipação de repasse financeiro da União para Roraima.

Segundo Denarium, Temer indicou dois nomes para este período como parte da equipe de intervenção: o general Eduardo Pazuello, como secretário da Fazenda, e Paulo Costa, secretário da Segurança Pública.

Roraima enfrenta atualmente crise na segurança pública e no sistema prisional. Agentes penitenciários do estado deixaram de trabalhar e policiais civis deflagraram paralisação de 72 horas devido a meses de salários atrasados. Como os policiais militares são impedidos por lei de fazer greve, receberam o apoio de suas esposas, que bloquearam o acesso aos batalhões como forma de protesto.

Redes sociais

Nas redes sociais, o governador eleito sintetizou as ações que pretende implementar, após apresentação para o presidente da República. Segundo Denarium, foi iniciado o processo de levantamento de informações que vão subsidiar a elaboração de um Plano de Recuperação Fiscal.

No Plano de Recuperação Fiscal, será informado o total de dívidas correntes do estado, entre elas, dívidas com fornecedores e com o pagamento de salários de servidores, que, para algumas categorias, vai completar quatro meses.

Também está no plano, no esforço de reduzir os custos do executivo, a reforma administrativa, incluindo a extinção de cargos e secretarias, além da fusão de pastas. “[Para que] beneficiem o princípio da otimização de serviços e economicidade, fiscalização todos contratos vigentes, além de economia com gastos com telefone, água e energia”, disse o governador eleito nas redes sociais.

(function(i,s,o,g,r,a,m){i['GoogleAnalyticsObject']=r;i[r]=i[r]||function(){ (i[r].q=i[r].q||[]).push(arguments)},i[r].l=1*new Date();a=s.createElement(o), m=s.getElementsByTagName(o)[0];a.async=1;a.src=g;m.parentNode.insertBefore(a,m) })(window,document,'script','//www.google-analytics.com/analytics.js','ga'); ga('create', 'UA-54143594-4', 'auto'); ga('set', 'campaignName', 'FacebookIA'); ga('set', 'campaignSource', 'FacebookInstantArticles'); ga('set', 'campaignMedium', 'social'); ga('send', 'pageview');
Categorias: Brasil de Fato

STF só vai pautar julgamento de liberdade de Lula em 2019

dom, 09/12/2018 - 09:35
Judiciário Ex-presidente passará Natal e Ano-Novo em Curitiba, onde estão sendo organizadas manifestações de militantes Redação | Com isso, Lula passará Natal e Ano Novo preso em Curitiba Ricardo Stuckert

O ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal (STF), só vai devolver o pedido de habeas corpus de Lula para votação na Segunda Turma da Corte em 2019, informa o blog de Lauro Jardim, de O Globo. Dessa forma, Sérgio Moro poderá tomar posse no Ministério da Justiça sem o STF julgar se sua decisão de prender o ex-presidente foi ou não parcial.

Com isso, Lula passará Natal e Ano Novo preso em Curitiba, onde estão sendo organizadas inúmeras manifestações de militantes. A partir desta segunda-feira (10), Dia Mundial dos Direitos Humanos, o Comitê Nacional Lula Livre começa as jornadas pela liberdade do ex-presidente.

Um grande ato foi convocado para a sede do Sindicato dos Metalúrgicos do ABC, às 18 horas desta segunda, que deverá contar com a presença de representações políticas de vários países.

Os movimentos sociais realizarão, também, ações de solidariedade em todo o Brasil para reiterar a denúncia da injustiça cometida contra o ex-presidente, preso há mais de oito meses na sede superintendência da Polícia Federal, em Curitiba. Serão atos públicos, panfletagens, lançamentos de comitês e outras ações para exigir sua liberdade.

“Faremos atividades de solidariedade ao presidente Lula em todo país no próximo dia 10 e conclamamos a sociedade a se mobilizar contra esse processo injusto que perseguiu e prendeu nossa maior liderança política”, destaca João Paulo Rodrigues, representante do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST).

(function(i,s,o,g,r,a,m){i['GoogleAnalyticsObject']=r;i[r]=i[r]||function(){ (i[r].q=i[r].q||[]).push(arguments)},i[r].l=1*new Date();a=s.createElement(o), m=s.getElementsByTagName(o)[0];a.async=1;a.src=g;m.parentNode.insertBefore(a,m) })(window,document,'script','//www.google-analytics.com/analytics.js','ga'); ga('create', 'UA-54143594-4', 'auto'); ga('set', 'campaignName', 'FacebookIA'); ga('set', 'campaignSource', 'FacebookInstantArticles'); ga('set', 'campaignMedium', 'social'); ga('send', 'pageview');
Categorias: Brasil de Fato

Dois trabalhadores do MST são assassinados em acampamento na Paraíba

dom, 09/12/2018 - 00:07
EXTERMÍNIO Grupo fortemente armado invadiu a área e matou militantes enquanto jantavam Redação BdF -PB | Assassinos invadiram o acampamento Dom José Maria Pires por volta das 19h e mataram 2 militantes do MST. Divulgação

José Bernardo da Silva e Rodrigo Celestino foram assassinados na noite deste sábado (08) por volta das 19h. Os dois eram militantes do Movimento das Trabalhadoras e Trabalhadores Sem Terra (MST) da Paraíba e estavam no acampamento Dom José Maria Pires, localizado no município de Alhandra, quando um grupo de 4 homens armados entraram na área e atiraram neles enquanto jantavam.
O acampamento Dom José Maria Pires, antiga Fazenda Garapu, pertence ao Grupo Santa Tereza e completou um ano de resistência em julho deste ano. “Vamos comparecer ao velório e fazer um ato político”, disse a deputada estadual eleita, Cida Ramos, através de nota.

O MST da Paraíba também se posicionou através de nota dizendo: “ Exigimos justiça com a punição dos culpados e acreditamos que lutar não é crime”.

Confira a nota do MST na íntegra abaixo:

Nota da Direção do MST Paraíba sobre o assassinato de dois militantes no Acampamento Dom José Maria Pires, município de Alhandra. 

“O que seria deste mundo sem militantes? Como seria a condição humana se não houvesse militantes? Não porque os militantes sejam perfeitos, porque tenham sempre a razão, porque sejam super-homens e não se equivoquem. Não é isso. É que os militantes não vêm para buscar o seu, vem entregar a alma por um punhado de sonhos’.
(Ex-presidente Uruguaio, Pepe Mujica)

O Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST-PB) perde nesta noite de sábado (08) por volta das 19:30 dois militantes: José Bernardo da Silva, conhecido por Orlando e Rodrigo Celestino. Foram brutalmente assassinados por capangas encapuzados e fortemente armados. Isso demonstra a atual repressão contra os movimentos populares e suas lideranças. O ataque aconteceu no Acampamento Dom José Maria Pires, no município de Alhandra na Paraíba. Área da Fazenda Garapu, pertencente ao Grupo Santa Tereza, ocupada pelas famílias em julho de 2017.

Exigimos justiça com a punição dos culpados e acreditamos que lutar não é CRIME. Nestes tempos de angústia e de dúvidas sobre o futuro do Brasil, não podemos deixar os que detém o poder político e econômico traçar o nosso destino. Portanto, continuamos reafirmando a luta em defesa da terra como central para garantir dignidade aos trabalhadores e trabalhadoras do campo e da cidade.

Justamente dois dia antes das comemorações do Dia Internacional dos Direitos Humanos, 10 de dezembro, são assassinados de forma brutal dois trabalhadores Sem Terra. Neste sentido, convocamos a militância, amigos e amigas, aos que defendem os trabalhadores e trabalhadoras, denunciar a atual repressão e os assassinatos em decorrências de conflitos no campo.

Solidariedade à família de Orlando e Rodrigo.

Direção do MST – PB
Lutar, Construir Reforma Agrária Popular!

(function(i,s,o,g,r,a,m){i['GoogleAnalyticsObject']=r;i[r]=i[r]||function(){ (i[r].q=i[r].q||[]).push(arguments)},i[r].l=1*new Date();a=s.createElement(o), m=s.getElementsByTagName(o)[0];a.async=1;a.src=g;m.parentNode.insertBefore(a,m) })(window,document,'script','//www.google-analytics.com/analytics.js','ga'); ga('create', 'UA-54143594-4', 'auto'); ga('set', 'campaignName', 'FacebookIA'); ga('set', 'campaignSource', 'FacebookInstantArticles'); ga('set', 'campaignMedium', 'social'); ga('send', 'pageview');
Categorias: Brasil de Fato

Ocupação 29 de março: O primeiro dia depois de perder tudo

sab, 08/12/2018 - 19:08
Tragédia Moradores relatam como foi voltar para casa e só encontrar escombros Frédi Vasconcelos | Moradores retornam na Ocupação após incêndio buscando sobras da tragédia que destruiu mais de 200 casas Giorgia Prates

“Perdi tudo, o que vou fazer agora?...” os gritos da balconista M misturam-se com a fumaça que ainda sai de madeiras que insistem em queimar mais de 12 horas após o incêndio, juntando-se ao cheiro de panos, plásticos e corpos de animais. Tudo carbonizado, queimado.

No chão, cacos de telhas, metais retorcidos de fogões, máquinas de lavar, restos de camas e colchões. Cena de guerra, com mais de 200 casas destruídas. Dezenas de botijões de gás enfileirados. E o cheiro nauseante que insiste em permanecer nas narinas mesmo depois de sair do local. A balconista M descreve o horror que passou, ao lado de sua casa queimada. “Eles passaram correndo, com tocas ‘ninja’. Estavam com um galão. Do outro lado deram dois tiros e soltaram fogos. Senti cheiro de fogo, falei com minha filha, quando levantei estava pegando fogo em tudo. De trás para frente, chegando. E eles dando tiros do outro lado. A gente correndo com crianças e eles dando tiros. Eles falaram que a favela não vai ficar de pé, que vão tirar todos daqui.”

O vigilante P, também ao lado dos escombros de sua casa, conta que saiu para trabalhar perto das 20h e que antes havia visto tiros da polícia, mas que quando saiu, a “brigaiada já tinha acabado”. Uma vizinha contou que ouviu a polícia dizer que ia voltar. “Daí, por volta das 11h da noite, recebi uma ligação de minha enteada dizendo que estavam botando fogo na casa, não tinha como voltar, sair do trabalho”. Chegou à sua casa por volta do meio dia do sábado, vendo que tinha perdido tudo. “Ainda nem dormi. É a perdição da vida. A gente perde tudo por causa de uma bobeira, de uma pessoa. Como que o povo daqui vai fazer agora. Estava pagando há dois anos essa casa, R$ 200 por mês, ia terminar de pagar em janeiro agora. Como vou construir de volta? A PM vai pagar de volta?”

L, de 8 anos, morava com os pais e mais três irmãos noutra casa. Diz que estavam os seis em casa e ele quase dormia quando gritaram que estava pegando fogo. Quando a gente saiu já estava pegando fogo no telhado”, afirma. Conta que eles foram pra rua, os pais só conseguiram tirar os filhos, o cachorro e alguns cobertores. “Hoje meus pais vieram para cá e começaram a chorar. Eu chorei também”. Ele e a família estão ficando na casa de uma amiga de sua mãe.

Prioridade para doações
Igrejas e outras entidades estão recolhendo doações para as famílias

A mobilização em solidariedade começou logo nas primeiras horas da manhã de hoje.

PONTOS DE COLETA

Escola Ensino Fundamental Doutor Hamilton Calderari Leal - R. Victor Grycajuk, 121 - São Miguel.

Cras Moradias Corbélia - R. Profa. Cecília Iritani, 510 - Corbélia.

Ong Anjos, em frente a praça Alto Bela Vista, R. Carlos Eduardo Martins Mercer, 31 - no Sabará.

Igreja Sara Nossa Terra Barigui - Rua Ricardo Emílio Michel, 531, Cidade Industrial.

Associação Moradias Sabará 1, Rua Ary Caramão Arruda, 151 - Cidade Industrial.

Casarão da União Paranaense de Estudantes (UPE), Rua Presidente Carlos Cavalcanti, 1157 - São Francisco.

Sara Nossa Terra, Avenida Presidente kennedy, 2134, Rebouças. 

Mandarino Advocacia, Av Marechal Floriano Peixoto 228 a/c cj 1503, Edifício Banrisul na esquina das Marechais - Centro.

O QUE DOAR:

Produtos de higiene em geral

Toalhas de banho

Lençóis e travesseiros

Cobertores

Sapatos

Roupas

Alimentos

Utensílios domésticos

Lona

Materiais de construção em geral – tábua, pregos e telhas e móveis.

(function(i,s,o,g,r,a,m){i['GoogleAnalyticsObject']=r;i[r]=i[r]||function(){ (i[r].q=i[r].q||[]).push(arguments)},i[r].l=1*new Date();a=s.createElement(o), m=s.getElementsByTagName(o)[0];a.async=1;a.src=g;m.parentNode.insertBefore(a,m) })(window,document,'script','//www.google-analytics.com/analytics.js','ga'); ga('create', 'UA-54143594-4', 'auto'); ga('set', 'campaignName', 'FacebookIA'); ga('set', 'campaignSource', 'FacebookInstantArticles'); ga('set', 'campaignMedium', 'social'); ga('send', 'pageview');
Categorias: Brasil de Fato

Ocupação 29 de março: cenas de guerra e indignação

sab, 08/12/2018 - 19:06
Incêndio Reportagem do Brasil de Fato ouve dezenas de moradores e todos são unânimes em atribuir incêndio à polícia Frédi Vasconcelos | Moradores reviram escombros após incêndio em comunidade no Paraná Giorgia Prates

No dia seguinte ao incêndio que destruiu mais de 200 casas na Ocupação 29 de março, na CIC, em Curitiba, a reportagem do Brasil de Fato entrevistou dezenas de moradores. Em todos os relatos, de pessoas cujos nomes serão preservados por questões de segurança, o começo do incêndio é atribuído à ação da polícia.

O terror se instaurou nas comunidades da ocupação depois da morte de um policial na madrugada de quinta para sexta-feira na frente da casa em que começou o incêndio na noite seguinte. Há relatos de agressão e espancamento de pessoas durante todo o dia de sexta para que denunciassem quem era e onde estava o responsável pela morte do policial.

“De lá para cá os PM começaram a entrar nas ocupações, 29 de Março, Primavera,Dona Cida e até Tiradentes. Eles agrediram e espancaram várias pessoas. Colocaram sacolas na cabeça, deram chutes, cotoveladas... À noite, mandaram o recado que iam velar o camarada deles e depois do velório iam ‘estourar os barracos da comunidade’. Voltaram e entraram na casa em frente que o policial foi alvejado, deram um monte de tiros e começaram o incêndio”, conta o morador J. Outra moradora, C, confirma que pessoas da comunidade foram agredidas, “invadiram, quebraram portas das casas em que os moradores estavam trabalhando. À tarde, deram toque para fechar todos os comércios por que iam fazer uma operação, entraram nos barracos. À noite, ninguém podia sair para fora. Aí as casas começaram a queimar, teve tiro, foguete, morador morto, motorista de Uber baleado.”

L, que também morava no local do incêndio, diz que seu marido foi um dos que apanharam da polícia, levando muitas coronhadas. Relata que foram para a casa de uma amiga, mas no final da tarde desceu para pegar seu violão, porque canta música gospel. A porta de sua casa tinha sido estourada, mas estava “tudo arrumadinho”. Quando saiu do beco onde morava, escutou tiros e foguetes. E deu de cara com uns 10, 15 policiais à paisana, atirando pra cima e pros lados.

“Saí meio tranquila, sem correr pra não acharem que eu tinha alguma coisa, e fui pro Tiradentes (outra comunidade). "Quando viu o fogo quis voltar, mas seu marido não queria deixar, porque já tinha apanhado muito. “Mas a gente reuniu um povo e veio em comboio, chegou aqui na rua. Afirma que quando chegou os bombeiros estavam sendo impedidos de trabalhar, “Só quando a imprensa chegou é que deixaram.”

O morador J lembra que já houve outros incêndios nas comunidades e que por isso existe uma estratégia de desmontar os barracos que estão ao lado para que o fogo não se propague. “Até seis casas já chegaram a queimar, mas não passou disso. Só que quando nos mobilizamos para tentar controlar o incêndio, não deixaram a gente fazer nada, queimaram mais de 200 barracos. O presente de Natal são essas famílias sem teto. Eu quero justiça na investigação da morte do policial, mas o que fizeram aqui foi vingança, uma covardia.”

Posição da PM

Em coletiva de imprensa neste sábado, 08, os comandos da Polícia Militar e Policia Civil negaram envolvimento de policiais com o incêndio e também qualquer tipo de violência contra os moradores. Informaram que será aberto inquérito e que consideram que a ação seja responsabilidade do tráfico ou do crime organizado. O BDF está à disposição para que qualquer policial possa contar sua versão, com o mesmo sigilo garantido aos moradores.
A Prefeitura de Curitiba se pronunciou também nesta manhã informando que um plano de contingência foi acionado envolvendo Defesa Social, Guarda Municipal, Fundação de Ação Social (FAS), Secretaria Municipal da Educação, Secretaria Municipal da Saúde, coordenados pela Regional da CIC. Cerca de 80 pessoas, segundo informe da Prefeitura, foram abrigadas na Escola Municipal Doutor Hamilton Calderari Leal.

(function(i,s,o,g,r,a,m){i['GoogleAnalyticsObject']=r;i[r]=i[r]||function(){ (i[r].q=i[r].q||[]).push(arguments)},i[r].l=1*new Date();a=s.createElement(o), m=s.getElementsByTagName(o)[0];a.async=1;a.src=g;m.parentNode.insertBefore(a,m) })(window,document,'script','//www.google-analytics.com/analytics.js','ga'); ga('create', 'UA-54143594-4', 'auto'); ga('set', 'campaignName', 'FacebookIA'); ga('set', 'campaignSource', 'FacebookInstantArticles'); ga('set', 'campaignMedium', 'social'); ga('send', 'pageview');
Categorias: Brasil de Fato

Parque Dona Lindu sedia evento sobre capoeira

sab, 08/12/2018 - 15:00
AGENDA CULTURAL Evento "Pernambuco tem Capoeira, sim senhor" acontece no Recife no domingo (09) Da Redação | Ritmos como o maracatu e maculelê também farão parte do encontro Divulgação

Maracatu, maculelê, musicalidade e muita roda de capoeira é o que vai acontecer no evento Pernambuco Tem Capoeira Sim Senhor no dia 09. As atividades terão início às 15h30, no Parque Dona Lindu, que fica localizado na na Avenida Boa Viagem - Recife.

A entrada é 1 quilo de alimento não perecível e você concorrerá ao sorteio de uma camisa do grupo Pernambuco Tem Capoeira Sim Senhor.

(function(i,s,o,g,r,a,m){i['GoogleAnalyticsObject']=r;i[r]=i[r]||function(){ (i[r].q=i[r].q||[]).push(arguments)},i[r].l=1*new Date();a=s.createElement(o), m=s.getElementsByTagName(o)[0];a.async=1;a.src=g;m.parentNode.insertBefore(a,m) })(window,document,'script','//www.google-analytics.com/analytics.js','ga'); ga('create', 'UA-54143594-4', 'auto'); ga('set', 'campaignName', 'FacebookIA'); ga('set', 'campaignSource', 'FacebookInstantArticles'); ga('set', 'campaignMedium', 'social'); ga('send', 'pageview');
Categorias: Brasil de Fato

Curso sobre sindicalismo é ofertado pelo IF Sertão em Petrolina

sab, 08/12/2018 - 15:00
FORMAÇÃO Formação é destinada para professores, estudantes, pesquisadores e sindicalistas Vanessa Gonzaga | Curso é gratuito e oferecido como projeto de extensão do Instituto ASCOM IF Sertão PE

O campus Petrolina do IF Sertão-PE está com inscrições abertas para o curso de extensão “Sindicalismo no Brasil: correntes e expressões na Educação”, com carga horária de 80h. Destinado a professores, sindicalistas em geral, estudantes de nível superior, gestores de educação pública ou privada e demais candidatos interessados na temática, o curso tem o objetivo introduzir os participantes no estudo científico das correntes sindicais brasileiras.

As inscrições são gratuitas e podem ser feitas até 09 de dezembro. As aulas iniciarão no dia 13 de dezembro, no horário de 18h às 22h. Mais informações no site www.ifsertao-pe.edu.br

(function(i,s,o,g,r,a,m){i['GoogleAnalyticsObject']=r;i[r]=i[r]||function(){ (i[r].q=i[r].q||[]).push(arguments)},i[r].l=1*new Date();a=s.createElement(o), m=s.getElementsByTagName(o)[0];a.async=1;a.src=g;m.parentNode.insertBefore(a,m) })(window,document,'script','//www.google-analytics.com/analytics.js','ga'); ga('create', 'UA-54143594-4', 'auto'); ga('set', 'campaignName', 'FacebookIA'); ga('set', 'campaignSource', 'FacebookInstantArticles'); ga('set', 'campaignMedium', 'social'); ga('send', 'pageview');
Categorias: Brasil de Fato

A força negra da compositora paraibana Cátia de França

sab, 08/12/2018 - 13:01
ENTREVISTA | De som e palavras Conheça a arte da filha de Adélia de França, que compõe sem impor fronteiras entre literatura e música Redação BdF- PB | Aos 71 anos, Cátia de França fala sobre política, arte e negritude e avalia um pouco de sua trajetória artística. Nathalia Cariatti

Cátia de França tem 71 anos e saiu da Paraíba em busca de mostrar sua arte pelo Brasil afora quando tinha apenas 19 anos. Tem em sua bagagem um encontro de letras, sons e sonhos. Suas canções já foram gravadas por grandes nomes da MPB, como Elba Ramalho, Amelinha e Xangai. Tem 6 discos gravados: 20 Palavras ao Redor do Sol (1979), Estilhaços (1980), Feliz  Demais (1985), Avatar (1996), No Bagaço da Cana: Um Brasil Adormecido (2012) e Hóspede da Natureza (2016). Essa mulher forte representa bem o momento político que estamos vivendo, na necessidade de resistir a preconceitos e ao ódio, “mas com o poder do humor” e da arte.

Confira a seguir a conversa entre o BdF e a lenda viva da música brasileira.

BdF: Fala um pouco da sua origem e da influência da sua mãe, a primeira professora negra da Paraíba, Adélia de França, na constituição do que é Cátia de França hoje?

Cátia de França: Você focar Cátia de França, você tem que saber as origens, o tronco, as raízes, quem foi essa pessoa que me gerou, então tem a presença dela. Minha mãe era uma figura irrequieta para a época, as pessoas que me dizem, andava bem vestida, morava na Rua da República, depois Rua da Pedra, ensinou em Itabaiana, Rio do Peixe, Pedras de Fogo, Guarabira. No entanto, as pessoas acessavam a internet e não tinha nada sobre minha mãe, aí uma universitária daqui de João Pessoa, Simone Cavalcanti, pesquisou sobre ela e passaram a saber quem era ela. Eu estou trabalhando para que essa dissertação seja publicada com a história dela! Tem uma escola aqui em João Pessoa, em Valentina, com o nome dela, mas não tem a foto dela. Era para ter um pôster dela para as crianças saberem quem era ela. Porque meu trabalho é todo em cima de livros? Porque mamãe me deu livros, eu me lembro faltava manteiga, mas não faltava livros, então essa era a figura revolucionária. Na certidão de nascimento dela não dizia que ela era negra, dizia que ela era parda, ela ficava o cão porque botaram parda, ela dizia isso não é coisa nenhuma, eu sou negra, porque não colocaram no meu registro? E o grande senão dela era o não reconhecimento do meu avô, que era um comerciante altamente conhecido no interior, e não assumiu ela, então na certidão dela ficou só o nome da minha avó, que era lavadeira, Severina de França. Mas ela tirou isso de letra, começou a ensinar, era requisitada. A escola dela era na Almeida Barreto, rua do mercado central, de um lado era a casa de hospedagem para rapazes, filhos de fazendeiros do interior da Paraíba, e do outro, eram de moças, e eu convivia com aquele povo todo, entendeu? E ela logo de pequena, ela me deu um piano, com 4 anos de idade, me deu um pianinho de brinquedo, mas saía o som né? Para eu amar aquela coisa, para não ser você tem que ser isso. Com 12 anos, eu recebi um piano caríssimo para a época, imagine com o salário de professora primária, ela me deu um piano alemão, imagino o quanto ela não penou para pagar aquilo! E eu tenho ele até hoje. Eu quero ver se eu faço aqui uma fundação para eu colocar tudo meu, meus papéis, retratos, discos, telas, tudo isso eu quero ver se fica tudo em um canto só, com toda a segurança possível. Tem muito material meu na estação ciência, que eu tenho que retirar de lá e colocar em um canto que ninguém mexa mais. Eu tenho que conseguir isso junto de algum órgão para me dar essa salvaguarda.

Sobre a política cultural, como você acha que os governos se comportam frente à arte e à música?

Parece que cultura é uma coisa descartável, mas cultura é a digital de um povo. Você sente como é que se trata as artes populares através disso, e agora está todo mundo meio de cabelo em pé, como é que vai ser depois de janeiro de 2019, como é que vai ser encarado isso? Porque já estavam tentando quebrar o Ministério do Trabalho, você já sente como é que vai ser e o que é que vai vir aí pra a gente, então está todo mundo colocando as fichas todas em 2018, entendeu? Nesse tempo assim a gente vê quem é quem, a gente anda nas ruas e a gente já vê a digital do que vai vim. Onde eu moro, em São Pedro da Serra (RJ) você já vê a ódio. É uma violência contida, uma coisa contra o negro, contra o índio, contra a população LGBT, as máscaras estão caindo, estou chocada!

Em 2017, durante entrevista à Revista Trip, você se definiu como uma mulher que tem sangue nas ventas, negra, índia, cigana, bruxa, candomblecista, aquariana, como você enfrenta os preconceitos? Na música também tem preconceito?

Eu ainda me defino assim e ainda mais, sou de esquerda. Na música também tem preconceito, daqui da Paraíba eu fui a primeira mulher a toca guitarra, eu já comecei daí, é uma coisa surda. Os garçons, as atores e atrizes das novelas que são babás, empregadas domésticas, motoristas são, eram sempre de negros, não havia um advogado negro, e no cinema, o racismo é muito mais visível, porque tem grandes roteiristas negras e não são chamadas, diretoras negras e não são chamadas, então é um movimento de amordaçar esse povo. Mas quando isso vem à tona e é publicado, não tem como esconder mais, não tem como segurar esse grito, uma coisa do povo negro com a ajuda dos orixás e dessa gana de sobreviver isso vem à tona. Então está latente!

Como você define sua arte, você é escritora, multi-instrumentista, compositora?

Eu escrevi um cordel sobre Zumbi em 5 volumes, mas não sigo a métrica do cordel, o meu jeito de escrever cordel eu classifico como “catarinesca”, que é do meu nome Catarina, entendeu? Eu inventei uma modalidade! Está em vias de sair, acho que em 2019 sai, o infantil, o Natureza Naturalmente, e o Zumbi e tem o manual da sobrevivência, que é sobre as pessoas que se separam, como sobreviver a um descasamento?

Com 71 anos, como você avalia a sua trajetória?

Foi preciso muita coragem e minha mãe já preparou para isso porque eu me lembro que com 15 anos ela me mandou para um colégio interno em Pernambuco, aí a família toda ficou em polvorosa, mamãe dizia: eu preparei ela para a vida, ela vai e não vai acontecer nada, eu não posso ir e não tenho tempo porque tudo depende de mim e do meu trabalho, da sobrevivência da gente e meu marido é um homem doente, não vai levar ela. Então eu fui e já comecei com 15 anos pegando 2 ônibus e indo estudar em Pernambuco, saí com 19 anos, formada professora e daí ela começou a dizer que eu saí para ser uma coisa e voltou outra, porque eu me converti a religião evangélica e mamãe não era de religião nenhuma. Mamãe dizia: isso vai criar um obstáculo para o tipo de arte que a minha filha vai exercer, porque tudo não é de Deus, é do demônio e eu não quero isso. Aí mamãe me colocou para andar com o jornalista Diógenes Brayner sair comigo e começar a compor, daí eu comecei, tirei carteira de músico por imposição dela, para eu ficar profissional, e daí eu não parei mais. Quando fui para o Rio, aí já tinham pessoas me esperando que arrumaram emprego para mim, mas não na área de música. Aí Elba chega, precisa de músicos aí chama eu, Pedro Osmar, Damilton Viana, Vital Farias, e a gente foi requisitado para fazer teatro, a parte de música junto para ir para São Paulo e daí não parei mais. Então eu peguei os anos de chumbo de São Paulo, em 1975.

Sobre esses tempos que não podiam falar de política, do que você se lembra?

Eu me lembro que a música chegava a partir de corais, os estudantes liam partituras nas escolas e isso na época foi tudo retirado durante a ditadura. E a tendência é isso mesmo eles não querem que as pessoas se expressem, uma certa liberdade que pode dar vazão aquele grito que precisa sair, isso é retirado. Então na época em 1975, onde tinha nordestino, a polícia caía logo em cima. Ficam por ali os olheiros, quando sabia, a gente ficava num canto que tinha papéis dizendo que a gente estava trabalhando no teatro em frente, mas mesmo assim fomos colocados em um camburão, juntou bastante gente e para não observarem isso, fomos soltos na rua de trás. Foi um negócio muito estranho.

E qual o papel da arte para sobrevivermos a tempos de ódio e intolerância?

Sempre, não precisa nem cantar, entendeu? Um traço que você dê num muro, o grafismo, qualquer manifestação artística você pode desmembrar e desmascarar e criar um coágulo nesse organismo que se instalou por causa de inércia da gente. Isso veio não foi de uma hora para a outra, sabe aquela coisa de ir deixando, permitindo, entendeu? A mesma coisa da igreja católica, a igreja católica se achando com aquela coisa, de repente outras religiões tomaram a frente e agora é o agronegócio e as igrejas que não sejam de matrizes católicas, tomaram o poder. No Rio de Janeiro a gente sente isso e a tendência é essa. Se você for ler a bíblia, com um olhar de abertura, em momento algum, esse ensinamento diz que é para pegar as armas. Não!  Bíblia é amor, condescendência, então quando Jesus fez o Ministério dele, ele não foi pegar cabeças coroadas na Sinagoga, ele não pegou doutores, ele pegou pescadores, lavradores, foi numa casta mais humilde que ele pousou a igreja dele, então existe toda uma mentira, o gesto de arma na mão, isso não vem da Bíblia, na Bíblia não tem isso. Se quiser ler da maneira correta, ali na bíblia não se ensina isso, então usam para querem mascara, confundir e é tudo em cima de coisas mentirosas, é o tal do fake news. Vi tios mandar fotos de fuzil para o sobrinho dizendo: olha aqui para você! Então gente tem que mais do que nunca que dar as mãos e se preparar porque temos mais 4 anos pela frente.

Muitos jovens redescobriram Cátia de França, como foi isso?

Foi a internet. A internet é uma faca de dois gumes, tanto pode usar para porcaria, como pode usar para ter acesso. No momento que acabaram as lojas, não se vendem mais discos, os meninos baixam tudo na internet. Onde eu chego predomina só jovens cantando junto, no Circo Voador, no Rio de Janeiro e em Belo Horizonte, recentemente, foi assim. Então a internet me colocou de novo no topo, enquanto que a mídia burra quer me amordaçar porque não interessa uma meia dúzia que tem na mão o monopólio da mídia, a eles não interessa uma negra, com ideias de esquerda, lésbica e de macumba, não querem, é muita minoria em cima, então a internet que me colocou no meu devido lugar, onde merecidamente eu teria que estar.

Como Cátia de França quer ser conhecida, como você quer que as pessoas te conheçam, como você quer ser lembrada?

É o poder do humor, faz rir, mas também faz pensar. O poder da dança, meu trabalho é todo suinguado mas ali pelo meio, se você ver o texto que eu estou dizendo, daquela capoeira, “sustenta a pisada”, eu aliada à literatura cortante como de João Cabral de Melo Neto, de José Lins do Rego, que é aqui da Paraíba, Guimarães Rosa, a coisa da criança que existe dentro da gente, que é o Manoel de Barros. Você pode dizer grandes coisas, mas não pode deixar essa criança, a gente não pode deixar de rir e de dançar, porque enquanto há vida, há reação e há esperança. E não esquecer nunca que a minha mãe lá trás, Adélia de França, ela é uma pessoa do humor, uma vez ela estava dando aula e o côco caiu na cabeça dela, ela riu, e disse: - Levei agora mesmo um cascudo de Deus! Então minha mãe e minha parte negra da família tinham muito humor, minha tia Celina era muito engraçada. Então eu quero ser lembrada, a filha da Adélia, que tinha como livro de cabeceira Geografia da Fome, de Josué de Castro e tinha na parece de casa, de um lado Dom Hélder Câmara e do outro, Che Guevara, minha mãe era assim, e eu quero sempre que lembrei disso.

(function(i,s,o,g,r,a,m){i['GoogleAnalyticsObject']=r;i[r]=i[r]||function(){ (i[r].q=i[r].q||[]).push(arguments)},i[r].l=1*new Date();a=s.createElement(o), m=s.getElementsByTagName(o)[0];a.async=1;a.src=g;m.parentNode.insertBefore(a,m) })(window,document,'script','//www.google-analytics.com/analytics.js','ga'); ga('create', 'UA-54143594-4', 'auto'); ga('set', 'campaignName', 'FacebookIA'); ga('set', 'campaignSource', 'FacebookInstantArticles'); ga('set', 'campaignMedium', 'social'); ga('send', 'pageview');
Categorias: Brasil de Fato

Ouça o Programa Brasil de Fato - Edição Minas Gerais 08/12/2018

sab, 08/12/2018 - 10:20
Rádio Antiga sede do DOPS em BH vai ser transformado em memorial sobre a ditadura Redação |

Confira os destaques do programa:

HISTÓRIA Antiga sede do Departamento de Ordem Política e Social de Minas Gerais (DOPS), em Belo Horizonte, será um memorial da ditadura.

ANIVERSÁRIO Armazém do Campo completa um ano de existência na capital mineira. Além de oferecer alimentos livres de veneno à população, o espaço recebe eventos artísticos e culturais.

FEMINISMO Cerca de mil mulheres negras se reúnem em encontro nacional em Goiás, até domingo (9). O evento busca fortalecer as organizações populares e buscar formas de luta contra o racismo. 

(function(i,s,o,g,r,a,m){i['GoogleAnalyticsObject']=r;i[r]=i[r]||function(){ (i[r].q=i[r].q||[]).push(arguments)},i[r].l=1*new Date();a=s.createElement(o), m=s.getElementsByTagName(o)[0];a.async=1;a.src=g;m.parentNode.insertBefore(a,m) })(window,document,'script','//www.google-analytics.com/analytics.js','ga'); ga('create', 'UA-54143594-4', 'auto'); ga('set', 'campaignName', 'FacebookIA'); ga('set', 'campaignSource', 'FacebookInstantArticles'); ga('set', 'campaignMedium', 'social'); ga('send', 'pageview');
Categorias: Brasil de Fato