MISSA DO 7º DIA DE ZÉ REZENDE

Data: 
Qua, 03/09/2014 - 19:30 - 21:00

Localização

PARÓQUIA SAGRADA FAMÍLIA
AVENIDA DO CURSINO - JARDIM DA SAÚDE

Lembranças de José Rezende

 

Frei Betto


Meu último encontro com o Zé Rezende, esse teimoso missionário das causas dos pobres, foi no seminário de comemoração (= fazer memória) dos 40 anos do martírio de frei Tito de Alencar Lima, em São Paulo, dia 9 de agosto. 

 

Há tempos não nos encontrávamos. E, no entanto, tive a impressão de que, nas feições dele, o tempo não avançara: o rosto em nada diferia de quanto o conheci em 1965, no convento dominicano da Serra, em Belo Horizonte. Portanto, há 49 anos! 

 

Eu e mais onze jovens ingressávamos no noviciado. Zé Rezende e outros frades o encerravam, prontos para serem transferidos a São Paulo. Naquele breve período de convivência, Rezende e seus companheiros nos ensinaram as tarefas cotidianas do noviciado: faxina, horta e outros trabalhos entremeados de orações e estudos. 

 

Zé já tinha o hábito de sempre cobrir a cabeça com o boné. Mais que uma indumentária, era parte de seu corpo. Talvez se, no nosso último encontro, ele tivesse descoberto a cabeça, eu teria visto seus cabelos alvos. Mas o jeitão era o mesmo: o porte humilde, os ombros levemente curvados para frente, um jeito interiorano de falar, o sorriso indelével. 

 

A partir de 1966, convivemos no convento das Perdizes, em São Paulo. Zé Rezende nunca precisou fazer opção pelos pobres. Ele era pobre. E teve mais sabedoria do que eu ao preferir trabalhar na periferia do que se vincular ao movimento estudantil atraído pela luta armada. 

 

Seu espaço vital era o Jardim Miriam, na zona sul de São Paulo, onde sempre manteve vínculos afetivos e efetivos. Trabalhou também no Centro Vergueiro, de documentação, e com frei Jorge Callegari no Centro Frei Tito. Era um militante de profundas convicções evangélicas e, ao deixar a Ordem dominicana e o ministério sacerdotal, jamais abdicou de seus valores e opções. Transvivenciou deixando-nos um admirável testemunho de coragem, lucidez e simplicidade. Deus o tenha em Seu amor misericordioso.

 

Frei Betto