Ato por Mais Médicos e Mais SUS pele a liberação dos CRM em frente ao CREMEPE no Recife

 

A população de pernambuco foi às ruas nessa quarta-feira, 18 de setembro, reivindicar mais médicos para o SUS e para quem mais precisa. O ato contou com a participação de diversos movimentos sociais, entre eles o Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST), o Levante Popular da Juventude, a Consulta Popular, o Coletivo de Residentes em Saúde Coletiva, o Coletivo Formigueiro e estudantes da área da saúde. Os participantes do ato se concentraram em frente ao CREMEPE (Conselho Regional de Medicina de Pernambuco) para pressionar o órgão a liberar os registros para que os profissionais possam trabalhar no país.

Hoje são mais de 700 cidades sem nenhum médico no Brasil e uma proporção de 1,8 médicos por habitante, quando na Argentina (3,2), Uruguai (3,7), Portugal (3,9), Espanha (4) esse número é bem maior. Isso contribui e reflete em péssimos indicadores de saúde como a persistência taxa de mortalidade na infância de 16,9 mortes por cada mil crianças nascidas vivas e a persistência de doenças consideradas negligenciadas pela Organização Mundial de Saúde como Hanseníase, Leishmaniose, Esquistossomos, dentre outras.

O programa “Mais Médicos” do Governo Federal prevê diversas medidas para mudar esta situação, como a oferta de uma bolsa de R$10.000,00 para médicos, brasileiros e estrangeiros, que forem trabalhar em periferias de grandes centros e interiores dos estados (locais de difícil provimento de médicos).

Apesar dessa medida não resolver problemas graves do Sistema Único de Saúde (SUS), como o subfinanciamento e o avanço do setor privado sobre a saúde pública, ela tem relevância, pois leva médicos até populações que historicamente tiveram o acesso à saúde negado.

Depois das batalhas jurídicas travadas pela instituição do Programa através de Medida Provisória, a categoria médica, através dos conselhos de Medicina vem atacando e protelando a liberação do CRM provisório,  necessário para atuação profissional.  A medida provisória do Governo que criou o Mais Médicos, fixou prazo para que todos os CRMs concedam o Registro Provisório por dois  anos a todos os médicos estrangeiros, que já tem registro nos conselhos de seus países.

Mesmo assim, os CRMs estão entrando na justiça e empurrando com a barriga para ganhar tempo e deixar os médicos cubanos e estrangeiros sem condições de atuar em nenhuma cidade. Daí a pressão dos movimentos sociais para acelerar esse processo no estado de Pernambuco, como parte de uma campanha por Mais Médicos e Mais SUS em todo o país.