Carta de Guararema - Seminário Nacional de Questão Racial

“A noite não adormece
jamais nos olhos das fêmeas
pois do nosso sangue-mulher
do nosso líquido lembradiço
em cada gota que jorra
um fio invisível e tônico
pacientemente cose a rede de nossa milenar resistência”
(A noite não adormece nos olhos das mulheres -
Conceição Evaristo em homenagem á Maria Beatriz do Nascimento)



Somos 20 lutadoras e lutadores da Consulta Popular, vindos de sete estados, nos desafiando a construir o I SEMINÁRIO NACIONAL DA QUESTÃO RACIAL MARIA BEATRIZ DO NASCIMENTO.

Chegamos com grandes expectativas e angústias, porém com muita disposição para avançar coletivamente neste debate que é tão caro para nossa organização, e imprescindível para a compreensão da formação social e econômica do povo brasileiro. Contribuindo, desta forma, para inserir a questão racial na elaboração de nossa estratégia e de nossas tática.

Voltamos, após dois dias compartilhando nossas inquietações, aprendendo com nossas diferentes experiências e apontando nossos desafios, com mais vontade e entendimento de nossas tarefas na construção coletiva do Projeto Popular para o Brasil e do trabalho junto ao povo brasileiro rumo à nossa segunda abolição e verdadeira libertação.

Neste contexto de golpe, de retrocessos e de derrota estratégica, o dever da unidade é fundamental. Identificamos a necessidade de nos aproximar e pautar unidade programática com os movimentos negros que são referências para nós e constroem lutas em comum, acumulando, desta forma, forças para o Projeto Popular.

Compreendemos o racismo enquanto um sistema de dominação e exploração que conforma um nó com o sistema capitalista e o patriarcado, deste modo, a luta antirracista é uma luta do povo brasileiro.

O Seminário é um exercício de nossa caminhada e ela está apenas começando!

“Proletários negros e brancos, uni-vos para forjar a sua sociedade, não a dos capitalistas!” (Florestan Fernandes)

Guararema, 17 de setembro de 2017.