Dia Nacional de Paralisação está a todo vapor na Bahia

O dia Nacional de Paralisação começou cedo na Bahia. Por volta das 4h da manhã, em Camaçari  todas as principais avenidas que dão acesso ao pólo, maior complexo industrial integrado do Hemisfério Sul, foram bloqueadas pela CTB, CUT, Levante Popular da Juventude, Consulta Popular, UNEGRO e CSP-Conlutas. Ingrid Moraes, da Coordenação Estadual do Levante Popular da Juventude, esteve presente na ação e destacou a importância da cidade. “Camaçari tem o maior PIB industrial do Nordeste, aqui se concentra por exemplo o pólo plástico, petroquímico, complexo Ford. Parar Camaçari é causar real prejuízo ao capital.O dia 15 é só uma das ações unitárias que virão em defesa do nosso país. É tarefa da juventude estar na luta ao lado dos trabalhadores. ” 


Ingrid Moraes, da Coordenação Estadual do Levante Popular da Juventude 

 

Os petroleiros também estão em ação e nessa manhã fizeram manifestação na EDIBA, unidade da PETROBRAS junto com o Levante Popular da Juventude, Consulta Popular, Pataxós Hã Hã Hãe, CETA e Pastoral Rural. Os movimentos de luta pela terra estão ocupando o INCRA, em Salvador. 

As redes estadual e municipal de ensino também estão paralisadas. As ações de rua estão acontecendo desde o início da semana. Segundo Poliana Reis, professora integrante do coletivo dos Educadores do Projeto Popular e da Marcha Mundial das Mulheres “As trabalhadoras/es não podem pagar pela crise do capital. Porque ao invés de retirar direitos dos trabalhadores não taxam as grandes fortunas? É preciso agir contra o ajuste fiscal, e gritar em uníssono fora Joaquim Levy!”  A professora e feminista, diz que combater a terceirização é necessariamente defender o direitos das mulheres negras. “Somos a maioria das pessoas tercerizadas hoje. Que trabalham por anos sem receber nenhum direito trabalhista, precarizadas, sendo jogadas de empresa para empresa”, e completa, “É preciso nos organizarmos. Para mim, enquanto trabalhadora, é preciso uma bandeira política unitária que paute o poder político. Todo mundo tá vendo que o sistema político brasileiro está podre. Vai esperar o congresso fazer a reforma política que atenda aos interesses do povo? De forma alguma. Queremos uma constituinte! Sou educadora, quero decidir os rumos do meu país.”

 

 

 

Hoje é também dia da Jornada Nacional de Luta pelo direito à moradia, por reforma urbana, pela função social da cidade e da propriedade.  Os movimentos que lutam por moradia digna, direito à cidade e reforma urbana também estão em ação desde  às 8 horas da manhã, quando se concentraram no Terreiro de Jesus, em Salvador.  

Também durante a manhã todos os setores da UFBA paralisaram suas atividades. Em unidade, as entidades DCE, ASSUFBA e APUB foram às ruas junto com estudantes secundaristas e movimentos de juventude, contra a precarização do trabalho e em defesa dos direitos trabalhistas.

 

 

Em Vitória da Conquista, no sudoeste do estado, mais de mil pessoas estão nas ruas. A manifestação, que teve início as 8h na Praça Barão do Rio Branco, segiu para o terminal de ônibus, que foi paralisado e agora ocupa a avenida Rio Bahia. 

Em Salvador o ato unitário do Dia de Paralisação Nacional será às 15h, do Campo Grande à Praça Municipal. Os rodoviários também paralisaram suas atividades das 4h as 8h da manhã. O transporte público na capital deve ser normalizado por volta das 13h.