Nós também queremos retomar às aulas, mas com qualidade!

 

*Carta das entidades organizadas em apoio à greve dos trabalhadores em educação do Pará

Os (as) trabalhadores (as) em educação do estado do Pará em greve desde 23/09 vem a público esclarecer que permanecem paralisados por ainda não terem as reivindicações da categoria atendidas.

 

 

Ao contrário do que diz o governo, que divulga de forma tendenciosa notas pagas na imprensa local com o dinheiro público, e tenta induzir a opinião da sociedade contra os (as) trabalhadores (as) em educação,  afirmamos que o movimento é comprovadamente legítimo, como o próprio Supremo Tribunal Federal decidiu.

A sociedade civil organizada responde ao governo do estado: nós também queremos aulas! No entanto, não é a greve que prejudica os estudantes, pois estes já estão prejudicados há pelo menos três décadas, por conviverem com o descaso dos governos, a falta de políticas públicas de estado e infra estrutura física e pedagógica.

Todos os anos são devolvidos milhões em recursos federais devido à má gestão do estado. As conseqüências são sentidas por toda a sociedade paraense pelo serviço público oferecido de baixa qualidade, exemplo disso, são as escolas precárias, reformas inacabadas, falta de equipamentos pedagógicos e tantas outras precariedades vivenciadas. O reflexo disso são os resultados alcançados: pior índice de desenvolvimento da educação básica, no ensino médio e o segundo pior índice de desenvolvimento humano em educação do país.

Os (as) trabalhadores (as) em educação não podem ser responsabilizados (as) por esse descaso com a educação pública no estado. Entretanto, a luta dos (as) trabalhadores (as) busca não apenas ganhos financeiros, mas principalmente garantir que o serviço oferecido à sociedade seja o melhor possível. Pois, estas pautas contemplam reformas das escolas e do prédio sede da Seduc, inclusão dos servidores que não são do grupo magistério no PCCR, a lotação por jornada com garantia de ⅓ para hora atividade e a regulamentação das aulas suplementares e a  regulamentação do SOME, visando garantir o acesso à educação ao aluno do campo.

Diante do exposto, os movimentos sociais organizados, signatários, responsabilizam o governo do estado pela precarização da educação pública paraense, visto que não está oportunizando o diálogo com a categoria – a não ser quando pressionado por atos radicais. Exigimos que a pauta dos (as) trabalhadores (as) seja atendida para que os alunos possam retornar as escolas com a certeza de que não terão as aulas interrompidas.

Contudo é necessária uma grande mobilização da sociedade que force a aprovação do Plano Nacional da Educação e que este assegure a destinação de 10% do PIB para financiar a educação pública no Brasil, com vistas a garantir a educação de qualidade que queremos e que vá para além dos discursos e intenções dos governantes, tornando-se realidade.    

Assinam

SINTEPP E SUBSEDES

ADUFPA

AFBEPA

ANEL

APS

ASCONPA

ASFUNPAPA

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DOS ESTUDANTES DE ENGENHARIA FLORESTAL

CAEF/UEPA

CAHIS/UFPA

CENTRAL DE MOVIMENTOS POPULARES (CMP)

CENTRO POPULAR DE APOIO A CIDADE

COLETIVO JOVEM DE MEIO AMBIENTE

COLETIVO MARIAS

COLETIVO ROSA ZUMBI

CONSELHO REGIONAL DE PSICOLOGIA 10

CONSTRUÇÃO COLETIVA SOUFRAN

CONSULTA POPULAR

CSP-CONLUTAS

CST

CTB

CUT

DCE – UNAMA

DEPUTADO EDMILSON RODRIGUES

FEDERAÇÃO DO MOVIMENTO ESTUDANTIL DE HISTÓRIA

FEDERAÇÃO MUNICIPAL DAS ENTIDADES DE CASTANHAL – FEMECA

FEDERAÇÃO NACIONAL DOS ESTUDANTES DE ENSINO TÉCNICO

FEDERAÇÃO PARAENSE DOS ESTUDANTES DO ENSINO TÉCNICO

GEMPAC

GMB

GREMIO ESTUDANTIL A FORÇA DA JUVENTUDE (RUTH ALMEIDA)

GREMIO ESTUDANTIL CABANAGEM (IFPA)

GREMIO ESTUDANTIL CEPAP

GREMIO ESTUDANTIL DOROTHY STANG (MAF)

GREMIO ESTUDANTIL FILHOS DA REVOLUÇÃO (ANTONIO GONDIM LINS)

GREMIO ESTUDANTIL DO HILDA VIEIRA

GREMIO ESTUDANTIL LUCY CORREA

GREMIO ESTUDANTIL NPI

GREMIO ESTUDANTIL SONIA ANGEL (INTEGRADO)

GREMIO ESTUDANTIL ULISSES GUIMARÃES

GT JUVENTUDE FAOR

JUNTOS

LEVANTE POPULAR DA JUVENTUDE

MOVIMENTO DE ATINGIDOS PELA MINERAÇÃO (MAM)

MOVIMENTO DE ATINGIDOS POR BARRAGENS

MOVIMENTO HIP HOP

MOVIMENTO LUTA DE CLASSES

MOVIMENTO LUTA POPULAR

MOVIMENTO MULHERES EM LUTA

MOVIMENTO XINGU VIVO

MRS

MST

OAB/PA

PAJEÚ – RESISTÊNCIA EM MOVIMENTO

PASTORAIS SOCIAIS

PCdoB

PCR

PHS

PMDB

PSL

PSOL

PSTU

RADIO AQUATUNE

RADIO CABANA

REDE DA JUVENTUDE PELO MEIO AMBIENTE (REJUMA)

REDE EDUCAÇÃO CIDADÃ (RECID)

SECRETARIADOA DA CONFERENCIA NACIONAL DOS BISPOS DO BRASIL – REGIONAL NORTE II

SIND. TRAB. CONSTRUÇÃO CIVIL

SINDICATO DOS TRABALHADORES EM LIMPEZA URBANA

SINDTIFES

SINTSEP

UBES

UMES

UNE

UNIÃO DA JUVENTUDE REBELIÃO

UNIÃO DOS ESTUDANTES SECUNDARISTAS DE BELÉM

UNIDOS PRA LUTAR

VAMOS À LUTA

VEREADOR CLEBER RABELO

VEREADOR FERNANDO CARNEIRO

VEREADOR MOA MORAES

VEREADORA MARINOR BRITO

VEREADORA SANDRA BATISTA