Passe Livre: o exemplo emblemático de Maricá

Ao adotar Tarfifa Zero, cidade do interior fluminense desmente mito de que proposta é “inviável” e alimenta manifestações contra aumento das passagens em SP e RJ

Pelo Movimento Passe Livre – SP

Enquanto agora em São Paulo e dezenas de cidades a população é obrigada a lutar contra os aumentos nas tarifas, em Maricá, município do Rio de Janeiro, a história é diferente.Desde dezembro a prefeitura da cidade resolveu enfrentar a máfia dos transportes, criou uma empresa pública e novas linhas de ônibus com tarifa zero. A perspectiva é que todas linhas operem com tarifa zero até 2016. Maricá passou a ser o município brasileiro com maior número de habitantes, pouco mais de 100 mil, a oferecer tarifa zero. No próprio estado do Rio de Janeiro também oferecem tarifa zero as cidades de Porto Real e Silva Jardim, que contam em média com 40 mil habitantes.

Mas se engana quem acredita que isso significa que Maricá tem maior facilidade para ter um sistema de transporte com tarifa zero se comparado a São Paulo: apesar do sistema ser evidentemente mais barato, a capacidade de arrecadação do município também é evidentemente muito menor. Vamos lá: o orçamento anual de Maricá é de R$ 616 milhões, com uma população de 143 mil. O orçamento de São Paulo é de R$ 50,6 bilhões, com uma população de 11 milhões. Isso significa que o valor do orçamento dividido para cada habitante em São Paulo é R$ 4.496, enquanto em Maricá é de R$ 4.304.

Qual a diferença, portanto? Para nós é a vontade política de retornar ou não à população a riqueza que ela mesma produz. Em Maricá, de forma muito surpreendente, a prefeitura decidiu que a população deve ser beneficiada e ter seu direito de ir e vir assegurado. Em São Paulo, os interesses dos empresários de transporte e dos grandes empresários da cidade ainda falam mais alto.

Isso irá mudar a partir da nossa luta.