Reforma agrária

"Está em curso, no Brasil, uma concentração da propriedade da terra"

 

“Ganhe quem ganhe, continuará tudo igual. Só espero que não ganhe o Aécio, porque aí seria uma guerra”, diz o líder do MST.”

 

A nova classe dominante do campo, se somam aos meios de comunicação para justificar “ideologicamente à população que o agronegócio é a única alternativa possível, que ele sustenta oBrasil, que produz  alimentos mais baratos, etc.”, pontua

 

Conjuntura, agronegócio e constituinte do sistema político. Confira entrevista com João Pedro Stédile, do MST.

O dirigente nacional do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem-Terra (MST), João Pedro Stédile, 60, esteve em Salvador no dia 29 de março , onde participou da  Plenária Estadual do Plebiscito Popular por uma Constituinte Exclusiva. Stédile é graduado em economia pela PUC do Rio Grande do Sul e pós-graduado pela Universidade Nacional Autônoma do México.

Fonte: 

por Marival Guedes, do blog Pimenta

O exemplo pedagógico do MST

Brasil de Fato : Ed. 573

Ao mostrar com seu exemplo o resgate do trabalho de base, da capacidade de envolver as famílias na luta, de construir-se com firmeza ideológica e apontar um projeto estratégico para todo o povo, o MST foi a principal ferramenta nos anos de 1990 para manter erguida as bandeiras da luta popular não só em nosso país e continente, mas em todo o mundo.

Ano: 
2014

MST quer recolocar a luta pela terra na agenda

O Movimento dos Trabalhadores Sem-terra (MST) se prepara para realizar seu 6º Congresso, de 10 a 14/2, em Brasília, com um horizonte de desafios tão grande quanto os que marcaram sua fundação, há 30 anos. Naquela época, a prioridade era organizar, na luta pela reforma agrária e pelo fim do latifúndio improdutivo, a grande massa de trabalhadores pobres, recém-expulsa do campo pelas políticas ditas modernizadoras da ditadura. 

Fonte: 


Por Najla Passos
Da Carta Maior

Nossa Homenagem aos 30 Anos de construção do Movimento Sem Terra

 

Há  30  anos,  um  encontro  nacional  que  reuniu  80  trabalhadores  do  campo  em Cascavel,  no Paraná, em 22 de janeiro de 1984, deu origem ao Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra. Um marco histórico na luta pela terra no Brasil.