comunicado

Casa do Projeto Popular é inaugurada em Samambaia, DF

Fonte: 

Movimentos sociais, populares, coletivos e demais organizações, participaram, neste domingo, 28 de maio, da inauguração da Casa do Projeto Popular, em Samambaia, Distrito Federal, que tem como objetivo ser uma referência política do campo popular no DF e um ponto de apoio impulsionador do trabalho de base. A inauguração foi marcada por um ato político e cultural, que contou com apresentações artísticas e feira de produtos da agricultura camponesa e comidas.

“Essa Casa se propõe a ser uma sede do campo popular no Distrito Federal e entorno, foi construída para fazermos diversas atividades, sempre com o espírito do mutirão e solidariedade, que são nossos princípios, é por meio do trabalho coletivo que vamos conseguir ocupar as ruas, as praças e levantar as nossas bandeiras, mostrar que a resistência não é sofrimento é alegria”, aponta Laura Lyrio, membro da Direção Distrital da Consulta Popular no DF.

Para Iridiani Seibert, membro da direção nacional do MMC - Movimento de Mulheres Camponesas, a Casa do Projeto Popular é mais um passo importante para o fortalecimento do campo popular no Distrito Federal. “Sabemos muito bem da conjuntura política que vivemos e este tem sido também um momento de fortalecimento do campo popular, que tem se unificado em torno de bandeiras de lutas, como o 8 de março, as lutas do 15 de março e do dia 24 de maio e neste contexto a vinda dessa casa para Samambaia é uma passo muito acertado”.

Além da necessidade de aumentar o espaço físico, antes localizado no Plano Piloto, a Casa do Projeto Popular tem como meta fortalecer a inserção em área prioritária, localizada no eixo Taguatinga – Samambaia – Ceilândia, a área mais populosa, com maior concentração da classe trabalhadora no DF.  “O nosso Coletivo existe desde 2006 aqui em Samambaia e essa casa veio para animar nossa luta e descentralizar as atividades do Plano”, destacou Larissa Delfante do Coletivo ArtSam.

“Nós queremos contribuir e somar com os movimentos que já existem nessa região, essa Casa é um ponto de resistência”, afirma Tobias Pereira do Levante Popular da Juventude.

O ato político e cultural contou com a participação de representantes do MST, MMC, MTD, MPA, Consulta Popular, Levante Popular da Juventude, MOPOCEM - Movimento por uma Ceilândia Melhor, Fora do Eixo/Mídia NINJA, Ecoloja do Mercado Sul, Ecosol.

Cultural

As atividades culturais da inauguração ficaram por conta  de Rene Bonfim, Nando, Dan Camusi, Markão Aborígine, Neemias MC, batucada do Levante e apresentação da drag queen Maria Rojava.

Organizações

A Casa do Projeto Popular  tem características de Secretaria, com um espaço focado na inserção territorial e abrigará os espaços de organização da Consulta Popular, Levante Popular da Juventude e MTD - Movimento de Trabalhadoras e Trabalhadores por Direitos.

 

Por Flávia Quirino/ Foto: Mídia NINJA

Hasta siempre Comandante

Hombre, hombre sin muerte,
la noche respiró tu suerte,
hombre de buen destino,
y hay luces puestas en camino.

(Silvio Rodriguez)

 
Comandante Fidel,

Você que nos levou à Sierra Maestra e nos mostrou a necessidade de romper a ordem e não uma parte dela, ser subversivo e não ficar nos limites aceitáveis pela burguesia.  

Nota e resolução da Consulta Popular Paraíba sobre as eleições municipais

A Consulta Popular na Paraíba vem por meio desta publicizar sua posição frente às eleições para a Prefeitura de João Pessoa. Nosso posicionamento parte da constatação de que as forças democráticas e populares vivemos hoje um momento de resistência a uma operação de cerco e aniquilamento contra as esquerdas, criminalizando-as, tendo como ponto culminante o Golpe Institucional de 2016.

Nota Assembleia Estadual de PE: A Caravana do Projeto Popular

 

Entre os dias 05 e 07 de agosto, realizamos em Recife a II Assembleia estadual da Consulta Popular em Pernambuco. Nos reunimos em um dos momentos mais contraditórios e difíceis da luta de classes em nosso país.

Nota Política: A volta de Dilma e o caminho para as forças populares

Adentramos uma nova fase da luta política em nosso país. As votações no Congresso Nacional que autorizaram a farsa do impeachment da Presidenta Dilma escancararam para o povo brasileiro o caráter de nosso sistema político. Mesmo os setores que acreditaram de forma sincera que tal processo se relacionava ao combate à corrupção puderam ver o caráter autocrático e fisiológico ainda marcante no Estado brasileiro. Era impossível revelar os reais interesses que motivavam os votos que afastaram a presidenta: a subserviência das classes dominantes aos interesses do capital financeiro internacional que necessita avançar sobre as riquezas do povo brasileiro como forma de recompor, no curto prazo, as taxas de lucro como forma de saída da crise capitalista internacional.

O golpe será derrotado nas ruas

O golpe avançou no terreno onde tem força: parlamento, mídia e judiciário. Assistimos nesta madrugada a mais um episódio desta trama. Nasce, vergonhosamente, o governo Jaburu-Temer, fruto da aliança sorrateira entre as forças mais atrasadas e antipopulares da nossa sociedade.

O golpe não é obra apenas de uma classe dominante nacional. É parte de uma ofensiva sobre a América Latina que pretende retomar o fracassado projeto neoliberal, rechaçado nas urnas, numa ofensiva restauradora predatória e antipopular.

Boletim de Conjuntura n. 4 - 9/mai

A semana que vinha começando morna, com clima de resignação pela derrota praticamente certa no Senado e do afastamento da presidenta Dilma teve uma rápida reviravolta. A decisão do Presidente interino da Câmara dos Deputados, Waldir Maranhão, de anular a sessão do Plenário da Câmara dos Deputados em que se decidiu autorizar o Senado a instaurar o processo de Impedimento da Presidente da República. Esta decisão reacendeu o ânimo dos setores democráticos para a luta de resistência contra o golpe

Construir a unidade pela democracia, a liberdade e os direitos do povo

O golpismo incrustado no aparelho de Estado cuspiu na Constituição e na legalidade para atropelar o ex-Presidente Lula e favorecer seus adversários da direita partidária.