Brasil de Fato

Divulgar conteúdo
Uma visão popular do Brasil e do mundo
Atualizado: 47 minutos 46 segundos atrás

Candidatas a vicegobernadoras en Brasil debaten feminismo en las campañas electorales

seg, 20/08/2018 - 19:44
ELECCIONES Campañas buscan ampliar la participación de las mujeres en la política Ana Carolina Caldas | Fernanda Camargo forma parte de la campaña “Por la vida de las mujeres, no seremos silenciadas" Divulgación

Las candidatas a vicegobernadoras de Paraná, estado de la región sur de Brasil, Fernanda Camargo, por el Partido Socialismo y Libertad (Psol), y Anaterra Viana, por el Partido de los Trabajadores (PT), tienen algo en común: la militancia feminista y proyectos para ampliar el número de mujeres en la política. Ambas fueron elegidas como precandidatas a vice durante las convenciones de sus partidos en la semana última.

El Partido de los Trabajadores de Paraná definió como candidato a gobernador del estado, al ex diputado federal y actual presidente del partido, Dr. Rosinha. La sorpresa en la definición de los candidatos fue el anuncio de la periodista Anaterra Viana, también del Partido de los Trabajadores (PT) como candidata a vice. Ana actualmente es Secretaria de Mujeres del Partido de los Trabajadores de Paraná y vicepresidente del PT en el estado. Ella es una de las creadoras del proyecto Ellas por ellas, que busca calificar a las mujeres del partido para ingresar en la vida política.

Para ella, el escenario electoral postgolpe trajo aún más dificultades para que las mujeres se aproximen a la política. “Este proyecto tiene objetivo a medio y largo plazo de que en las próximas elecciones el número de mujeres no quede restringido a la cuota de 30%”. Actualmente, solo 10% de mujeres están en la carrera política, contando el Congreso Federal, Asambleas y Cámaras.

La profesora universitaria y asistente social, Fernanda Camargo fue elegida como candidata a “co-gobernadora”, nomenclatura usada por el Partido Socialismo y Libertad (Psol), lanzó junto al colectivo de mujeres de su partido la campaña “Por la vida de las mujeres: no seremos silenciadas”: “Queremos hacer una ‘campaña movimiento’, qué vamos a debatir y proponer en el período electoral debe avanzar como forma de colectivizar nuestras ideas, especialmente para la protección de las mujeres en Paraná”.

Fernanda también explica que el uso de “co-gobernadora” es una posición feminista: “Para demostrar que la gestión será compartida, nuestras experiencias serán complementarias”.
Dos candidatas a vices, militantes, madres y trabajadoras
Al contestar la pregunta de cómo se identificó con el feminismo, la candidata por el Partido de los Trabajadores, Anaterra, afirma que fue a través de su madre, que cuidó sola a sus dos hijas. “Mi madre y su vida, trabajando y cuidando de mi y de mi hermana, me hizo ver como las mujeres sufren”. Ana es madre y periodista y dice que al empezar a participar en las actividades feministas decidió afiliarse al PT: “He visto que en los espacios del legislativo y ejecutivo son donde pasan las decisiones sobre nuestras vidas. De este modo, creo que la mujer, al ocupar los espacios políticos, ya está proponiendo el feminismo”.
Fernanda, madre de dos hijos, afirma que más allá de su cotidiano, su actividad profesional como asistenta social le brindó el contacto diario con historias de mujeres. “Trabajo en la Jurisdicción de Infancia y Juventud y ahí veo cómo las madres están solas en el cuidado de los niños. Muchas son víctimas de violencia doméstica. Por eso, me dedico a pensar de qué modo el Estado puede proteger a las mujeres”.
Ambas candidatas están de acuerdo que el escenario electoral actual, con pocas mujeres participando, es un reflejo de las dificultades de la falta de tiempo para dedicarse a la vida pública. “La triple jornada que las mujeres enfrentan diariamente dificulta su actuación como militantes. Es algo intencional del capitalismo que las mujeres no tengan tiempo”, dice Anaterra. Del mismo modo, Fernanda considera que es muy diferente la realidad de un hombre candidato y la realidad de una mujer candidata. “Por lo tanto, es nuestro desafío luchar contra esas desigualdades y opresiones”. En Paraná, entre las nueve candidaturas al gobierno del estado, solo dos son mujeres.

(function(i,s,o,g,r,a,m){i['GoogleAnalyticsObject']=r;i[r]=i[r]||function(){ (i[r].q=i[r].q||[]).push(arguments)},i[r].l=1*new Date();a=s.createElement(o), m=s.getElementsByTagName(o)[0];a.async=1;a.src=g;m.parentNode.insertBefore(a,m) })(window,document,'script','//www.google-analytics.com/analytics.js','ga'); ga('create', 'UA-54143594-4', 'auto'); ga('set', 'campaignName', 'FacebookIA'); ga('set', 'campaignSource', 'FacebookInstantArticles'); ga('set', 'campaignMedium', 'social'); ga('send', 'pageview');
Categorias: Brasil de Fato

En más de 20 días de huelga de hambre en Brasil, militantes reciben apoyos diarios

seg, 20/08/2018 - 19:23
MOVIMIENTOS POPULARES En acto realizado este domingo (19), huelguistas recibieron solidaridad de parlamentarios y otros seguidores Cristiane Sampaio | Huelguistas y personas que los apoyan durante acto realizado este domingo (19), en Brasilia (DF) César Ramos/CONTAG

Los siete militantes de movimientos populares que están en huelga de hambre desde el día 31 de julio en Brasilia (DF) continúan recibiendo, diariamente, visitas y manifestaciones de apoyo.

Este domingo (19), los huelguistas contaron con la presencia de cerca de 120 representantes de la Escuela Nacional de Formación (ENFOC), de la Confederación Nacional de Trabajadores en la Agricultura (CONTAG).

Dirigentes y estudiantes de la institución viajaron a Brasilia para realizar un curso y aprovecharon la oportunidad para manifestar su solidaridad al grupo.

La estudiante Flaviana Almeida, del estado de Maranhão, considera que la iniciativa de los huelguistas representa un ejemplo para la militancia política y popular. Para ella, la visita de la delegación al grupo fortalece las acciones de quienes actúan en las fronteras por la garantía de derechos. “Es una renovación da las energías para continuar en la lucha”, afirma.

El ejemplo de solidaridad también atraviesa las fronteras nacionales. Además de reunir a estudiantes de diferentes estados, la delegación de la CONTAG llevó militantes de otros países para que den su apoyo a los huelguistas.

Es el caso de la estudiante Marta López, de Paraguay. En entrevista con Brasil de Fato, ella destacó que el punto principal de la pauta de la huelga, la liberación del ex presidente Lula (PT), exige una articulación conjunta de diferentes fuerzas nacionales e internacionales. “Consideramos que es una causa internacional. Brasil es grande y es un expediente de lucha para nosotros. Eso significa mucho”, afirma.

Durante la visita de los militantes, se realizó un acto político en el lugar donde los huelguistas están alojados, el Centro Cultural de Brasilia (CCB), en el cual participaron también parlamentarios, juristas y otros seguidores. “Estamos aquí apenas retribuyendo el alimento que ellos nos proveen todos los días para saciar nuestra hambre de justicia. Estamos diciendo que estamos en una gran corriente para que podamos traer la justicia de vuelta a este país”, destacó la diputada federal Erika Kokay (Partido de los Trabajadores, Distrito Federal).  

Durante la celebración, los huelguistas fueron invitados a bendecir una caja de semillas de jatobá destinadas a asentamientos de movimientos populares en el Distrito Federal. El pedido vino del voluntario José Ivan Maia de Aquino, de “Acción Ciudadanía contra el Hambre, la Miseria y por la Vida”, campaña creada por el sociólogo brasileño Herbert de Sousa, Betinho.  

Aquino destacó que las semillas representan la vinculación con la tierra y la multiplicación de los alimentos como símbolo del combate al hambre. “Las cosas inmateriales tienen una fuerza, una potencia, y la simbología de la bendición es como sI fueran energías positivas”, complementa.  

Al final del acto, los militantes en huelga agradecieron la solidaridad y reforzaron que la protesta sigue por tiempo indeterminado. Este domingo, 19 de agosto, los huelguistas cumplieron veinte días sin comer. 

“En el fondo, lo que alimenta al ser humano no es lo que sustenta al cuerpo. Sin duda, pasamos a tener una capacidad de resistencia mayor de lo que imaginamos”, afirmó la huelguista Rafaela Alves, del Movimiento de Pequeños Agricultores (MPA).

La huelga de hambre es articulada por movimientos de la Vía Campesina, por el Levante Popular de la Juventud y por la Central de Movimientos Populares (CMP).

El foco de los militantes que entraron en huelga en defensa de la libertad de Lula es conseguir que el Supremo Tribunal Federal (STF) ponga para ser votadas las acciones declaratorias de constitucionalidad (ADC) que cuestionan la prisión después de juicio en segunda instancia.

Colocar las ADC en la agenda del pleno depende de la presidenta de la Corte, la ministra Carmen Lúcia.

(function(i,s,o,g,r,a,m){i['GoogleAnalyticsObject']=r;i[r]=i[r]||function(){ (i[r].q=i[r].q||[]).push(arguments)},i[r].l=1*new Date();a=s.createElement(o), m=s.getElementsByTagName(o)[0];a.async=1;a.src=g;m.parentNode.insertBefore(a,m) })(window,document,'script','//www.google-analytics.com/analytics.js','ga'); ga('create', 'UA-54143594-4', 'auto'); ga('set', 'campaignName', 'FacebookIA'); ga('set', 'campaignSource', 'FacebookInstantArticles'); ga('set', 'campaignMedium', 'social'); ga('send', 'pageview');
Categorias: Brasil de Fato

Crece el número de candidato indígenas en Brasil tras escenario de retrocesos

seg, 20/08/2018 - 19:17
ELECCIONES 2018 Indígenas disputarán cargos para gobernador, senador y vicepresidente Lilian Campelo | Plataforma online presentará informaciones sobre los candidatos indígenas / Marcelo Carvalho/Agencia Brasil Marcelo Carvalho/Agencia Brasil

El número de candidatos indígenas en la disputa electoral de Brasil este año, en comparación al número de candidatos en 2014, es más grande, según los datos estadísticos del Tribunal Superior Electoral (TSE). Son 129 candidatos indígenas inscritos contra 85 en las elecciones de 2014. Los retrocesos del gobierno Temer y la lucha por la demarcación de sus tierras movilizó la participación de más líderes indígenas en espacios políticos y para colaborar con la divulgación de estos candidatos fue creada una plataforma online con información sobre ellos.

Según el TSE, en las elecciones de 2014, de los 85 candidatos que se autoidentificaban como indígenas, lograron inscribir sus candidaturas 74. Para las elecciones de este año hubo 129 registros de candidatos indígenas. Según el levantamiento de la Articulación de Pueblos Indígenas de Brasil (APIB) hay, hasta el presente momento, 75 indígenas que van a participar en las elecciones, incluso como candidata a vicepresidenta, como es el caso de Sônia Guajajara, que será candidata a ese cargo por el Partido Socialismo y Libertad (PSOL).

“La coyuntura actual es muy propicia para visualizar la necesidad de la presencia indígena en el parlamento, sea [en el ámbito estatal o en el federal]. Y ante la coyuntura del golpe [de 2016] esto se volvió muy visible, tanto que el año pasado y este año, hemos conseguido realizar los dos campamentos indígenas más grandes de la historia: reunimos 4 mil líderes indígenas en Brasília para enfrentar los retrocesos de nuestros derechos”, explica Luiz Eloy Terena, asesor de la APIB.

El primer y último representante indígena en la Cámara de Diputados fue el cacique Mário Juruna, de la etnia xavante, elegido por el Partido Democrático Laborista (PDT por sus siglas en portugués) en 1982, que fue diputado entre 1983 y 1986, pero no se reeligió.

Este año, más allá de la mayor participación, hay candidatos que disputarán cargos para gobernador, senador y vicepresidenta, y para cada uno de estos puestos habrá por primera vez mujeres indígenas en la disputa. Entre ellas, está Telma Taurepang, del Partido Comunista Brasileño (PCB).  Ella va a disputar el cargo de senadora por el estado de Roraima en el norte del país y cuenta que “de hecho, el protagonismo de la mujer hoy, dentro de la política partidaria, es una novedad”.

Luiz Terena afirma que hacer el contrapunto con la bancada ruralista [representantes del agronegocio] pasó a ser el centro de atención del movimiento, y que tener representantes en el parlamento es un modo de defender los derechos de los pueblos indígenas: “muchos de los derechos de los pueblos indígenas son discutidos y retirados a través del proceso legislativo”.

Violaciones

Según el informe Violencia contra los Pueblos Indígenas - Datos de 2016, producido por el Consejo Indigenista Misionario (CIMI), las violaciones contra los pueblos ancestrales se incrementaron en 2016, año en el cual se instituyó el golpe político-judicial-mediático que destituyó la presidenta Dilma Rousseff y llevó a Michel Temer a la presidencia de la República.

Temer es el presidente con el peor desempeño de demarcaciones de territorios ancestrales. Este año firmó el decreto de homologación del Territorio Indígena Baía dos Guató, de los indígenas Guató en Mato Grosso, durante la semana del Campamento Tierra Libre, que tuvo lugar en Brasilia.

El CIMI señala en el informe que existen 530 territorios que son reivindicadas por las poblaciones indígenas, pero que aun se encuentran sin ninguna providencia administrativa, 53 identificadas y reconocidas por la Fundación Nacional del Indio (FUNAI) que aguardan una homologación del Ministerio de Justicia y 62 aguardan una firma del presidente. Entre ellas, está el Territorio Indígena de Morro dos Cavalos, en la ciudad de Santa Catarina, región sur de Brasil, donde viven los pueblos ancestrales Guarani Mbya y Guarani Nhandeva.

Eunice Kerexu, de la etnia Guarani Mbya, es candidata a diputada federal. Ella explica que el proceso de demarcación del territorio empezó en 1995, pero solo actualmente está en la etapa final del procedimiento administrativo. En 2017 los ataques a los pueblos indígenas empezaran a intensificarse con incremento de crueldad.

En noviembre la madre de Eunice fue torturada y su mano fue amputada. La familia denunció la violencia, pero hasta el momento su familia no tuvo acceso al resultado del peritaje. La violencia contra el pueblo Guarani Mbya y la lucha por sus tierras motivó su candidatura.

“Después de ese ataque he visto que quienes mandan en la ley son los políticos, porque los ataques vienen de la política. Son los políticos que promueven estos ataques aquí en Palhoça (municipio donde se localiza el territorio indígena), principalmente los de la Cámara municipal. Ellos promueven sesiones y audiencias contra los indígenas que viven aquí, entonces mi ingreso en la política se debe a la defensa del territorio para visibilizar no solo los ataques sino también nuestra lucha”, dice Eunice.

Entre los 129 candidatos registrados para participar en las elecciones de este año, 45 son mujeres, pero a pesar de la conquista, el número de candidatos hombres todavía es mayor. Según los datos del Tribunal Superior Electoral (TSE), el estado de Roraima es el que más candidatos indígenas tiene inscritos, con 20; a continuación Amazonas, con 17, a los que les sigue el estado de Ceará, en la región nordeste, con 10.

En un comunicado oficial, el TSE informó que los datos serán actualizados hasta el lunes, 20 de agosto, pues “después de esta fecha van a ocurrir cambios siempre que la Justicia Electoral niegue la inscripción de un candidato”.

(function(i,s,o,g,r,a,m){i['GoogleAnalyticsObject']=r;i[r]=i[r]||function(){ (i[r].q=i[r].q||[]).push(arguments)},i[r].l=1*new Date();a=s.createElement(o), m=s.getElementsByTagName(o)[0];a.async=1;a.src=g;m.parentNode.insertBefore(a,m) })(window,document,'script','//www.google-analytics.com/analytics.js','ga'); ga('create', 'UA-54143594-4', 'auto'); ga('set', 'campaignName', 'FacebookIA'); ga('set', 'campaignSource', 'FacebookInstantArticles'); ga('set', 'campaignMedium', 'social'); ga('send', 'pageview');
Categorias: Brasil de Fato

Previsão do tempo para terça-feira (21)

seg, 20/08/2018 - 18:57
Clima Saiba como estará o clima nas cinco regiões do Brasil Rede Nacional de Rádio | Previsão do tempo Karina Ramos | Bdf

Previsão do Tempo com informações do Instituto Nacional de Meteorologia. 

(function(i,s,o,g,r,a,m){i['GoogleAnalyticsObject']=r;i[r]=i[r]||function(){ (i[r].q=i[r].q||[]).push(arguments)},i[r].l=1*new Date();a=s.createElement(o), m=s.getElementsByTagName(o)[0];a.async=1;a.src=g;m.parentNode.insertBefore(a,m) })(window,document,'script','//www.google-analytics.com/analytics.js','ga'); ga('create', 'UA-54143594-4', 'auto'); ga('set', 'campaignName', 'FacebookIA'); ga('set', 'campaignSource', 'FacebookInstantArticles'); ga('set', 'campaignMedium', 'social'); ga('send', 'pageview');
Categorias: Brasil de Fato

Pastoral Carcerária denuncia violações de direitos de pacientes-detentos em São Paulo

seg, 20/08/2018 - 18:35
Luta antimanicomial Em relatório publicado recentemente, grupo descreve medicalização excessiva e isolamento nos hospitais-prisão do estado Mayara Paixão e Camila Salmazio | Integrantes de Movimentos Sociais da Luta Antimanicomial protestam em frente ao Ministério da Saúde | 14 de janeiro de 2016 José Cruz/Agência Brasil

“À diferença do sistema prisional, nos hospitais-prisão as pessoas não cumprem penas, ficam presas sem limite máximo de tempo”. Essa é uma das denúncias realizadas por Luisa Cytrynowicz, do Grupo de Trabalho (GT) Saúde Mental e Liberdade, da Pastoral Carcerária da Arquidiocese de São Paulo, sobre os Hospitais de Custódia e Tratamento Psiquiátrico (HCTP) do estado de São Paulo. 

Na quinta-feira (16), o GT lançou o relatório Hospitais-Prisão: notas sobre os manicômios judiciais de São Paulo, produto de diversas visitas e entrevistas realizadas desde 2014, aos três hospitais-prisão do estado, o HCTP I “Professor André Teixeira Lima” e HCTP II em Franco da Rocha e o HCTP de Taubaté “Dr. Arnaldo Amado Ferreira”.

Os hospitais-prisão estão vinculados à Secretaria de Administração Penitenciária (SAP) do estado. Eles estão destinados àquelas pessoas que cometeram crimes mas não podem ser responsabilizadas por serem “portadores de transtorno mental”, segundo o relatório. 

Entre as denúncias feitas pelo GT estão: a medicalização excessiva dos pacientes-detentos, principalmente das mulheres; o isolamento deles em relação a famílias e amizades; a ausência de atividades cotidianas; entre outras. O grupo denuncia que estas condições configuram técnicas de tortura para os pacientes-detentos.

Confira a entrevista concedida por Cytrynowicz à Rádio Brasil de Fato.

Brasil de Fato: O que leva a serem encaminhadas pessoas a esses hospitais-prisão no estado de São Paulo?

Luisa Cytrynowicz: As pessoas que são levadas pra lá elas estão em conflito com a lei e elas têm algum transtorno mental. Por esse motivo elas não podem receber uma pena. A partir dessa constatação, o juiz determina uma medida de segurança. E, à diferença da pena, essa medida de segurança não tem um tempo máximo de cumprimento. Elas cumprem a medida por um tempo indeterminado, até que um psiquiatra e uma equipe técnica constatem que ela pode sair. Então, é um sistema prisional em que as pessoas não têm um tempo determinado para ficar lá.

O relatório aponta a utilização de práticas de tortura, por quê?

O que constatamos nesses 4 anos, é que as pessoas que são custodiadas têm muitos direitos violados, não é só a restrição da liberdade mas a impossibilidade de estar em contato com as famílias, com os amigos, a escassez de vagas de trabalho e de estudo, de atividades de lazer; um relato muito recorrente é de passar o dia inteiro sem fazer nada. Então, como um lugar que deveria ser de tratamento pode ser um lugar em que as pessoas recebem altas quantidades de medicamentos e passam o dia com pouquíssimas atividades? 

Sobre as novas técnicas de tortura, uma ideia que a pastoral carcerária vem desenvolvendo há algum tempo é de que as instituições prisionais como um todo têm vários elementos que configuram uma situação de tortura estrutural. O que entendemos é que vários elementos que compõem o ambiente prisional provocam os mesmos efeitos físicos e psíquicos que agressões físicas, muito dolorosos para as pessoas que estão lá dentro.

O que observamos é que boa parte do que se entende por tratamento lá dentro passa pelo medicamento necessariamente. As pessoas que estão custodiadas nos hospitais-prisão não têm a liberdade de sentirem as dores de estarem distante de suas famílias, de seus amigos. Um relato muito recorrente é de que se a pessoa fica muito triste é logo medicada. Esse uso excessivo de medicamento é para lidar com todo e qualquer sentimento ou sintoma, mesmo que sejam normais pra quem está isolado do seu próprio convívio. E vemos isso especialmente em relação às mulheres. Quando as mulheres ficam tristes por conta da distância dos filhos, por exemplo, a resposta muitas vezes é a medicação.

A luta antimanicomial propõe o fechamento dos hospitais-prisão. Os Centros de Atenção Psicossocial (CAPS) podem ser uma alternativa?

Com certeza. Ainda que apontando ressalvas a outros equipamentos que podem, por vezes, reproduzir uma lógica manicomial, entendemos que os equipamentos pra tratamento em meio aberto fazem muito mais sentido do que esses outros que restringem a liberdade. Então, no caso das medidas de segurança, por exemplo, elas podem ser cumpridas tanto em meios fechados quanto em aberto, em equipamentos como os CAPS. Isso permite que a pessoa esteja no seu próprio convívio e que possa estabelecer vínculos e lidar com seus problemas de forma muito mais efetiva e sem tantas violações de direitos, como a gente observa nos hospitais-prisão. Então, com a ressalva de não reproduzir uma lógica manicomial, com certeza esses equipamentos podem ajudar muito. 

Que encaminhamento será dado a este relatório? Será utilizado como denúncia ao estado de São Paulo?

A ideia é que os atores responsáveis pela apuração de violações de direitos que ocorrem nesses lugares se manifestem e atuem. Nós esperamos que a Defensoria Pública e outros atores que deveriam averiguar as condições de custódia das pessoas nos hospitais-prisão, se mobilizem e que entendam isso como um passo importante pra avaliar a forma de tratamento que está sendo dada às pessoas nos hospitais-prisão. 

(function(i,s,o,g,r,a,m){i['GoogleAnalyticsObject']=r;i[r]=i[r]||function(){ (i[r].q=i[r].q||[]).push(arguments)},i[r].l=1*new Date();a=s.createElement(o), m=s.getElementsByTagName(o)[0];a.async=1;a.src=g;m.parentNode.insertBefore(a,m) })(window,document,'script','//www.google-analytics.com/analytics.js','ga'); ga('create', 'UA-54143594-4', 'auto'); ga('set', 'campaignName', 'FacebookIA'); ga('set', 'campaignSource', 'FacebookInstantArticles'); ga('set', 'campaignMedium', 'social'); ga('send', 'pageview');
Categorias: Brasil de Fato

Operação na Maré, Penha e Alemão já deixa 6 mortos

seg, 20/08/2018 - 18:34
INTERVENÇÃO Mais de 4 mil homens das forças armadas participam das operações desde a manhã desta segunda-feira (20) Flora Castro | Militares fizeram blitzes e estão revistando e checando antecedentes de moradores Tânia Rego / Agência Brasil

Desde o início da manhã desta segunda-feira cerca de 4.200 homens das forças armadas e 70 da Polícia Civil fazem operações da intervenção militar em três conjuntos de favela da zona norte: Maré, Alemão e Penha. Foram registrados 6 mortos, um militar que atuava na megaoperação e 5 suspeitos, mas denúncias apontam até 11 vítimas nas ações. A polícia disse que “vai investigar se as vítimas tem antecedentes criminais”. 

Os militares fizeram blitzes e estão revistando e checando antecedentes de moradores. Há também denúncias de que os militares estão  abrindo os celulares e detendo pessoas. 

Este é o terceiro dia consecutivo de atuação das forças de segurança no Complexo do Alemão, o principal foco da operação. Na Maré, são feitas operações secundárias. 

De acordo com nota Comando Militar do Leste divulgado nesta manhã cerca de 550 mil pessoas estão sendo impactadas em 26 comunidades.

Denúncias

O Coletivo Papo Reto, que atua no Alemão divulgou uma nota em sua rede social informando que moradores dos Complexos do Alemão e Penha procuraram integrantes do coletivo para relatar que há corpos na mata que liga as duas favelas, mas que a Polícia Civil e o Exército não estão deixando os familiares se aproximarem. O Papo Reto exigiu um posicionamento da Anistia Internacional e da Comissão de Direitos Humanos da Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro (Alerj) sobre o caso.

Já a organização não governamental (ONG) Justiça Global publicou nota de solidariedade aos moradores das comunidades alvoda operação. "Relatos apontam gravíssimas situações de abuso. Casas foram invadidas, celulares estão sendo revistados, e pessoas estão sendo detidas por participarem de grupos de WhatsApp que traziam alertas de segurança aos moradores. Por mais uma vez, aulas foram suspensas nas escolas das proximidades", diz a nota da Justiça Global.

*Com informações da Agência Brasil.

(function(i,s,o,g,r,a,m){i['GoogleAnalyticsObject']=r;i[r]=i[r]||function(){ (i[r].q=i[r].q||[]).push(arguments)},i[r].l=1*new Date();a=s.createElement(o), m=s.getElementsByTagName(o)[0];a.async=1;a.src=g;m.parentNode.insertBefore(a,m) })(window,document,'script','//www.google-analytics.com/analytics.js','ga'); ga('create', 'UA-54143594-4', 'auto'); ga('set', 'campaignName', 'FacebookIA'); ga('set', 'campaignSource', 'FacebookInstantArticles'); ga('set', 'campaignMedium', 'social'); ga('send', 'pageview');
Categorias: Brasil de Fato

Análise | Pacaraima (RR): Terra de quem?

seg, 20/08/2018 - 17:39
CRISE NA FRONTEIRA Em artigo, Malu Aires contextualiza a xenofobia contra venezuelanos na cidade de Roraima Malu Aires | "Uma cidade comandada pela política da violência, pistolagem e xenofobia, há tantos anos, era cenário perfeito ao conflito" Jadson Thomas/Pexels

Por Malu Aires

Num Estado de Golpe, nada é o que parece. Nada do que a TV diz é verdade. Autoridades? Nenhuma. Só trambiqueiros ou porta-vozes do trambique.

Pacaraima foi emancipada em 1995. O Município, fronteiriço com a Venezuela, conta com aproximadamente 12 mil habitantes e é uma invasão de comerciantes, dentro de uma reserva indígena, a Reserva de São Marcos. A sede da Prefeitura é um galpão de distribuição de produtos. O único atrativo da cidade é o comércio na sua principal avenida – a Rua do Comércio.

A energia elétrica de Pacaraima vem da Venezuela. O único posto de abastecimento de combustíveis, vem da Venezuela. Os moradores da cidade de Pacaraima dependem da Venezuela para aquecer o comércio do município e para consumo de energia. Sem gasolina, o comércio e o trânsito de Pacaraima param. Sem compradores venezuelanos, o comércio de Pacaraima para.

Para os serviços de transporte entre as duas fronteiras, Pacaraima conta com mais de 90 taxistas que, diariamente, cruzam livres a fronteira entre os dois países. Brasileiros não-índios e venezuelanos são parceiros há décadas e esta parceria sustenta Pacaraima.

O ódio surgiu agora?

A política local é comandada por latifundiários, invasores de terras indígenas. Difícil achar um prefeito que não tenha uma ficha criminal extensa, currículo obrigatório para alcançarem as cadeiras do Congresso Nacional, por Roraima.

Conflitos entre estes invasores e índios são constantes e o extermínio indígena, na região de Pacaraima, é situação alarmante, há alguns anos. O lobby pela extinção da reserva de São Marcos move a política local.

Uma cidade comandada pela política da violência, pistolagem e xenofobia, há tantos anos, era cenário perfeito ao conflito deste final de semana.

O vigilante Wandenberg Ribeiro Costa, orgulhoso organizador do ato fascista de Pacaraima, consta da folha de pagamentos da Prefeitura. O prefeito, Juliano Torquato, que em outubro de 2017 atropelou 2 crianças venezuelanas, coincidentemente estava fora da cidade, durante a vergonhosa atuação do seu empregado.

Em julho deste ano, outro “protesto” foi organizado contra os venezuelanos, formando uma comissão que, em reunião com o Ministro da Justiça, pediu reforço ao governo ilegítimo e mais dinheiro pro Município. Os líderes desta comissão foram 3 secretários municipais, 2 vereadores, 1 representante do Comércio e 3 moradores.

As lideranças que provocaram este ataque violento contra os venezuelanos já comandaram um ataque à sede da Funai, já formaram bandos de pistoleiros para ataque contra os índios e fazem enorme lobby no Congresso Nacional para a extinção da Reserva Indígena de São Marcos, com a intenção de remarcar o Município, invadindo mais terras indígenas, e desmatar a região, para ampliação do cultivo de arroz.

Estes mesmos latifundiários que apoiam o golpe, agora se organizam para provocar, com a barbárie deste último final de semana, um desgaste e uma provocação à Venezuela, dias depois que o Secretário de Defesa dos EUA, o “Cachorro Louco”, discute com o Ministro de Segurança Pública, Raul Jungmann, da Defesa, Joaquim Silva e Luna, e com o ministro das Relações Exteriores, Aloysio Nunes, “soluções” para a imigração venezuelana, no Brasil.

Não é de se estranhar que o exército não tenha interferido no arrastão fascista de Pacaraima.

É importante entender o contexto histórico da região, seus conflitos e sobre que bases são fundados. Importante rever o cronograma de acontecimentos para analisar o que de fato acontece quando uma mobilização daquela esfera, nada espontânea, surge. Não surge assim, do nada. Não é feita apenas para provocar em nós a vergonha, apesar de alcançar, rapidamente, esse objetivo. Mas tem sempre uma característica – fazer passar por “popular” o que é criminosamente político.

O ataque de Pacaraima foi organizado por políticos locais, latifundiários genocidas por natureza, mancomunados com esferas do governo ilegítimo e golpista, a mando dos EUA. Cantaram o hino brasileiro porque ainda não aprenderam o hino norte-americano.

(function(i,s,o,g,r,a,m){i['GoogleAnalyticsObject']=r;i[r]=i[r]||function(){ (i[r].q=i[r].q||[]).push(arguments)},i[r].l=1*new Date();a=s.createElement(o), m=s.getElementsByTagName(o)[0];a.async=1;a.src=g;m.parentNode.insertBefore(a,m) })(window,document,'script','//www.google-analytics.com/analytics.js','ga'); ga('create', 'UA-54143594-4', 'auto'); ga('set', 'campaignName', 'FacebookIA'); ga('set', 'campaignSource', 'FacebookInstantArticles'); ga('set', 'campaignMedium', 'social'); ga('send', 'pageview');
Categorias: Brasil de Fato

Visitors and support keep Brazilian hunger strikers strong after 20 days of protest

seg, 20/08/2018 - 17:34
Protest Members of parliament, activists, and students express their solidarity with Brazilian protesters Cristiane Sampaio | Strikers and supporters during rally held on Sunday in Brasília César Ramos/Contag

The seven activists from people’s movements who are staging a hunger strike since Jul. 31 in Brasília, capital city of Brazil, receive visitors and support on a daily basis.

The hunger strikers, who demand freedom for ex-president Luiz Inácio Lula da Silva, are focusing their demand on the Supreme Court, so that chief justice Cármen Lúcia place on the docket three petitions – called ADCs – that question the imprisonment of defendants while their cases are still appealable. This is the case, for example, of the former Brazilian president, who has been in prison since Apr. 7.

On Sunday, the protesters received approximately 120 members of the National Political Education School (ENFOC) of the National Confederation of Agricultural Workers (CONTAG), who are visiting Brasília to attend a course and took the opportunity to express their solidarity with the group.

Student Flaviana Almeida, from the state of Maranhão, thinks the hunger strikers’ initiative is an example for people’s political activism. She believes visiting them strengthens the actions of those who are on the front line fighting for rights. “It restores our energy to keep struggling,” she says.

Solidarity also came from beyond Brazilian boundaries. In addition to students from different states, the CONTAG delegation also gathered activists from other countries, who expressed their support to the hunger strikers.

One of them was student Marta Lopes, from Paraguay. She told Brasil de Fato that the key demand of the hunger strike – releasing ex-president Lula – requires joining national and international forces. “We consider this an international cause. Brazil is big and this is a topic of struggle for us. It means a lot,” she said.

During the visit, there was a political rally at the venue where the hunger strikers are accommodated, with members of parliament, jurists, and other supporters. “We are here giving back the food they are giving us every day to alleviate our hunger for justice. We are part of a big chain to bring justice back to this country,” congresswoman Erika Kokay said.

The hunger strikers thanked for the solidarity and reiterated that they will keep striking indefinitely. This Monday marks the 21st day since they started the protest.

“Deep down, what feeds the human being is not what supports the body. We definitely start to have much more resistance than we could imagine,” said hunger striker Rafaela Alves, from the Small Farmers’ Movement (MPA).

The hunger strike is organized by La Via Campesina movements, the Levante Popular da Juventude (Youth Uprising), and the People’s Movements Center (CMP).

(function(i,s,o,g,r,a,m){i['GoogleAnalyticsObject']=r;i[r]=i[r]||function(){ (i[r].q=i[r].q||[]).push(arguments)},i[r].l=1*new Date();a=s.createElement(o), m=s.getElementsByTagName(o)[0];a.async=1;a.src=g;m.parentNode.insertBefore(a,m) })(window,document,'script','//www.google-analytics.com/analytics.js','ga'); ga('create', 'UA-54143594-4', 'auto'); ga('set', 'campaignName', 'FacebookIA'); ga('set', 'campaignSource', 'FacebookInstantArticles'); ga('set', 'campaignMedium', 'social'); ga('send', 'pageview');
Categorias: Brasil de Fato

Brasil se une em solidariedade aos trabalhadores em greve de fome

seg, 20/08/2018 - 17:31
Apoio Preocupados com estado de saúde de grevistas, movimentos sociais pedem urgência à Ministra Carmém Lúcia Raíssa Lopes | Sete militantes estão sem comer desde a manhã do dia 1º de agosto pela liberdade do ex-presidente Lula Foto: Reprodução

Um ato em solidariedade aos sete trabalhadores que estão em greve de fome por justiça no Supremo Tribunal Federal (STF) será realizado nesta segunda-feira (20), às 18h30, em Belo Horizonte. Manifestantes irão se reunir em frente ao Palácio da Justiça (av. Afonso Pena, 1420), para uma vigília e cerimônia religiosa. A orientação é levar velas para demonstrações de apoio e respeito.

Os sete militantes estão sem comer desde a manhã do dia 1º de agosto pela liberdade do ex-presidente Lula. No momento, eles apresentam condições críticas de saúde, imunidade baixa e desidratação. O ato na capital mineira tem o objetivo de cobrar agilidade da Ministra Cármém Lúcia na análise de Ações Declaratórias de Constitucionalidade (ADCs) que reforçam a presunção de inocência. A emergência é para que o estado físico dos grevistas não piore. Além disso, a ação quer chamar a atenção para a greve de fome, pouco divulgada pela mídia comercial.

"A mídia está bloqueando a ação [dos grevistas], a população não sabe o que está acontecendo, assim como existe um bloqueio em torno da Cármem Lúcia. Tentamos fazer contato com ela e não conseguimos. Agora é preciso que haja urgência, que se faça justiça logo", afirma uma das organizadoras do ato de BH e coordenadora do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST), Ester Hoffmann.

Pessoas começaram a fazer jejuns cívicos (de um ou dois dias) para fortalecer a greve de fome. Iniciativas do tipo acontecem, por exemplo, nos estados da Bahia e Rondônia. Vigílias como a da capital mineira também estão programadas em todo o país. Em Brasília, na frente do STF, manifestantes se juntam a partir das 18h para um ato inter-religioso.

(function(i,s,o,g,r,a,m){i['GoogleAnalyticsObject']=r;i[r]=i[r]||function(){ (i[r].q=i[r].q||[]).push(arguments)},i[r].l=1*new Date();a=s.createElement(o), m=s.getElementsByTagName(o)[0];a.async=1;a.src=g;m.parentNode.insertBefore(a,m) })(window,document,'script','//www.google-analytics.com/analytics.js','ga'); ga('create', 'UA-54143594-4', 'auto'); ga('set', 'campaignName', 'FacebookIA'); ga('set', 'campaignSource', 'FacebookInstantArticles'); ga('set', 'campaignMedium', 'social'); ga('send', 'pageview');
Categorias: Brasil de Fato

Repórter SUS | Transparência no controle de filas

seg, 20/08/2018 - 16:58
SAÚDE Câmara Municipal do RJ deve incluir em breve na pauta de votação dois projetos para dar mais transparência ao sistema André Antunes | O clientelismo na administração pública brasileira ainda é utilizado para 'ordenar' a fila do sistema de saúde Foto: Tomaz Silva / Agência Brasil

A Câmara Municipal do Rio de Janeiro deve incluir em breve na pauta de votação dois projetos de lei para dar mais transparência à fila do SisReg, o sistema de regulação da lista de espera por consultas, exames e cirurgias feitas pelo Sistema Único de Saúde (SUS) no município.

A reivindicação ganhou força depois da polêmica envolvendo o prefeito Marcelo Crivella, que durante um encontro com pastores e lideranças evangélicas, realizado no início de julho no Palácio da Cidade, prometeu aos participantes facilidades para obter tratamentos e procedimentos cirúrgicos na rede pública de saúde do Rio. Vereadores da oposição chegaram a pedir a abertura de um processo de impeachment de Crivella, que foi rejeitado em votação na Câmara.

O episódio jogou luz sobre um problema crônico da administração pública no Brasil que é o clientelismo, que acontece quando políticos prometem favores ou privilégios para determinados grupos em troca de apoio político.

O Repórter SUS desta semana conversou com o diretor do Sindicato dos Médicos e conselheiro municipal de saúde do Rio de Janeiro, Alexandre Telles. Na entrevista, ele comenta a importância deste tema para a garantia do princípio da universalidade do SUS, prevendo que todos sejam atendidos pelo sistema de saúde de maneira igual, sem discriminação de qualquer ordem, inclusive religiosa.

Confira trechos da entrevista:

Esse debate em relação à fila do SisReg, ao Sistema de Regulação não é algo novo, inclusive a população desconhece como funciona a fila do sistema de regulação. E quando você está na ponta [atendimento], atuando com a população, é muito comum o usuário perguntar ao médico quando sairá a cirurgia dele [por exemplo].

Infelizmente isso não fica claro para a população, porque a população não tem transparência, não tem acesso a essa fila.

Desde 2016 tramita na Câmara Municipal do Rio de Janeiro um projeto de lei do vereador Carlos Eduardo em relação à transparência dessa fila. Seriam atribuídos códigos aos usuários cadastrados no SisReg e, a partir desses códigos que não identificariam a pessoa, seria possível o usuário SUS saber sua posição na fila; dando maior transparência.

Existem algumas questões que podem ser colocadas em relação a uma fila, pois um dos princípios do SUS é a questão da equidade. Quando você coloca uma fila, o sistema de saúde tem que obedecer a algumas questões como a classificação de risco, porque isso prioriza, não é meramente a ordem cronológica no sistema de regulação. Os casos mais graves têm de ser atendidos antes. Até dentro dos casos que foram aplicados na mesma fórmula. Por exemplo, os casos vermelhos, existem os casos vermelhos que têm que ter uma prioridade maior que outro. Ou seja, a regulação vai ter que continuar atuando e não meramente com a fila.

A questão da fila é benéfica para dar maior transparência e uma noção ao usuário em relação à posição dele, mas não pode engessar o sistema de saúde.

Controle social

Existem outras medidas de transparência que estão sendo adotadas. O Conselho Municipal de Saúde, por exemplo, aprovou no último mês uma resolução em que a comissão de saúde vai realizar o acompanhamento do sistema de regulação, juntamente com os conselhos distritais de saúde.

A participação do controle social tende a dar mais transparência na fila do SisReg. É importante que os usuários acionem os órgãos de controle social, para auxiliar, por se tratar de um instrumento que está em construção.

O SisReg não é um sistema utilizado exclusivamente no município do Rio de Janeiro. É uma plataforma do Ministério da Saúde e acredito que este debate, em termos de transparência, será benéfico não apenas para o Rio de Janeiro.

Subfinanciamento

Uma outra questão que diz respeito ao SisReg, mas não propriamente ao sistema, é a falta de vagas. O que existe, na realidade, é falta de vagas. Temos um gargalo em vagas de oftalmologia e em outras especialidades também, no município do Rio de Janeiro.

Na verdade, a fila saiu da porta do hospital e foi para dentro do computador. E a tendência é piorar, com o congelamento [do orçamento para a Saúde], com a Emenda Constitucional 95, que congelou os gastos primários. O subfinanciamento crônico do SUS, a gente tem que fazer um debate na sociedade: qual o sistema de saúde que a gente quer?

É um sistema subfinanciado e [de nada adiantará] a gente dar a maior transparência nele, não debater formação profissional, residência médica; se a gente não fizer um debate sobre financiamento, não será a transparência de fila que, por si só, dará conta de melhorar esse atendimento.

A transparência é algo essencial. É um processo que deve contar com a participação de toda a sociedade.

* O quadro Repórter SUS é uma parceria entre a Radioagência Brasil de Fato e a Escola Politécnica de Saúde Joaquim Venâncio da Fundação Oswaldo Cruz (EPSJV/Fiocruz)

(function(i,s,o,g,r,a,m){i['GoogleAnalyticsObject']=r;i[r]=i[r]||function(){ (i[r].q=i[r].q||[]).push(arguments)},i[r].l=1*new Date();a=s.createElement(o), m=s.getElementsByTagName(o)[0];a.async=1;a.src=g;m.parentNode.insertBefore(a,m) })(window,document,'script','//www.google-analytics.com/analytics.js','ga'); ga('create', 'UA-54143594-4', 'auto'); ga('set', 'campaignName', 'FacebookIA'); ga('set', 'campaignSource', 'FacebookInstantArticles'); ga('set', 'campaignMedium', 'social'); ga('send', 'pageview');
Categorias: Brasil de Fato

Até 15 de novembro, cubanos debatem em consulta popular a nova constituição do país

seg, 20/08/2018 - 16:41
CONSTITUINTE Casamento igualitário, idade máxima para assumir presidência e fortalecimento de assembleias são principais temas Prensa Latina | Começado em 15 de agosto, processo conta com ampla participação popular Prensa Latina/Reprodução

Após uma semana do início da consulta popular sobre a nova Constituição cubana em 13 de agosto, começam a ganhar fôlego as discussões sobre o documento aprovado pela Assembleia Nacional do Poder Popular (Parlamento), que servirá como base para formular a nova constituição do país.

Os centros de trabalhos e outras instituições do país estão abertos para que as pessoas de todos os setores da sociedade possam oferecer seus pontos de vista no processo de consulta popular, que irá até o dia 15 de novembro.

Diversos aspectos da vida cubana estão em debate - entre os mais recorrentes se destacam sugestões de incluir o direito à eutanásia, e muitos apontam a necessidade de uma lei para proteger os animais.

Até o momento, não há consenso em torno da mudança na legalização do matrimônio igualitário. O documento aprovado para debate propõe a troca de "união entre homem e mulher" para "união entre duas pessoas".

Outro ponto que está sendo discutido é a necessidade de fortalecer as Assembleias do Poder Popular. Também há propostas que podem proporcionar mais espaço para os cubanos participarem no desenvolvimento econômico da nação antilhana.

Também tem repercutido a proposta que limita em 60 anos a idade máxima para iniciar o mandato como Presidente da República.

Findado o prazo de consultar popular, o documento regressará para a análise final no Legislativo. Ao retornar ao Parlamento, o projeto enriquecido com as contribuições dos cidadãos poderá ser aprovado ou ir a referendo.

(function(i,s,o,g,r,a,m){i['GoogleAnalyticsObject']=r;i[r]=i[r]||function(){ (i[r].q=i[r].q||[]).push(arguments)},i[r].l=1*new Date();a=s.createElement(o), m=s.getElementsByTagName(o)[0];a.async=1;a.src=g;m.parentNode.insertBefore(a,m) })(window,document,'script','//www.google-analytics.com/analytics.js','ga'); ga('create', 'UA-54143594-4', 'auto'); ga('set', 'campaignName', 'FacebookIA'); ga('set', 'campaignSource', 'FacebookInstantArticles'); ga('set', 'campaignMedium', 'social'); ga('send', 'pageview');
Categorias: Brasil de Fato

"Solidariedade ajuda a manter saúde física", afirmam grevistas de fome

seg, 20/08/2018 - 16:37
Protesto pacífico Privados de alimentação desde 31 de julho, militantes recebem constantes visitas e demonstrações de apoio Cristiane Sampaio | Militantes participam de ato político em Brasília rodeados de apoiadores Foto: Adi Spezia/ MPA

Sem se alimentar desde o dia 31 de julho, os sete militantes de movimentos populares que estão em greve de fome em Brasília (DF) se encontram em estágio avançado de debilidade física.

Segundo a equipe médica que acompanha o grupo, na fase atual do protesto, o corpo já responde com mais força à privação de comida, levando a alterações fisiológicas, déficit de atenção e considerável perda de peso. O resultado dessa combinação de fatores é o agravamento do cansaço físico e mental.

A fadiga, no entanto, não impede o grupo de seguir em frente: é que onde sobra solidariedade, não falta alimento. Com o ritmo intenso de visitas e demonstrações de apoio por parte de diversos indivíduos, grupos e instituições, os militantes afirmam que se sentem estimulados a seguir em luta.

É o que conta, por exemplo, o grevista Vilmar Pacífico, do Movimento dos Trabalhadores Rurais sem Terra (MST), que, a cada nova visita, se sente revigorado.   

“Tudo isso é uma corrente, é muito importante. A visita, pra nós, é tudo. Eu costumo dizer que é o arroz e feijão, um alimento muito forte”, considera.

Veterano na luta popular, o grevista Luiz Gonzaga da Silva, o Gegê, membro da Central de Movimentos Populares (CMP), milita desde a adolescência. Ele considera que a solidariedade é fundamental para lidar com todos os processos relacionados à luta de classes, como é o caso da greve de fome.

Gegê conta que se sente grato pelas visitas e os abraços constantes que tem recebido de outros militantes, grupos, instituições, artistas e personalidades políticas.

“Eu aprendi, desde os meus 14 anos, que, sem que nós tenhamos a solidariedade de classe para classe, não tem explicação sobre por que viver. Essa palavra sempre foi muito forte na minha sobrevivência em todos os momentos difíceis”, revela.

O médico Ronald Wollf, um dos profissionais de saúde que acompanham os grevistas diariamente, explica que a debilidade física atinge fortemente o lado emocional dos militantes, aumentando, por exemplo, a irritabilidade.

Diante disso, segundo o médico, os sentimentos positivos – como é o caso da solidariedade e da fraternidade – funcionam como motor da vida, ajudando no equilíbrio energético e, consequentemente, na manutenção no organismo.

“A emoção, o humor são um alimento pra afetividade, pro espírito, e eles têm uma repercussão muito grande sobre a matéria, sobre o corpo. Existem vários estudos que vão nessa linha”, explica.

Wollf conta que a equipe médica observa uma melhora no quadro clínico e também no comportamento dos grevistas nos dias em que a movimentação de visitantes é maior.

“A gente nota depois, ao longo do dia, que eles ficam muitos mais ativos, menos queixosos em relações às dores. Eles brincam mais, pedem pra gente contar uma piada ou eles mesmos contam uma piada pra nós”, exemplifica.  

Os sete militantes recebem visitas diariamente no local onde estão alojados, no Centro Cultural de Brasília (CCB).

(function(i,s,o,g,r,a,m){i['GoogleAnalyticsObject']=r;i[r]=i[r]||function(){ (i[r].q=i[r].q||[]).push(arguments)},i[r].l=1*new Date();a=s.createElement(o), m=s.getElementsByTagName(o)[0];a.async=1;a.src=g;m.parentNode.insertBefore(a,m) })(window,document,'script','//www.google-analytics.com/analytics.js','ga'); ga('create', 'UA-54143594-4', 'auto'); ga('set', 'campaignName', 'FacebookIA'); ga('set', 'campaignSource', 'FacebookInstantArticles'); ga('set', 'campaignMedium', 'social'); ga('send', 'pageview');
Categorias: Brasil de Fato

Haddad e Gleisi falam sobre o pedido da ONU pelo direito de Lula à candidatura

seg, 20/08/2018 - 15:44
VIGÍLIA Em coletiva, candidato a vice e senadora analisam que decisão da ONU dará margem à ofensiva internacional sobre o tema Camila Vida | Hadad quer levar aos eleitores nordestinos a decisão do Comitê de Direitos Humanos da ONU e suas implicações Joka Madruga

Nesta segunda-feira (20), o candidato à vice-presidência, Fernando Haddad, e a presidenta do PT, Gleisi Hoffmann, visitaram Lula, mantido como preso político em Curitiba há 136 dias.

Haddad afirma que Lula se animou com a decisão da ONU, o que considera importante e histórico. Segundo ele, o tema recebeu uma cobertura maior da imprensa internacional do que da imprensa nacional. Veículos como New York Times, BBC e Le Figaro noticiaram a determinação da ONU sobre a candidatura de Lula e o usufruto de suas prerrogativas como candidato, como a participação em debates e sabatinas mesmo estando preso.

Na última sexta-feira (17), a decisão do Comitê de Direitos Humanos da ONU foi a notícia mais comentada no twitter.

A decisão do Comitê de Direitos Humanos das Nações Unidas representa, para o candidato a vice-presidente, um respaldo a mais para exigir a presença de Lula nos debates, já que o ex-presidente mantém seus direitos políticos. “O Brasil internalizou a convenção que torna a ONU uma autoridade no âmbito nacional e a nossa ofensiva internacional vai aumentar a partir disso; nossa mobilização não só com organismos internacionais, mas com autoridades internacionais; para que nós possamos garantir a presença do nosso presidente na disputa presidencial este ano”, explica Haddad.

 O Comitê é um dos órgãos da ONU para os direitos humanos, e tem como base o Pacto Internacional sobre Direitos Civis e Políticos, que existe para monitorar se os países signatários estão cumprindo o determinado no documento. Esse pacto foi ratificado pelo Brasil, em 1991 e em 2009, e o país aceitou a autoridade do comitê.

O ex-prefeito de São Paulo coloca que um dos motivos para estarem otimistas é que foram raras as vezes quando um país desafiou uma determinação da ONU. “Em geral, os países que subscrevem convenções e tratados internacionais, o fazem justamente para acatar decisões como essa. Então nós entendemos que o Estado Brasileiro que, desde 1995, vive um período de democracia, não vai desafiar uma recomendação como essa, que tem força no nosso ordenamento jurídico”, comenta.

Haddad afirmou ainda que, a partir disso, a defesa do ex-presidente deve ingressar juridicamente com o aval das Nações Unidas para que as prerrogativas da candidatura de Lula sejam respeitadas.

Democracia brasileira como foco internacional

Para Gleisi Hoffmann, a eleição no Brasil tomou proporções internacionais, deixando de ser apenas uma preocupação nacional e por isso a defesa do direito de Lula de ser candidato é essencial para a democracia brasileira: “Não é pouca coisa o que a ONU determinou ao Brasil, que é garantir a candidatura do presidente Lula, e garantir que ele faça todos os atos relativos à sua campanha eleitoral. Então a democracia do Brasil está sendo observada pelo mundo. Não podemos deixar, de maneira nenhuma, é que essa democracia seja ferida de morte”, pondera.

A senadora comentou ainda que o processo político eleitoral pode ser resgatado, caso se cumpra a decisão do Comitê de Direitos Humanos pela justiça brasileira. “Então, a nossa disposição é lutar para que a determinação da ONU seja cumprida, para que as autoridades brasileiras cumpram a determinação da ONU, e a gente possa resgatar o processo político eleitoral brasileiro, para que ele seja realmente um processo que fortaleça a democracia brasileira”, completa.

Agenda

Já em ritmo de campanha Haddad deve passar, de amanhã (terça-feira) até sábado por cinco estados: Maranhão, Bahia, Sergipe, Paraíba e Rio Grande do Norte. Segundo ele, o objetivo, além de fortalecer coligações com apoio à candidatura de governadores e a campanha para a presidência, a caravana também quer levar aos eleitores nordestinos a decisão do Comitê de Direitos Humanos da ONU e suas implicações no processo eleitoral.

(function(i,s,o,g,r,a,m){i['GoogleAnalyticsObject']=r;i[r]=i[r]||function(){ (i[r].q=i[r].q||[]).push(arguments)},i[r].l=1*new Date();a=s.createElement(o), m=s.getElementsByTagName(o)[0];a.async=1;a.src=g;m.parentNode.insertBefore(a,m) })(window,document,'script','//www.google-analytics.com/analytics.js','ga'); ga('create', 'UA-54143594-4', 'auto'); ga('set', 'campaignName', 'FacebookIA'); ga('set', 'campaignSource', 'FacebookInstantArticles'); ga('set', 'campaignMedium', 'social'); ga('send', 'pageview');
Categorias: Brasil de Fato

Venezuela começa a circular nova moeda com corte de cinco zeros e ancoragem ao Petro

seg, 20/08/2018 - 15:16
ECONOMIA Medida é parte de pacote que vem sendo colocado em vigor nas últimas semanas, em uma tentativa de conter crise econômica Redação | Nova moeda da Venezuela passa a se chamar bolívar soberano (Foto: AVN) Chancelaria do Equador/Wikimedia Commons

Começou a circular nesta segunda-feira (20/08) a moeda reconvertida da Venezuela, Bolívar Soberano, com o corte de cinco zeros no valor. As cédulas venezuelanas passam a ser ancoradas à criptomoeda Petro, que, por sua vez, está lastreada pelas reservas de petróleo do país.

Os novos bilhetes que passarão a circular no sistema econômico venezuelano terão as denominações de 2, 5, 10, 20, 50, 100, 200 e 500 bolívares soberanos. Por um tempo, eles coexistirão com as atuais cédulas de 1.000, 2.000, 5.000, 10.000, 20.000 e 100.000 bolívares.

A partir de setembro, entra em vigor um novo salário mínimo, anunciado pelo presidente Nicolás Maduro na semana passada, no valor de 1.800 bolívares soberanos (equivalente a 180.000.000 bolívares fortes).

O governo da Venezuela decretou feriado bancário nesta segunda por conta da troca da moeda. Operações eletrônicas, como as feitas por máquinas de débito e crédito, foram interrompidas.

A medida é parte de um pacote econômico que vem sendo colocado em vigor nas últimas semanas, em uma tentativa de debelar a crise que o país atravessa – a qual o governo credita a uma “guerra econômica”. No começo do mês, a ANC (Assembleia Nacional Constituinte) derrubou a lei que punia operações de câmbio, uma das ideias do Palácio de Miraflores para tentar aumentar a circulação de dólares.

Segundo as autoridades da Venezuela, haverá um novo redesenho da política fiscal e tributária do país, incluindo subsídios para a gasolina, reajustada em quatro pontos percentuais, e a definição de câmbio único, que flutuará de acordo com as definições do Banco Central Venezuelano.

O pacote, que se chama “Programa de Recuperação, Crescimento e Prosperidade Econômica”, inclui, além da nova moeda, uma nova política de subsídio à gasolina (que passa a ser vendida a preços internacionais), um aumento de quatro pontos percentuais no IVA (Imposto de Valor Agregado) e o estabelecimento de um câmbio único. 

(function(i,s,o,g,r,a,m){i['GoogleAnalyticsObject']=r;i[r]=i[r]||function(){ (i[r].q=i[r].q||[]).push(arguments)},i[r].l=1*new Date();a=s.createElement(o), m=s.getElementsByTagName(o)[0];a.async=1;a.src=g;m.parentNode.insertBefore(a,m) })(window,document,'script','//www.google-analytics.com/analytics.js','ga'); ga('create', 'UA-54143594-4', 'auto'); ga('set', 'campaignName', 'FacebookIA'); ga('set', 'campaignSource', 'FacebookInstantArticles'); ga('set', 'campaignMedium', 'social'); ga('send', 'pageview');
Categorias: Brasil de Fato

Fernando Alonso anuncia saída da Fórmula 1

seg, 20/08/2018 - 15:00
NA GERAL Após 17 anos, o espanhol deixa o esporte Redação | Alonso conquistou 32 vitórias, 22 poles e 97 pódios em 17 temporadas da F1 Zach Catanzareti/Divulgação

O bicampeão da Fórmula 1 em 2005 e 2006, Fernando Alonso, anunciou que se aposentará no final desta temporada. "Depois de 17 anos maravilhosos neste esporte, é hora de fazer uma mudança e seguir em frente", disse o piloto da escuderia britânica McLaren em um vídeo publicado na internet.
Ao longo de sua carreira, o espanhol de 37 anos acumulou 32 vitórias, 22 poles e 97 pódios em 17 temporadas. "Há sempre um momento para mudar e Fernando decidiu que esta temporada era a sua, nós respeitamos sua decisão, mesmo estando no melhor momento de sua carreira", disse Zak Brown, diretor executivo da McLaren.
O anúncio da aposentadoria veio dias depois de Alonso ter recebido críticas do ex-piloto brasileiro Felipe Massa, que era seu parceiro na Ferrari. Na ocasião, ele disse que o espanhol "dividia a equipe". Christian Horner, chefe da Red Bull, também surpreendeu ao descrever Alonso como um "piloto problemático", que "tende a criar o caos".
Ele é o sexto piloto com mais vitórias na história da F1 e o quarto com mais pódios. No ano de 2017, Alonso foi incluído no Hall da Fama da Federação Internacional de Automobilismo. (Ansa)

(function(i,s,o,g,r,a,m){i['GoogleAnalyticsObject']=r;i[r]=i[r]||function(){ (i[r].q=i[r].q||[]).push(arguments)},i[r].l=1*new Date();a=s.createElement(o), m=s.getElementsByTagName(o)[0];a.async=1;a.src=g;m.parentNode.insertBefore(a,m) })(window,document,'script','//www.google-analytics.com/analytics.js','ga'); ga('create', 'UA-54143594-4', 'auto'); ga('set', 'campaignName', 'FacebookIA'); ga('set', 'campaignSource', 'FacebookInstantArticles'); ga('set', 'campaignMedium', 'social'); ga('send', 'pageview');
Categorias: Brasil de Fato

Greve de fome de sete militantes ultrapassa 20 dias e é destaque da Rede Lula Livre

seg, 20/08/2018 - 12:18
Rádio Determinação da ONU de que Lula concorra às eleições presidenciais também é tema da edição desta segunda (20) Redação | No último fim de semana, grevistas receberam visitas de parlamentares e músicos populares Eliel Ferreira

A greve de fome de sete militantes por justiça no Supremo Tribunal Federal (STF), que ultrapassa 20 dias, pedindo que o Supremo discuta a prisão após segunda instância é destaque na edição da Rede Lula Livre desta segunda-feira (20). 

A defesa dos advogados de Lula para que o Brasil cumpra a resolução recente do Comitê de Direitos Humanos da Organização das Nações Unidas (ONU) de que Lula tenha seu direito de concorrer à Presidência da República garantido também é tema do programa.

A Rede Lula Livre é veiculada de segunda a sexta-feira, às 9h45, na Rádio Brasil de Fato e em emissoras parceiras.

Confira o Boletim Diário da Rede Lula Livre:

(function(i,s,o,g,r,a,m){i['GoogleAnalyticsObject']=r;i[r]=i[r]||function(){ (i[r].q=i[r].q||[]).push(arguments)},i[r].l=1*new Date();a=s.createElement(o), m=s.getElementsByTagName(o)[0];a.async=1;a.src=g;m.parentNode.insertBefore(a,m) })(window,document,'script','//www.google-analytics.com/analytics.js','ga'); ga('create', 'UA-54143594-4', 'auto'); ga('set', 'campaignName', 'FacebookIA'); ga('set', 'campaignSource', 'FacebookInstantArticles'); ga('set', 'campaignMedium', 'social'); ga('send', 'pageview');
Categorias: Brasil de Fato

“Ninguém dá emprego para trans", diz escritor João Nery

seg, 20/08/2018 - 12:01
Dignidade Durante encontro de psicologia, autor falou sobre visibilidade trans Redação | “A documentação é o primeiro passo, sem nome tu não existe”, diz Nery Guilherme Santos/Sul21

Há sete anos, a vida de João W. Nery é pautada por viagens, entrevistas e falas em eventos, cenário completamente diferente do restante de sua trajetória até então, marcada pelo medo e clandestinidade. Considerado o primeiro homem trans operado no Brasil, nos anos 1970 ele passou por uma cirurgia de redesignação sexual, quando o procedimento ainda era considerado ilegal. A possibilidade de trocar de nome no registro civil, para poder viver plenamente como um homem perante a sociedade, não existia. Na época, aos 27 anos, Nery fez a única coisa que via como uma solução: obteve um novo documento masculino, que no entanto o fez virar uma “nova pessoa”, como se nunca houvesse sido registrado anteriormente.

Foi apenas quando já havia se passado 30 anos, ao ter certeza de que não seria condenado por falsa identidade, que viu a possibilidade de contar sua história, publicando o livro “Viagem Solitária- — Memórias de um Transexual Trinta Anos Depois”, em 2011. A partir daí, tornou-se uma das personalidades transexuais mais conhecidas no Brasil, inclusive emprestando seu nome para o projeto de lei da Identidade de Gênero, dos deputados Jean Wyllys (PSOL) e Érika Kokay (PT), que possibilitaria a retificação de nome no registro civil a todas as pessoas cujo nome não coincida com a identidade de gênero.

Aos 68 anos, Nery trabalha em um livro sobre transexualidade e velhice, tema que nunca viu ser abordado em publicações literárias até agora, até devido ao alarmante dado de que pouquíssimas pessoas trans sobrevivem para se tornarem idosas: a expectativa de vida de mulheres trans e travestis é de 35 anos. Devido a problemas de saúde, ele diminuiu um pouco a rotina de viagens e divide seu tempo também com um trabalho voluntário feito através do Facebook de auxílio para transhomens de todo o país. No ano passado, deu consultoria para Glória Perez, que colocou em sua novela A Força do Querer um personagem trans, tema do qual Nery fala com entusiasmo.

A bengala que o auxilia a caminhar denuncia a fragilidade da saúde de Nery em comparação a alguns anos atrás, quando alcançou a fama devido ao lançamento do livro. A vontade de fazer a diferença na vida de pessoas transexuais, no entanto, permanece a mesma.

Na sexta-feira (17), Nery conversou com oSul21 no Plaza São Rafael, onde estava hospedado para participar do primeiro Encontro Gaúcho de Psicologia, promovido pelo Conselho Regional de Psicologia do Rio Grande do Sul. Por quase uma hora, ele falou de sua trajetória, dos desafios que o movimento LGBT (lésbicas, gays, bissexuais, travestis e transexuais) ainda enfrenta e, especialmente, dos transhomens, população invisibilizada e estigmatizada em diversos aspectos.

Falta de acesso à saúde, moradia, tratamento adequado e emprego são apenas alguns dos problemas que eles enfrentam, e Nery faz tudo que está a seu alcance para para auxiliar outros transhomens. Se pudesse, afirma que construiria um abrigo para pessoas transexuais que são expulsas de casa. Ele lamenta que, em sua maioria, crianças e adolescentes trans acabem nas ruas, muitas vezes se prostituindo desde cedo. “Uma travesti é expulsa de casa aos 12 anos e vai para onde? É uma criança, e não tem abrigo para ela. Então ela fica na rua e se prostitui, e ninguém fala em pedofilia, em abandono dos pais, em expulsão de casa”, afirma.

Confira a entrevista completa:

Sul21 – Lendo um pouco sobre a sua trajetória, me deparei com essa questão de que quando você trocou de nome, acabou perdendo todo o histórico escolar e passou a ser considerado um analfabeto. Como se deu isso?

João Nery – Eu fiz a cirurgia [Nery fez uma mamoplastia masculinizadora e uma neouretra] com 27 anos, em 1977, quando era ilegal, e depois eu não podia entrar na Justiça pra mudar meu nome porque seria obviamente negado. E como eu ia trabalhar com cara de homem e documento de mulher? Então eu fui num cartório e tirei um novo documento masculino, alegando precisar servir o exército e nunca ter sido registrado. Aí eu consegui, mas como não foi uma troca através de um processo judicial, foi um crime, eu perdi todo o meu histórico escolar, virei um analfabeto. E aí passei 30 anos escondido no armário, trabalhando de pedreiro, cortador de confecção, vendedor, motorista de táxi, diversas profissões. Hoje estou desempregado sem aposentadoria, vivo das vendas do meu livro.

Sul21 – Um dos avanços conquistados nesses anos todos foi justamente a possibilidade de se retificar o nome no registro civil. Qual a importância dessa conquista, na sua avaliação?

João Nery – Sim, o Judiciário, passando por cima do Legislativo, assim como no casamento igualitário, decidiu que é possível não só mudar o nome no cartório diretamente , o que diminui a burocracia, como também despatologiza a transexualidade. Ou seja, o laudo psiquiátrico fico inócuo. E isso é muito importante, embora pela Organização Mundial de Saúde ainda constasse como uma doença mental. Mas essa decisão do Supremo não preenche totalmente as necessidades das pessoas trans. Eu acredito que tenha se baseado na Lei de Identidade de Gênero do Jean Wyllys e da Érika Kokay, que leva meu nome, mas o quinto artigo da lei fala da proteção dos menores. Ou seja, um menor que seja trans e que o pai não aceite, não concorde, ou que o maltrate, como a maioria, não vai ter como se defender. Na lei do Jean ele poderia recorrer à Defensoria Pública. Então fica esse buraco que agora tenta ser preenchido pelo nome social, o menor pode usar o nome social na escola, no SUS, mas não tem validade legal, para votar por exemplo continua o constrangimento.

“A documentação é o primeiro passo, sem nome tu não existe”, diz Nery| Foto: Guilherme Santos/Sul21

Sul21 – Apesar das conquistas, ainda há muito a avançar em termos dos direitos das pessoas trans. O que você considera que são as principais pautas em que ainda é preciso melhorar?

João Nery – Quase tudo. A documentação é o primeiro passo, sem nome tu não existe. Mas não basta ter um nome, você tem que ter emprego, e ninguém dá emprego para trans. Agora a Gol empregou uma trans como comissária. Nós temos um site chamado Trans Empregos, que é uma ideia minha e da Márcia Rocha, que é uma travesti empresária, em que entramos em contato sobretudo com multinacionais que estão abertas à diversidade, não só de gênero, mas também pessoas com deficiência por exemplo. Estamos conseguindo empregar muita gente, o Carrefour já empregou 25 trans. Mas empresas brasileiras têm uma certa resistência.

Nós não temos abrigos para trans, só conheço dois particulares, um em São Paulo e no Rio a Casa Nem, que está indo à falência porque não tem auxílio da Prefeitura, do Estado, nada. Ou seja, uma travesti é expulsa de casa aos 12 anos e vai para onde? É uma criança, e não tem abrigo para ela. Porque se for para o masculino vai ser estuprada, agredida, e no feminino não vai poder entrar porque tem documentação masculina. Então ela fica na rua e se prostitui, e ninguém fala em pedofilia, em abandono dos pais, que é mais que abandono, é expulsão. É muito sério, sobreviver trans na nossa cultura é muito difícil. Então você não tem nome, não tem trabalho, não tem onde morar, e se você conseguir sobreviver – porque a idade média de uma travesti é de 35 anos de idade… Ou ela morre de bala bem dirigida, ou de AIDS, ou de drogas, ou se suicida. Então chegar na velhice é muito difícil, é raríssimo.

Agora estou escrevendo um novo livro, que é sobre velhice trans. Não existe um único livro publicado sobre esse assunto, apenas algumas teses. Então você imagina a minha dificuldade em entrevistar trans velhos. De transhomem velho eu só conheço eu mesmo, porque também é um movimento relativamente novo, as transmasculinidades só se tornam um segmento propriamente representativo a partir de 2011, quando eu publico o Viagem Solitária e apareço na mídia. Então eu tenho no Facebook um perfil só para atender homens trans, nele eu criei 26 grupos secretos, um para cada Estado, e dentro desse grupo eu tenho profissionais que são capazes de atender trans. Esse é outro problema. Você imagina um transhomem vai no endocrinologista e ele diz “eu não vou dar testosterona para lésbica”, não sabe nem diferenciar identidade de gênero de orientação sexual. Isso se não chamar pelo nome feminino. Isso porque a maioria das universidades do Brasil não tem cadeira de gênero e sexualidade.

“Ninguém fala em cárcere privado, como não fala em pedofilia no caso das crianças travestis” | Foto: Guilherme Santos/Sul21

Sul21 – Sim, os profissionais não estão preparados.

João Nery – Não estão. Nem na área na saúde, nem humanas, psicólogos, assistentes sociais, ninguém sabe lidar com corpo trans. Tem psicólogo que o garoto chega lá e diz “sou transhomem” a pessoa responde “ah, não sei o que é isso, volta daqui a dois meses que eu vou dar uma pesquisada”, e ainda cobra meia consulta. Essa é a realidade brasileira. A maioria dos garotos têm depressão, síndrome do pânico, se não forem expulsos de casa são trancados no quarto para não passar vergonha para os pais na vizinhança, é quase um cárcere privado. Mas ninguém fala em cárcere privado, como não fala em pedofilia no caso das crianças travestis.

E os jornais ainda publicam “o travesti”, com o nome antigo, e ainda fica feliz se mata uma delas, porque é a visão de “vamos limpar a sociedade daquela marginália suja que nos ameaça enquanto homem e mulher. Que bicho é esse que não é homem nem mulher”? Mas a medicina está cansada de saber que existem os intersexos, mas ninguém fala, é um tabu. E é um número alto, de 1 a 2 mil nascimentos. Mas o que faz a medicina? Assim que nasce, vamos operar, não pode ficar ambíguo, tem que dar um nome, tem que batizar. E geralmente feminizam, porque é mais fácil. E a criança chega aos 9, 10 anos e vai perguntar para os pais o que são as cicatrizes das cirurgias, e muitas vezes o gênero que a criança escolhe não é o mesmo que o médico havia escolhido. Então o suicídio entre os intersexo são muito grandes. Claro que há 49 corpos diferentes de intersexo, há grande variedade e muitas pessoas morrem sem saber que são intersexo. Mas isso é um dado biológico, enquanto o gênero é adquirido, e como tal varia na cultura, na história, é quase infinito. Nova York oficializou 31 gêneros mas eu acho que tem muito mais. Nós enquanto somos vivos somos mutáveis em termos de corpo, identidade, orientação sexual.

Sul21 – Existe essa discussão do que determina a pessoa como homem ou mulher. Há relatos de pessoas trans que são questionadas se são homens ou mulheres “de verdade” para fazer o tratamento.

João Nery – Primeiro que a pergunta de o que é ser homem e o que é ser mulher não tem resposta. Eu vi uma enquete em grupo de homens heterossexuais cisgêneros* de o que é ser homem. Teve três respostas, a primeira foi gostar de mulher. Bom, então lésbica é homem. A segunda resposta foi ter um pênis. Então homem que sofre um acidente ou alguma doença, e não são poucos os que perdem o pênis por falta de assepsia, por câncer, deixa de ser homem. E a terceira resposta, que foi a que ganhou, era que ser homem é não ser mulher. Ou seja, é negar o outro. Eu nunca vi uma mulher responder ‘eu sou mulher porque não sou homem’.

Esse protocolo todo do SUS é uma palhaçada porque são pessoas cisgêneras, baseadas em protocolos inventadas, porque a APA, que é a Associação Psiquiátrica Americana, tem essa categorização como doença mental, disforia. Nem todo transexual tem disforia, tem sofrimento com seu próprio órgão genital, nem todo transexual quer se operar. Mas tem que ter um problema fisiológico, diz o psiquiatra que cuida em São Paulo de um grupo de trans, que é um problema genético, do hipotálamo. Eles pesquisam e não encontram nada, mas eles querem uma causa fisiológica, querem dizer “eu sou normal, você é doente”.

Sul21 – Que outros desafios você começou a perceber, a partir desse novo livro, que as pessoas trans encontram na velhice?

João Nery – Quando a gente fica velho, não tem asilo. Se você descobrir algum transexual num asilo, me avisa. Eu descobri um, uma mulher que teve que se vestir de homem. Inclusive muitas travestis que chegam à velhice acabam se suicidando socialmente, para poder ou ser aceito à família de novo ou ter acesso à saúde. Você ter que abrir mão do seu gênero, da sua identidade, de como se identifica, para poder ter um auxílio de saúde e familiar. É muito sério e muito triste.

São questões muito graves, e a sociedade não está nem aí para a gente. Pelo contrário, usam a gente como paródia. Agora teve uma novela da Glória Perez pela primeira vez um transhomem, que foi inspirada parcialmente no Viagem Solitária. Eu dei consultoria para ela gratuita. E o próprio livro aparece, e é um livro que salva vidas, eu já pude constatar isso. É a primeira autobiografia sobre o assunto, eu falo desde a minha infância até a velhice.

Sul21 – Você mencionou que o movimento de transhomens é mais recente, e os transhomens são sempre invisibilizados, até dentro do movimento LGBT. Por que você acha que acontece isso?

João Nery – Olha, por que você acha que a mulher é mais invisibilizada que o homem até hoje? Em todos os níveis, no trabalho, na política, na ciência, na literatura. Você acha que isso é gratuito? Claro que não é por ser menos inteligente. A sociedade faz a mesma coisa com os transhomens, são pessoas que nasceram sendo consideradas mulheres. “Como uma mulher ousa virar homem? Isso é uma ousadia, querer o nosso poder. Não existe, é lésbica, ‘sapatona’, ‘caminhoneira’, ‘mulher-macho’, mas não é homem”. Eu acho que essa é uma das explicações.

A segunda, eu diria que o feminino é muito mais ameaçador para a cultura que o masculino. Daí a perseguição muito maior às travestis e mulheres trans. Elas se tornaram visíveis no Brasil a partir da década de 1960 mais ou menos, como prostitutas e as transformistas como artistas. Elas estão na luta há muito mais tempo, a elas devemos o nome social. Os homens surgem no Brasil em 2011, em 2005 um transhomem até foi presidente da Parada Livre de São Paulo, mas foi um caso isolado. Sempre teve transhomens, mas não se falava sobre.

Nos presídios não têm ala para transhomens, alguns têm ala LGBT, como aqui no Rio Grande do Sul, mas no presídio masculino. Essa questão da troca de documentos, o Tribunal não pensou em muitas coisas. Por exemplo, se você muda o nome de feminino para masculino, perde o direito à pensão, porque só mulher tem direito, você não tem presídio. Muitos jovens usam drogas ilícitas e têm medo de serem presos, já pensou um transhomem num presídio masculino? Morrem. Não tem para onde ir, assim como quando a gente fica velho.

Sul21 – Daonde você se inspirou para escrever o Viagem Solitária?

João Nery – Eu acredito que foi um livro que li na adolescência, chamado O Poço da Solidão, de uma escritora inglesa chamada Radclyffe Hall, publicado originalmente em 1928. E o livro é proibido na Inglaterra inicialmente. E aí há uma manifestação de autores e pelos direitos humanos e conseguem publicar o livro dela depois de um tempo. Para mim, é a história de um transhomem, mas na época é retratado como uma mulher homossexual. É passado no final do século 19, ela é riquíssima, filha única, mas se sente um menino. Então você imagina, ter que usar aqueles vestidos até o pé, corpete. E quando eu li, eu disse ‘sou eu’. No livro, ela se torna uma escritora famosa, e eu pensei ‘essa é a minha história, o que eu vivo outras pessoas devem viver. Eu não posso morrer e deixar de registrar isso’. Eu acredito que ela exerceu uma grande influência em mim, não que a autora seja trans nesse caso, mas sim a personagem.

Quando eu me recuperava da cirurgia aos 27 anos, eu publiquei o meu primeiro livro autobiográfico, que foi o Erro de Pessoa, João ou Joana?, publiquei pela Record em 1984. A Glória Perez leu e chegou a fazer um seriado na época, mas o Boni não deixou ir ao ar, achou que era precipitado demais esse tema. Por isso que ela me procurou agora, mas nem sabia que eu tinha escrito o Viagem Solitária, quando ela soube, ela enlouqueceu e inclusive mudou a ideia inicial, que era escrever sobre transexualidade feminina. E eu acho que ela tratou muito bem do tema.

Sul21 – Estamos vendo mais representações de personagens trans em seriados, filmes, novelas. Mas existe uma polêmica de pessoas cis interpretando esses personagens, qual a sua opinião?

João Nery – Olha, nessa questão eu acho que o mais importante é ser um bom ator. Agora, sem dúvida nenhuma você vê atores cis fazendo papéis de trans, mas não vê atores trans fazendo o papel de cis. Até existe, mas é muito raro. Há uma discriminação, e como há grandes atores trans, e que precisam de emprego, por que não dar a vez a quem precisa e merece? Evidente que há muitos atores cis fazendo papéis de trans maravilhosamente bem, como no filme A Garota Dinamarquesa. Eu não tenho nada contra, mas também acho que tendo a oportunidade de dar emprego para as pessoas trans, seria ótimo.

Sul21 – Qual a tua trajetória no ativismo? Veio apenas depois da publicação do livro?

João Nery – Sim, porque eu passei 30 anos no armário para não ser preso, e mais ou menos digamos que o crime prescreveu. Eu até dei entrevistas de costas antes disso, para não ser identificado, por segurança. Quando chegou o Viagem Solitária, o advogado me disse que não poderiam fazer nada contra mim, então eu fui e depois que eu fui na Marília Gabriela é que tudo aconteceu. Acho que até hoje é uma das melhores entrevistas que eu já dei. Então eu não podia aparecer, mas depois que eu apareço foi uma loucura de convites de todos os programas que você possa imaginar, de televisão, rádio, jornal, nacional, internacional, tive convites, como psicólogo também, de palestrar em tudo que é Congresso, Seminário, há seis anos que só faço viajar. De um tempo para cá adoeci e tive que dar um tempo, mas enquanto eu puder falar e puder andar vou estar militando pela causa.

*Termo utilizado para se referir a pessoas não-trans, ou seja, pessoas cuja identidade de gênero corresponde ao gênero designado ao nascer. 

(function(i,s,o,g,r,a,m){i['GoogleAnalyticsObject']=r;i[r]=i[r]||function(){ (i[r].q=i[r].q||[]).push(arguments)},i[r].l=1*new Date();a=s.createElement(o), m=s.getElementsByTagName(o)[0];a.async=1;a.src=g;m.parentNode.insertBefore(a,m) })(window,document,'script','//www.google-analytics.com/analytics.js','ga'); ga('create', 'UA-54143594-4', 'auto'); ga('set', 'campaignName', 'FacebookIA'); ga('set', 'campaignSource', 'FacebookInstantArticles'); ga('set', 'campaignMedium', 'social'); ga('send', 'pageview');
Categorias: Brasil de Fato

Governo Temer dá vexame ao desconhecer compromissos assumidos com a ONU

seg, 20/08/2018 - 11:23
coluna Foi uma demonstração clara do temor que têm de enfrentar o líder das pesquisas Mário Augusto Jakobskind | Que vexame o Brasil passa com o posicionamento do governo de não seguir a determinação do Comitê de Direitos Humanos da ONU ONU/Jean-Marc Ferré

Que vexame o Brasil passa com o posicionamento do governo de não seguir a determinação do Comitê de Direitos Humanos da Organização das Nações Unidas (ONU) de obrigar que o preso político Luiz Inácio Lula da Silva possa ser candidato à Presidência da República.

O vexame é ainda maior quando o Ministro da Justiça, Torquato Jardim, se volta de forma furiosa contra a ONU e simplesmente ignora que nos anos 90 o Brasil assinou  resolução que obriga o país a seguir o que for determinado pelo Comitê da entidade. Na prática isso demonstra também que Torquato Jardim apenas ocupa o cargo que ocupa por ser um governo como o de Michel Temer, uma vergonha que bateu todos os recordes.

Segue com Torquato e Temer o esquema Globo, que ignora a informação sobre a ONU e ainda por cima, em matérias e editoriais, se volta, também furiosamente, contra o preso político Luiz Inácio Lula da Silva. Ou seja, na prática deixa de fazer jornalismo na verdadeira acepção da palavra para se dedicar à defesa de seus interesses econômicos e do mercado. Em outras palavras, o esquema Globo mostra a sua verdadeira face e se comporta distante de um órgão de comunicação e se torna um espaço a serviço de um grupamento político.

Em âmbito político partidário, os candidatos, com exceção de Guilherme Boulos, que participaram do último debate em um canal televisão, simplesmente decidiram retirar o vestígio do púlpito do postulante impedido pela justiça de participar do debate.

Na verdade, foi uma demonstração clara do temor que têm de enfrentar cara a cara o líder das pesquisas eleitorais. Podem imaginar o que ocorreria se Álvaro Dias, Jair Bolsonaro, Geraldo Alckmin, Henrique Meirelles, Cabo Daciolo e Ciro Gomes tivessem de enfrentar cara a cara Lula? Não só não queriam correr esse risco, como também acharam por bem evitar ver pela frente qualquer vestígio do candidato mencionado. Dias e Bolsonaro fizeram questão de lembrar a condição de preso, sem mencionar, claro, a condição de preso político.

Essa é a realidade que se vislumbra nesse início de campanha eleitoral em que o mercado quer evitar de todas as formas que os eleitores possam com toda a liberdade fazer a escolha. A mídia comercial, com destaque para o esquema Globo, segue o mesmo passo.

Por isso, os eleitores precisam ficar atentos para os próximos debates e exigir que os candidatos se posicionem em relação ao que foi decidido pelo Comitê de Direitos Humanos da ONU.

Resta saber se essa pergunta será permitida pelos responsáveis pelos debates de ser formulada. É importante também que se evite que os candidatos escondam as suas reais intenções. Precisam também ter em mente que a melhor forma de derrotar quem eles consideram inimigo é pelo voto e não da forma como estão fazendo neste momento com a colaboração da mídia comercial, vale sempre assinalar, com destaque para o esquema Globo.

(function(i,s,o,g,r,a,m){i['GoogleAnalyticsObject']=r;i[r]=i[r]||function(){ (i[r].q=i[r].q||[]).push(arguments)},i[r].l=1*new Date();a=s.createElement(o), m=s.getElementsByTagName(o)[0];a.async=1;a.src=g;m.parentNode.insertBefore(a,m) })(window,document,'script','//www.google-analytics.com/analytics.js','ga'); ga('create', 'UA-54143594-4', 'auto'); ga('set', 'campaignName', 'FacebookIA'); ga('set', 'campaignSource', 'FacebookInstantArticles'); ga('set', 'campaignMedium', 'social'); ga('send', 'pageview');
Categorias: Brasil de Fato

Lei de Proteção de Dados trará impactos a pessoas, empresas e governos

seg, 20/08/2018 - 11:16
Digital A norma foi sancionada nesta semana pelo presidente Michel Temer Jonas Valente/Agência Brasil | Usuários terão dados de registros coletados sem que eles saibam Marcello Casal Jr. /Agência Brasil

A Lei Geral de Proteção de Dados (13.709) foi sancionada nesta semana pelo presidente Michel Temer. A norma traz regras sobre a coleta e o tratamento de informações de pessoas por empresas e órgãos do poder público. A norma, que ainda terá um período de transição de 18 meses antes de entrar em vigor, terá impactos nas atividades cotidianas de usuários, empresas e órgãos da administração pública.

A lei trará consequências especialmente no mundo online, uma vez que os usuários têm registros e atividades coletados e tratados diariamente não somente por plataformas (como Facebook ou Google) mas por uma série de outras empresas sem que eles saibam. Mas também valerá no mundo offline, como no pedido de CPF para compras em farmácias ou na hora de entrar em um prédio residencial ou comercial.

Segundo a norma, dados pessoais são informações que podem identificar alguém. Não se trata, portanto, apenas do nome. Mas um endereço ou até mesmo empego podem ser considerados como tal se permitirem identificar alguém quando cruzados com outros registros.

Dentro do conceito, foi criada uma categoria chamada de “dado sensível”, informações sobre origem racial ou étnica, convicções religiosas, opiniões políticas, saúde ou vida sexual. Registros como esses passam a ter nível maior de proteção, para evitar formas de discriminação. Esse tipo de característica não poderá ser considerado, por exemplo, para direcionamento de anúncios publicitários sem que haja um consentimento específico e destacado do titular. Já registros médicos não poderão ser comercializados.

Mas quem fica sujeito à lei? Todas as atividades realizadas ou pessoas que estão no Brasil. A norma valerá para coletas operadas em outro país desde que estejam relacionadas a bens ou serviços ofertados a brasileiros. Se um site de cursos online, por exemplo, comercializa aulas em português ou voltada a brasileiros, deverá cumprir as exigências da norma.

Consentimento

Uma empresa não poderá coletar dados para fazer o que quiser com eles, mas deverá informar a finalidade. Um site que solicite dados de idade em um cadastro sem que isso tenha a ver com o serviço prestado pode ser questionado. A coleta só poderá ocorrer em situações específicas, sendo a principal delas mediante a obtenção de autorização do titular (o chamado consentimento). A tendência, portanto, é que os usuários passem a ser perguntados mais frenquentemente se dão sua permissão. Neste momento, será importante ler o motivo da coleta para identificar se os dados solicitados têm relação com a finalidade da atividade.

Ao aceitar repassar seus dados, como ao concordar com termos e condições de um aplicativo, as empresas passam a ter o direito de tratar os dados (respeitada a finalidade específica), desde que em conformidade com a lei. Entretanto, as empresas passarão a ter uma série de obrigações, como a garantia da segurança dessas informações e a notificação do titular em caso de um incidente de segurança. Para citar um exemplo, quando o Facebook tomou conhecimento que os dados 87 milhões de pessoas (entre elas brasileiros) haviam sido entregues à empresa de marketing digital Cambridge Analytica, ele não avisou aos usuários afetados.

“Antes, se uma empresa coletasse dados pessoais de clientes, não aplicasse nenhum tipo de segurança sobre esses os dados e depois sofresse algum ataque, dificilmente a empresa sofreria algum tipo de punição. Agora, a empresa terá que comprovar que tem uma estrutura de segurança preparada para assegurar a proteção dos dados e poderá receber multas caso não cumpra as regras”, explica Jeferson Propheta, diretor-geral da McAfee no Brasil, empresa que comercializa programas antivírus.

A norma permite a reutilização dos dados por empresas ou órgãos públicos, em caso de "legítimo interesse” desses. Estabelece, no entanto, que esse reúso só pode ocorrer em uma situação concreta, em serviços que beneficiem o titular e com dados “estritamente necessários”, respeitando os direitos dele. Um desafio da lei será exatamente a avaliação das situações específicas nas quais uma empresa alegue o “legítimo interesse” e se o reúso respeita as exigências.

Direitos

De outro lado, o titular ganhou uma série de direitos. Ele poderá, por exemplo, solicitar os dados que a empresa tem sobre ele, a quem foram repassados (em situações como a de reutilização por “legítimo interesse”) e para qual finalidade. Caso os registros estejam incorretos, poderá cobrar a correção. Em determinados casos, o titular terá o direito de se opor a um tratamento. A lei também permitirá a revisão de decisões automatizadas tomadas com base no tratamento de dados (como as notas de crédito ou perfis de consumo).

“O usuário de mídias sociais poderá solicitar a qualquer momento o acesso aos dados pessoais mantidos pelas plataformas. Além disso, terá o direito de solicitar a uma empresa que elaborou o seu score financeiro o acesso aos dados pessoais que justificaram a determinação do seu perfil (ainda que automatizada), inclusive para solicitar a correção de qualquer dado incorreto ou inexato”, exemplifica a advogada especializada em direito digital Vanessa Lerner.

O titular terá ainda direito à portabilidade de suas informações, assim como ocorre com número de telefone. A autoridade regulatória, se criada, deve definir no futuro como isso será feito. Mas a possibilidade de levar os dados consigo é importante para que uma pessoa possa trocar de aplicativo sem perder seus contatos, fotos ou publicações.

Crianças de até 12 anos ganharam garantias específicas na lei. A coleta fica sujeita a uma série de restrições, deve ser informada de maneira acessível para esse público e será condicionada à autorização de pelo menos um dos pais.

Negócios

Ao estabelecer garantias e responsabilidades para as empresas, a lei vai ter impacto importante nos negócios realizados no Brasil e com parceiras estrangeiras. A primeira mudança é que, com sua aprovação, o país passa a atender a exigências de outros países e regiões, como a União Europeia. Sem isso, as empresas nativas poderiam ter dificuldades para fechar negócios.

Na avaliação do gerente executivo de Política Industrial da Confederação Nacional da Indústria (CNI), João Emílio Gonçalves, as empresas terão que adotar uma série de medidas para se adequar à nova legislação quando entrar em vigor. Para além da garantia da segurança dos dados, terão que eleger um “encarregado de proteção de dados”, que terá a função de receber reclamações, comunicações, orientar funcionários da empresa, entre outras atribuições.

A maior preocupação dele será com as pequenas e médias empresas. Em alguns casos, a adequação à lei  poderá exigir revisão de processos. “De modo geral, as empresas que atuam no mercado internacional ou que realizam transferências internacionais de dados estão mais preparadas para lidar com a nova lei, pois já vinham se adaptando aos regulamentos de outros países, como os da União Europeia. O maior desafio será para as empresas menores e aquelas mais restritas ao mercado local”, alerta.

Autoridade regulatória

A normatização e fiscalização ficariam a cargo do que o texto aprovado no Senado chamou de Autoridade Nacional de Proteção de Dados. Contudo, os artigos que tratavam da criação da agência foram vetados pelo presidente Michel Temer, com a justificativa de que o Congresso não poderia aprovar um novo órgão. O governo informou que deve enviar um projeto de lei ao Congresso prevendo a implantação da autoridade.

Para o pesquisador da Rede Latino-Americana de Estudos sobre Vigilância, Tecnologia e Sociedade (Lavits) Bruno Bioni, a existência da autoridade é fundamental para que ela possa aplicar os princípios previstos na lei aos casos concretos. “A lei não faz menção a uma tecnologia em específico. Por isso, será necessária a figura da autoridade para traduzir esses direitos de acordo com desafios que novas tecnologias vão colocar. Se falamos hoje em Big Data [coleta massiva de dados] e inteligência artificial, daqui a pouco falaremos de computação quântica”, argumenta.

Para João Emílio Gonçalves, da CNI, a autoridade é importante desde já, e não apenas quando a lei entrar em vigor. “A criação da autoridade é fundamental. Sua função vai muito além da fiscalização e repressão. Na verdade, a agência será importante desde já, pois contribuirá para orientar as empresas e os cidadãos sobre obrigações e direitos previstos no novo regulamento”, destaca.

(function(i,s,o,g,r,a,m){i['GoogleAnalyticsObject']=r;i[r]=i[r]||function(){ (i[r].q=i[r].q||[]).push(arguments)},i[r].l=1*new Date();a=s.createElement(o), m=s.getElementsByTagName(o)[0];a.async=1;a.src=g;m.parentNode.insertBefore(a,m) })(window,document,'script','//www.google-analytics.com/analytics.js','ga'); ga('create', 'UA-54143594-4', 'auto'); ga('set', 'campaignName', 'FacebookIA'); ga('set', 'campaignSource', 'FacebookInstantArticles'); ga('set', 'campaignMedium', 'social'); ga('send', 'pageview');
Categorias: Brasil de Fato

En acto interreligioso, huelguistas brasileños exigen votación al Supremo Tribunal

seg, 20/08/2018 - 11:11
LIBERTAD DE LULA Militantes, religiosos y simpatizantes presionan al STF para que tramite acciones declaratorias de constitucionalidad Cristiane Sampaio | Militantes en huelga de hambre en la solenidad en frente al STF, en Brasília (DF) Cristiane Sampaio

“Va a llegar un nuevo día / un nuevo cielo, una nueva tierra, un nuevo aire/ y, ese día, los oprimidos/ en una sola voz cantarán la libertad”. Fue bajo el empuje de esos versos que la Plaza de los Tres Poderes, localizada frente al Supremo Tribunal Federal (STF), en Brasilia (DF), fue la sede de un nuevo acto interreligioso por la liberación del ex presidente Lula (PT) el pasado jueves (16).

En apoyo a los siete militantes de movimientos populares en huelga de hambre hace 20 días, religiosos y otras personas que apoyan la causa engrosaron el coro para que la presidenta del STF, Carmen Lúcia, coloque en agenda la votación de las acciones declaratorias de constitucionalidad (ADC) que cuestionan el encarcelamiento después de condena en segunda instancia.

En la ocasión, fueron distribuidas velas para los participantes. El fray capuchino Wilson Zanatta destacó la simbología de la luz como referencia a la esperanza del campo popular de la liberación del ex presidente.

“Queremos oír este texto para que la palabra de Dios nos ilumine, nos aclare, para que podamos tener certeza de hacia donde estamos yendo y lo que estamos construyendo”, afirmó, durante la celebración, en referencia a los versos de la canción citada anteriormente.

Él y otros que apoyan la causa también se sumaron al acto, como María Fernanda Coelho, ex presidenta de la Caixa Económica Federal (CEF). Ella elogió el coraje de los militantes al abdicar de la alimentación para protestar contra el encarcelamiento de Lula.

“Entiendo que hacen un movimiento pacífico, pero muy fuerte, es necesario tener mucho amor en el corazón para encarar una decisión como esa”, afirmó.

El caso del ex presidente afecta a cerca de 150 mil personas más, que también están encarceladas sin haber sido juzgadas en tercera instancia. João Pedro Stédile, de la Coordinación Nacional del Movimiento de Trabajadores Rurales Sin Tierra (MST), resaltó la importancia de que la ministra Carmen Lúcia de prioridad al tema.

"[Esperamos] que ella asuma, de hecho, el compromiso de respetar la Constitución Federal (CF). Que tenga el coraje de poner para votación la ADC 54, que convoque a los ministros del STF a cumplir su función de respetar la CF, que dice que ningún brasileño puede ser encarcelado sin que sea juzgado en todas las instancias, porque todo mundo tiene presunción de inocencia”, completó.

La ADC 54 fue ingresada por el Partido Comunista de Brasil (PCdoB) en abril de este año. Además de esta, se tramitan en el STF las ADC 43 y 44, con contenido semejante.

(function(i,s,o,g,r,a,m){i['GoogleAnalyticsObject']=r;i[r]=i[r]||function(){ (i[r].q=i[r].q||[]).push(arguments)},i[r].l=1*new Date();a=s.createElement(o), m=s.getElementsByTagName(o)[0];a.async=1;a.src=g;m.parentNode.insertBefore(a,m) })(window,document,'script','//www.google-analytics.com/analytics.js','ga'); ga('create', 'UA-54143594-4', 'auto'); ga('set', 'campaignName', 'FacebookIA'); ga('set', 'campaignSource', 'FacebookInstantArticles'); ga('set', 'campaignMedium', 'social'); ga('send', 'pageview');
Categorias: Brasil de Fato