Brasil de Fato

Divulgar conteúdo
Uma visão popular do Brasil e do mundo
Atualizado: 1 hora 9 minutos atrás

“All the chocolate sold in Brazil today is tainted by child labor”

qua, 05/12/2018 - 20:23
Exploitation Report on Brazil’s major cocoa-producing areas exposes labor and human rights violations Luciana Console | Around 8,000 Brazilian children work in the cocoa production chain, mainly extracting beans for chocolate manufacturing MPT Handout

In 2011, the documentary film The Dark Side of Chocolate by Danish journalist Miki Mistrati exposed how thousands of children from Eastern African countries were forced to work in the cocoa industry for chocolate multinationals. Seven years later, a new research released Friday in Brazil demonstrates how this is a widespread reality facing children on the other side of the Atlantic as well.

At least 8,000 Brazilian children and teenagers currently work in the chocolate production chain, the report commissioned by the International Labor Organization (ILO) and Brazil’s Labor Prosecution Office showed. The survey was conducted in 2017 and 2018.

Brazil is the world’s 7th and Latin America’s 2nd largest cocoa-producing country. The beans are grown in eight Brazilian states, and Pará, a northern state in the Brazilian Amazon, holds a 49.3 percent share of the country's cocoa production.

Brasil de Fato spoke with Marques Casara, one of the researchers who conducted the survey released Friday. He reiterated how important it is to hold industries accountable for violations in their production chains.

Brasil de Fato: How was the process to produce the report?

Marques Casara: The report came about from a cooperation agreement signed between the International Labor Organization and [Brazil’s] Labor Prosecution Office aiming at a number of initiatives toward decent work in production chains, including the cocoa chain. And one of the steps of this agreement was to produce a research.

I was hired by the ILO to conduct the survey because our organization specializes mainly in investigating the social and environmental impacts of production chains, as well as pointing out the higher links of this chain that are responsible for violating rights – as they are often not located where the violation is committed. They are in other states, other countries.

We mapped this chain for a year and pinpointed the links throughout it. Our main finding is that child labor is a common practice at the base of the cocoa production chain. It directly benefits major cocoa processors based in Brazil that are connected with multinational corporations, as well as major food companies that market chocolate.

Another important aspect in the research was finding [evidence of] fraud in sharecropping arrangements, where the farmer keeps half the yield and the owner of the land keeps the other half. What we have found is that this sharecropping process is an excuse to hide practices that violate rights, including slave labor.

The third important thing is that there is an extensive network of middlemen who commit tax fraud and tax evasion and buy cocoa from farmers and then pass it over to big cocoa processors and big mills.

In what sense do multinational companies benefit from child exploitation?

Multinationals in the food and processing industries that manufacture chocolate directly benefit from child labor, because they buy cheaper products when [poor] families put their children to work on the harvesting and early cocoa processing stages, which happen in the property, in the cocoa bean fermentation process.

What mills pay small farmers through middlemen is not enough for them to hire adults to help out with this work. So these farmers put their children to work and sell the cocoa to middlemen, who then hand it over to big companies. This business is absolutely outside the law, because they do not invoice it and comply with tax obligations.

Who should be held responsible for changing this situation?

The first responsibility lies with the cocoa and chocolate multinationals. If you visit these corporations’ websites and see what they claim to do regarding monitoring their production chain, if you look into the practices they claim to adopt, they actually do not adopt them.

The sustainability and social responsibility reports of big multinationals in the food industry claim they do not tolerate slave labor or child labor in their production chains, arguing they have a number of protocols to tackle this issue. However, you can’t pinpoint where they monitor that, there is no data to measure the results or see the history of this monitoring through the production chain. So these reports are presented as facts, but they are actually letters of intent that cannot be proven at all.

What about the government?

The government has responsibility to it, in the sense it has wrecked law enforcement agencies and drastically cut funds for law enforcement operations, and that makes it impossible for labor auditors and authorities to get out of their offices and go to the field to look into work conditions on-site.

There are many places in Brazil today, Ministry of Labor offices, and auditors who don’t even have a computer. They have cars, but don’t have fuel. Sometimes, they don’t even have a car, they have to procure it from another city. So, as I see it, it’s an intentional management structure, which makes it impossible for authorities to follow the issue closely.

Can we say all the chocolate in the market today is tainted by child labor?

All the chocolate sold today in Brazil is tainted by child labor. That I can tell you for sure. Why? They don’t monitor where that cocoa is coming from, so you can’t even tell apart when it’s not exploiting child labor.

The exceptions are some special chocolate brands where buyers do make sure to monitor their production chains, their sourcing process, and whether the properties [they buy from] commit human rights violations. But that is a tiny, tiny part of them.

What stroke me the most was how these families are left uncared-for by the production chain that needs them to earn very substantial profits. A cocoa-producing family is the main actor in this chain and, at the same time, the main victim of a predatory, inhumane process that does not take into consideration people’s fundamental human rights. The situation is very serious.

While the chocolate industry is highly profitable, producing cities have low levels of human development. Why is that?

The cities where middlemen run warehouses collect tens of millions in taxes, while the cities where cocoa is actually produced don’t collect taxes at all. Why? With the middlemen, they don’t invoice operations and carry out fraudulent operations, and their goal is specifically to get the cocoa beans at the lowest possible cost. That’s where you get child labor, slave labor, poor work conditions in the operations these middlemen have to move the cocoa from these cities to where they process it to eventually move it into a productive chain where only big companies profit.

The middleman controls the life and death of these cocoa-producing families. That’s because he serves big cocoa processors and his mission is not helping these families – his mission is to get the cocoa at the lowest possible cost.

It’s a network of middlemen. You have small local middlemen who have their small trucks that take [the cocoa] to a warehouse, or the small farmer who takes it directly to it, and there are dozens in cocoa producing cities. And this small middlemen moves it to a bigger one. In Pará state, they take it to Altamira, and the bigger middleman takes it to big cocoa processors in southern Bahia state, where most of Brazil’s cocoa processing operations are based.

So it’s very convenient for big processors and food companies to have these middlemen. And they are very oppressive from the point of view of the cocoa producing families. There are cases, for example, where small farmers trade cocoa for food.

What’s the message for consumers, companies, and governments?

Maybe big cocoa-producing companies, food companies, and chocolate manufacturers could claim they were not aware of these severe human rights violations in their production chains until last week, but that is not likely anymore. As this survey is out, big processors and chocolate brands have to give a strong answer to solve these unacceptable issues that have been going on in the cocoa and chocolate production chain.

(function(i,s,o,g,r,a,m){i['GoogleAnalyticsObject']=r;i[r]=i[r]||function(){ (i[r].q=i[r].q||[]).push(arguments)},i[r].l=1*new Date();a=s.createElement(o), m=s.getElementsByTagName(o)[0];a.async=1;a.src=g;m.parentNode.insertBefore(a,m) })(window,document,'script','//www.google-analytics.com/analytics.js','ga'); ga('create', 'UA-54143594-4', 'auto'); ga('set', 'campaignName', 'FacebookIA'); ga('set', 'campaignSource', 'FacebookInstantArticles'); ga('set', 'campaignMedium', 'social'); ga('send', 'pageview');
Categorias: Brasil de Fato

Parlamentares reforçam articulação para aprovar no plenário PL que reduz agrotóxicos

qua, 05/12/2018 - 20:22
Agrotóxicos Proposta será alvo agora de uma queda de braço no plenário da Câmara, onde ainda não tem data para votação Cristiane Sampaio | Protesto popular contra "PL do veneno", que se contrapõe à Pnara visa facilitar uso de agrotóxicos no Brasil Mídia Ninja

A aprovação inicial, nessa terça-feira (4), da Política Nacional de Redução de Agrotóxicos (Pnara) na Câmara dos Deputados foi bastante comemorada por parlamentares do campo progressista, especialistas e entidades da sociedade civil organizada.

A matéria foi aprovada por ampla maioria na comissão legislativa que discute a proposta e por meio de votação simbólica – realizada quando a contagem de votos se dá de forma visual, sem uso do painel eletrônico.

O colegiado autorizou, na íntegra, o relatório do deputado Nilto Tatto (PT-SP), que cria condições para a redução dos agrotóxicos no país. Três emendas (sugestões de alteração no texto) que haviam sido propostas por ruralistas foram vencidas.

Caso seja definitivamente aprovada, a Pnara deverá ser implantada por meio de incentivos a projetos agroecológicos, capazes de controlar as pragas com menos dependência de produtos químicos.

Tatto e outros defensores do PL argumentam que tais formas de produção estão em sintonia com um melhor equilíbrio ambiental; o respeito às comunidades tradicionais, constantemente atingidas pelos pesticidas; e a defesa da saúde humana.  

“[O PL] tem esse aspecto de reconhecer os prejuízos que os agrotóxicos têm, e vai no caminho de a gente começar a repensar o modelo de agricultura, pensar políticas propositivas pra incentivar a produção de alimentação sadia”, afirmou o relator, em entrevista ao Brasil de Fato.

Nos bastidores da Câmara, a bancada ruralista, que conta com cerca de 200 parlamentares no Congresso Nacional, tem sustentado que o PL não teria chances de aprovação no plenário, para onde a proposta será encaminhada a partir de agora.

O relator afirma o contrário. Ele destaca que, no início da tramitação do PL, também havia baixa expectativa de aprovação na comissão. Tatto aponta que a viabilidade política do projeto estaria na força de uma nova mobilização coletiva.

“Tenho expectativa de que, na hora em que for pro plenário, a gente possa fazer novamente essa articulação entre a nossa ação aqui no parlamento e na sociedade civil. Eu acredito nisso e a gente vai trabalhar pra isso”, afirma.

O texto do relatório foi produzido a partir de contribuições de movimentos populares, entidades, cientistas e especialistas de diferentes órgãos relacionados à cadeia de controle dos agrotóxicos no Brasil, como Anvisa, Fiocruz, Ministério da Saúde e Embrapa. A participação deles se deu por meio de diferentes audiências públicas no âmbito da comissão.  

Saúde pública

O presidente do colegiado, deputado Alessandro Molon (PSB-RJ), lembrou que o avanço da matéria tem muita relevância para a saúde pública e coletiva. Isso porque os agrotóxicos são associados a diversas doenças, com destaque para o câncer.

Um exemplo comumente utilizado por especialistas é o caso do estado do Rio Grande do Sul, cuja região noroeste lidera o ranking do uso de venenos no país. O dado é do Laboratório de Geografia Agrária da Universidade de São Paulo (USP), que desenvolve estudos sobre o tema e se baseia também em números oficiais do IBGE. Paralelamente, o estado tem a maior taxa de mortalidade por casos de câncer, segundo o Instituto Nacional de Câncer (Inca).

“Todo mundo conhece alguém ou tem um parente que teve um caso de doença grave como o câncer, e os estudos provam que parte desses casos decorre do uso excessivo de agrotóxicos no Brasil. Portanto, é fundamental retirar o veneno do prato de comida dos brasileiros e brasileiras pra proteger a sua saúde, portanto, a sua vida”, afirmou Molon.

Já o deputado Marcon (PT-RS) lembra que, além de contaminarem a água, o ar e os alimentos, os agrotóxicos trazem prejuízos também para o orçamento público.

“Isso estoura no ser humano e, estourando no ser humano, é mais gasto ainda que temos com a saúde, por isso, nesse debate, somos favoráveis à redução do uso de agrotóxicos", disse o parlamentar.

A situação dos pesticidas e herbicidas no Brasil é considerada preocupante pela comunidade nacional e internacional. O país é apontado como o maior consumidor mundial desse tipo de produtos.

De acordo com o Censo Agropecuário 2017, do IBGE, 70,2% dos estabelecimentos rurais utilizam veneno regularmente. O Brasil tem 504 pesticidas liberados para uso e cerca de 30% deles são proibidos União Europeia.  

Sociedade civil

De iniciativa popular, o PL da Pnara (nº 6670/2016) foi protocolado na Câmara dos Deputados em novembro de 2016, pela Campanha Permanente contra os Agrotóxicos e pela Vida, que é composta por diferentes entidades, movimentos populares e especialistas.

Em 2017, após intensa pressão de parlamentares e da sociedade civil e a contragosto da bancada ruralista, foi instalada a comissão legislativa que iria avaliar o projeto.

Para a militante Carla Bueno, integrante da Campanha, a aprovação da medida no colegiado foi importante especialmente porque, caso o PL não fosse avaliado ainda este ano, ele seria arquivado, por conta do final da legislatura parlamentar 2015-2018.

Somente no ano que vem ele poderia ser resgatado e ter uma nova comissão criada, o que dependeria da presidência da Casa, cargo que poderá ser ocupado por algum membro da extrema direita.

O presidente da República recém-eleito, Jair Bolsonaro (PSL), conta com apoio oficial da bancada ruralista para o próximo governo, o que poderia favorecer ainda mais os interesses do grupo e dificultar a tramitação da Pnara.

“Pra nós, foi uma conquista fundamental a aprovação este ano, que possibilitou, de fato, que a gente tenha uma ferramenta pra contrapor o ‘pacote do veneno’, que também deve ir pra votação em plenário em breve”, afirma a militante.

A declaração é uma referência ao PL 6299/2002, articulado por ruralistas, que ganhou esse apelido porque favorece a expansão do uso de agrotóxicos no país por meio de diferentes medidas.

Uma delas é a substituição do termo “agrotóxicos” pela expressão “defensivo fitossanitário”. Críticos apontam que a mudança seria uma forma de burlar a má fama desse tipo de produto e confundir a população, impulsionando o consumo de alimentos com veneno.

Carla Bueno destaca que a oposição entre as propostas da Pnara e do “pacote do veneno” é o símbolo das diferenças entre o interesse popular e o interesse dos setores ruralistas. Ela defende uma maior articulação da sociedade civil, envolvendo igrejas, escolas, universidades, cientistas e outros especialistas, para batalhar pela aprovação final da Pnara.

“Essa é a briga do ano que vem, e nós precisamos acumular forças em poucos meses porque, assim que iniciar a legislatura do próximo ano, é possível que esses projetos sejam colocados já pra votação”, finaliza a militante.

(function(i,s,o,g,r,a,m){i['GoogleAnalyticsObject']=r;i[r]=i[r]||function(){ (i[r].q=i[r].q||[]).push(arguments)},i[r].l=1*new Date();a=s.createElement(o), m=s.getElementsByTagName(o)[0];a.async=1;a.src=g;m.parentNode.insertBefore(a,m) })(window,document,'script','//www.google-analytics.com/analytics.js','ga'); ga('create', 'UA-54143594-4', 'auto'); ga('set', 'campaignName', 'FacebookIA'); ga('set', 'campaignSource', 'FacebookInstantArticles'); ga('set', 'campaignMedium', 'social'); ga('send', 'pageview');
Categorias: Brasil de Fato

Vazamento da Samarco chega a 1.100 dias sem uma solução para os garimpeiros

qua, 05/12/2018 - 19:02
Mariana Após o maior crime ambiental da história brasileira, trabalhadores ficaram sem fonte de renda Juca Guimarães | Bar do Barbosa em Bento Rodrigues (MG) DOUGLAS MAGNO / AFP

O desastre ambiental com o rompimento da barragem de rejeitos de mineração da empresa Samarco, na cidade de Mariana (MG), que aconteceu há mais de 1.100 dias, acabou com a fonte de renda de centenas de trabalhadores que tiravam o sustento de pequenos garimpos às margens da bacia do Rio Doce.

Passados mais de três anos do vazamento, os garimpeiros não receberam nem mesmo a indenização pelos equipamentos perdidos. Em alguns trechos, a área onde ficava o garimpo está soterrada por mais de 50 metros de lama.

“Eles não me deram nada. Não me ajudaram até hoje. Perdi a renda da minha família. Uma ponte foi embora comigo saindo dela. A lama começou a me arrastar. Nasci de novo”, disse o garimpeiro Vanildo da Silva, de 45 anos, um dos milhares de trabalhadores que teve impacto direto com o crime cometido pela empresa pertencente às multinacionais Vale e BHP Billiton. 

No dia do desastre, Vanildo estava trabalhando no garimpo em Ponte do Gama. Um dos companheiros dele, que estava mergulhando no fundo do rio, só sobreviveu porque se segurou em um cipó.

Segundo Vanildo, antes do desastre a renda de um garimpeiro podia chegar a R$ 3.500 por semana com a extração do ouro. Agora é impossível chegar na área da mineração. Todos os equipamentos e o maquinário da equipe dele ficaram soterrados pelos rejeitos da Samarco.

O garimpeiro relembra o desespero que viveu há três anos sem saber o que tinha acontecido com os seus companheiros.

“Eu fui atrás para socorrer. Eles estavam lá, frente a frente com ela [a lama do rejeito] e eu também fiquei. No desespero, uma mãe, de um deles, me ligando perguntando ‘cadê meu filho?’ Eu falava para ela: ‘O que eu posso pedir para você agora é orar, pedir a Deus’. Porque para mim estavam todos mortos”, conta o garimpeiro.

Felizmente, nenhum dos amigos de Vanildo morreu, mas a vida deles teve uma mudança radical sem a indenização ou qualquer ação de reparação.

A Fundação Renova, instituição criada pela Samarco, afirma em seu site que destinou R$ 4,7 bilhões para ações de reparação e compensações. Também diz que já recuperou mil nascentes na bacia do Rio Doce, entre as cinco mil que serão recuperadas em um prazo de dez anos.

Em nota, a Diocese de Colatina (ES) que tem denunciado desde o início os impactos do crime ambiental, afirmou que "o processo de reparação integral acordado entre governos e empresas por meio do termo de ajuste de conduta (TTAC) vem sendo sistematicamente descumprido pela Fundação Renova". 

Ao se completarem 3 anos do rompimento da barragem, no dia 5 de novembro, o Movimento de Atingidos por Barragens (MAB) divulgou nota denunciando que a Fundação Renova registrou apenas 300 mil atingidos, “mais de 1 milhão ficarão sem reconhecimento. 70% das mulheres cadastradas não obtiveram resposta alguma, 17 aldeias, quatro territórios e três povos, um total de 3.540 indígenas atingidos”. “São oito municípios, totalizando 633.373 habitantes abastecidos com água contaminada, a pesca está proibida em toda Bacia e em parte do litoral sem previsão de retorno. Milhares de trabalhadores da rede de pesca estão sem trabalho”, conclui o MAB na denúncia. 

(function(i,s,o,g,r,a,m){i['GoogleAnalyticsObject']=r;i[r]=i[r]||function(){ (i[r].q=i[r].q||[]).push(arguments)},i[r].l=1*new Date();a=s.createElement(o), m=s.getElementsByTagName(o)[0];a.async=1;a.src=g;m.parentNode.insertBefore(a,m) })(window,document,'script','//www.google-analytics.com/analytics.js','ga'); ga('create', 'UA-54143594-4', 'auto'); ga('set', 'campaignName', 'FacebookIA'); ga('set', 'campaignSource', 'FacebookInstantArticles'); ga('set', 'campaignMedium', 'social'); ga('send', 'pageview');
Categorias: Brasil de Fato

Previsão do tempo para quinta-feira (06)

qua, 05/12/2018 - 18:41
Clima Saiba como estará o clima nas cinco regiões do Brasil Rede Nacional de Rádio | Previsão do tempo Karina Ramos | Brasil de Fato

Confira a previsão do tempo com informações do Instituto Nacional de Meteorologia. 

(function(i,s,o,g,r,a,m){i['GoogleAnalyticsObject']=r;i[r]=i[r]||function(){ (i[r].q=i[r].q||[]).push(arguments)},i[r].l=1*new Date();a=s.createElement(o), m=s.getElementsByTagName(o)[0];a.async=1;a.src=g;m.parentNode.insertBefore(a,m) })(window,document,'script','//www.google-analytics.com/analytics.js','ga'); ga('create', 'UA-54143594-4', 'auto'); ga('set', 'campaignName', 'FacebookIA'); ga('set', 'campaignSource', 'FacebookInstantArticles'); ga('set', 'campaignMedium', 'social'); ga('send', 'pageview');
Categorias: Brasil de Fato

Mil mulheres negras se reúnem em Goiás em encontro nacional

qua, 05/12/2018 - 18:14
RESISTÊNCIA Programação do evento discute violência, bem viver e estratégias de enfrentamento ao racismo Larissa Costa | Encontro Estadual de Mulheres Negras de Minas Gerais aconteceu em setembro deste ano Helen Lagares

Mulheres negras de todo o Brasil se encontram de 6 a 9 de dezembro, em Goiânia (GO), em evento marca os 30 anos do primeiro encontro, 1988, em que mulheres do movimento negro se uniram para discutir formas de enfrentar a violência e a opressão que cerca a vida das mulheres.

Eliane Dias, da Rede Afro LGBT e da Rede de Mulheres Negras de Minas Gerais, conta que a realização desse encontro é necessária para fortalecer as organizações de mulheres negras no neste período após a eleição de Jair Bolsonaro (PSL).

“Vai ser a primeira grande mobilização popular pós período eleitoral. Apesar de não ter tido ainda a chegada do novo governo, a gente já sente na pele os efeitos. As mulheres pretas, principalmente, já vivem em ambientes hostis, de ameaça, de perigo, mas de muita resistência. Além disso, a partir do encontro, vamos ter um norte para algumas décadas de luta, vamos sair de lá com estratégias de enfrentamento”, explica.

No estado de Minas Gerais, as mulheres negras se preparam desde o início do ano para participar do evento. São 80 delegadas, entre LBTs (lésbicas, bissexuais e transexuais), quilombolas, religiosas de matriz africana, atingidas por barragem, pesquisadoras e trabalhadoras de políticas públicas. “O grande desejo das nossas mulheres negras mineiras é de que suas questões sejam debatidas, de que ações efetivas se deem no campo das políticas públicas”, Cris Ribeiro, que também é integrante da Rede de Mulheres Negras de Minas Gerais.

A programação conta com feiras, apresentações culturais, oficinas, palestras e rodas de conversa com temas diversos, como saúde, religiosidade afro-brasileira, encarceramento em massa e desafios e perspectivas do movimento de mulheres. A filósofa e escritora Sueli Carneiro, a escritora Conceição Evaristo e filósofa e militante estadunidense Angela Davis têm presenças confirmadas. 
 

(function(i,s,o,g,r,a,m){i['GoogleAnalyticsObject']=r;i[r]=i[r]||function(){ (i[r].q=i[r].q||[]).push(arguments)},i[r].l=1*new Date();a=s.createElement(o), m=s.getElementsByTagName(o)[0];a.async=1;a.src=g;m.parentNode.insertBefore(a,m) })(window,document,'script','//www.google-analytics.com/analytics.js','ga'); ga('create', 'UA-54143594-4', 'auto'); ga('set', 'campaignName', 'FacebookIA'); ga('set', 'campaignSource', 'FacebookInstantArticles'); ga('set', 'campaignMedium', 'social'); ga('send', 'pageview');
Categorias: Brasil de Fato

Relatório aponta violações de direitos humanos e ambientais no Complexo SUAPE

qua, 05/12/2018 - 17:13
Suape Documento desenvolvido pela Plataforma Dhesca será apresentado nesta quinta-feira (06), no auditório da DPU Da Redação | Vista do porto de Suape, em PE Daniela Nader/Divulgação

A Plataforma de Direitos Humanos - Dhesca Brasil e o Fórum Suape – Espaço Socioambiental lançarão nesta quinta-feira (06) o “Relatório Complexos Industriais e Violações de Direitos: o Caso de SUAPE - Complexo Industrial Portuário Governador Eraldo Gueiros”. Realizado durante o primeiro semestre de 2018, a missão da Plataforma Dhesca Brasil identificou uma série de violações aos direitos humanos e ambientais nos municípios do Cabo Santo Agostinho e Ipojuca causadas pelo Complexo de SUAPE. 
No documento que será lançado, é apresentado um panorama da situação das populações locais, bem como das licenças e estudos ambientais das empresas que estão em operação no megaempreendimento. A publicação aponta recomendações para órgãos públicos, entidades de classe e para a sociedade civil, a fim de regularizar as licenças ambientais, de garantir estudos de impactos ambientais completos e de acabar com as violações dos direitos das pessoas que vivem na região.
O documento será apresentado no auditório da Defensoria Pública da União (DPU), que fica localizada na Av. Manoel Borba, 640, no bairro da Boa Vista, em Recife. 
 

(function(i,s,o,g,r,a,m){i['GoogleAnalyticsObject']=r;i[r]=i[r]||function(){ (i[r].q=i[r].q||[]).push(arguments)},i[r].l=1*new Date();a=s.createElement(o), m=s.getElementsByTagName(o)[0];a.async=1;a.src=g;m.parentNode.insertBefore(a,m) })(window,document,'script','//www.google-analytics.com/analytics.js','ga'); ga('create', 'UA-54143594-4', 'auto'); ga('set', 'campaignName', 'FacebookIA'); ga('set', 'campaignSource', 'FacebookInstantArticles'); ga('set', 'campaignMedium', 'social'); ga('send', 'pageview');
Categorias: Brasil de Fato

Relação entre democracia e Internet é foco do No Jardim da Política nesta quinta (6)

qua, 05/12/2018 - 17:01
Sintonize Próxima edição do programa também aborda literatura periférica e vai ao ar às 14h na Rádio Brasil de Fato Redação | Poeta Sérgio Vaz e professor Sérgio Amadeu são os entrevistados da 15° edição do programa Montagem/BdF

A relação entre a Internet e a democracia, discutida nos últimos meses em especial pelas eleições gerais de 2018, é tema da próxima edição do programa No Jardim da Política que vai ao ar nesta quinta-feira (06), às 14h, na Rádio Brasil de Fato.

O professor da Universidade Federal do ABC (UFABC) e representante do setor acadêmico no Comitê Gestor da Internet no Brasil (CGI), Sérgio Amadeu, estará nos estúdios da rádio em São Paulo (SP) para debater sobre a democratização do acesso aos meios digitais de comunicação no país, a influência das redes sociais nas eleições e as perspectivas para o governo de Jair Bolsonaro (PSL).

Amadeu, que é doutor em Ciência Política e pesquisador de redes digitais, também falará sobre a proteção dos dados pessoais dos usuários e comentará como está o tramite de projetos relacionados às redes e ao direito de acesso à informação no Congresso Nacional.

A edição também transmite um bate-papo com o poeta e fundador da Cooperativa Cultural da Periferia (Cooperifa), Sérgio Vaz. No próximo dia 11, o mineiro completa 30 anos de produção literária e fala ao programa sobre a evolução de seu trabalho, as inspirações na literatura e o papel que cumpre na divulgação de obras de autores negros e periféricos. 

>> Confira a íntegra das edições anteriores do programa No Jardim da Política <<

O programa ainda traz detalhes sobre a aprovação da Política Nacional de Redução de Agrotóxicos (PNaRA) na comissão especial da Câmara dos Deputados na noite desta terça (04); além de atualizações sobre o caso do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que teve o julgamento de pedido de habeas corpus adiado no Supremo Tribunal Federal (STF).

É possível acompanhar o No Jardim da Política na Rádio Brasil de Fato pelo site ou pelo aplicativo do BdF disponível no Google Play. O programa tem duração de 1h30 e também será transmitido no Facebook

(function(i,s,o,g,r,a,m){i['GoogleAnalyticsObject']=r;i[r]=i[r]||function(){ (i[r].q=i[r].q||[]).push(arguments)},i[r].l=1*new Date();a=s.createElement(o), m=s.getElementsByTagName(o)[0];a.async=1;a.src=g;m.parentNode.insertBefore(a,m) })(window,document,'script','//www.google-analytics.com/analytics.js','ga'); ga('create', 'UA-54143594-4', 'auto'); ga('set', 'campaignName', 'FacebookIA'); ga('set', 'campaignSource', 'FacebookInstantArticles'); ga('set', 'campaignMedium', 'social'); ga('send', 'pageview');
Categorias: Brasil de Fato

Todo chocolate a la venta en Brasil está contaminado por trabajo infantil

qua, 05/12/2018 - 16:51
EXPLOTACIÓN Una investigación en los principales polos productores de cacao en Brasil denuncia superexplotación de la mano de obra Luciana Console | Cerca de 8.000 niños brasileños trabajan en la producción de cacao, principalmente sacando las semillas para la fabricación del chocolate Divulgación MPT

El documental El lado oscuro del chocolate, producido por el periodista danés Miki Mistrati en 2011, denunció al mundo que miles de niños de países de África Occidental trabajaban en la producción de cacao, abasteciendo a las multinacionales del chocolate. Siete años después, una investigación divulgada el viernes último (30), en Brasilia (DF), deja en evidencia que esa realidad está en muchos más países de lo que se imagina.

Por lo menos 8.000 niños y adolescentes brasileños trabajan en la cadena productiva del chocolate, según un informe encomendado por la Organización Internacional del Trabajo (OIT) y por el Ministerio Público del Trabajo (MPT), entre 2017 y 2018.

:: Asista al documental presentado en la audiencia pública, con la síntesis de las denuncias ::

Brasil es el séptimo mayor productor de cacao en el mundo y el segundo de América Latina. La semilla se cultiva en ocho estados, y Pará, en la región Norte del país, es responsable por 49,3% del volumen total.

Brasil de Fato conversó con uno de los realizadores de la investigación, Marques Casara, que reforzó la necesidad de que las industrias se responsabilicen.

Brasil de Fato: ¿Cómo fue el proceso de producción del informe?

Marques Casara: El informe nació a partir de un acuerdo de cooperación firmado entre la Organización Internacional del Trabajo y el Ministerio Público del Trabajo, para una serie de iniciativas destinadas al trabajo decente en algunas cadenas productivas, entre ellas, la cadena del cacao. Y una de las etapas de este acuerdo de cooperación era la realización de una investigación.

Fui contratado por la OIT para realizar la investigación porque la principal especialidad de nuestra organización es estudiar impactos sociales y ambientales en cadenas productivas y establecer responsabilidades por violaciones de derechos también para los eslabones superiores de esas cadenas – que muchas veces no están en el lugar donde ocurre la violación. Están en otros estados, en otros países.

A partir de esta necesidad de hacer la investigación, trabajamos durante un año en el mapeo de la cadena y en la identificación de los eslabones que la componen. Y la conclusión principal del estudio es que la práctica de trabajo infantil es recurrente en la base de la cadena productiva del cacao. Ella beneficia directamente a grandes procesadoras de cacao con sede en Brasil, vinculadas a las empresas multinacionales y también a las principales industrias de alimentos que comercializan el chocolate.

Otra cuestión importante de la investigación fue identificar fraudes en los procesos de intermediación, en los que mitad de la producción de una propiedad quedaría con el agricultor y mitad con el dueño de la tierra. Lo que identificamos es que ese proceso de intermediación es usado como mecanismo para esconder prácticas de violaciones de derechos, inclusive trabajo esclavo.

El tercer punto importante es que hay una extensa red de intermediarios que utilizan fraudes fiscales, evasión de impuestos y compran ese cacao de los agricultores para, posteriormente, entregarlo a las grandes procesadoras de cacao, a los grandes molinos.

¿En qué sentido se benefician las multinacionales de esa explotación infantil?

Las multinacionales del sector de alimentos y de procesamiento de cacao para fabricación del chocolate se benefician directamente del trabajo infantil porque ellas consiguen un producto más barato cuando las familias usan a sus hijos en las etapas de cosecha y de la primera transformación del cacao, que se hace en la propia tierra, en la propiedad, que es la fermentación.

El precio que pagan los molinos, vía intermediarios, no permite que el agricultor pueda contratar el servicio de una persona adulta para ayudar en esa actividad. Entonces, esos agricultores colocan a sus hijos y entregan el cacao a intermediarios que posteriormente lo venden a grandes empresas. Ese negocio está totalmente al margen de la legislación, porque se hace sin facturas y sin ninguna actuación que cumpla con las obligaciones fiscales.

¿Quién tiene la responsabilidad de cambiar esa situación?

La primera responsabilidad es de las multinacionales del cacao y del chocolate. Porque si usted investiga en los sitios web de estas corporaciones lo que ellas dicen que hacen con relación al monitoreo de la cadena productiva, si usted fuera a verificar las prácticas que ellas dicen adoptar, vería que de hecho no las adoptan. Porque los informes de sustentabilidad y responsabilidad social de las grandes multinacionales del sector de alimentos dicen que ellas no admiten trabajo esclavo o trabajo infantil en sus cadenas productivas y que ellas hacen o adoptan una serie de protocolos para enfrentar esta cuestión.

Con todo, no hay cómo identificar en qué regiones se hace este monitoreo, no hay datos que permitan medir los resultados o datos que permitan acompañar históricamente el avance en el monitoreo de esta cadena productiva. Entonces, son informes que se presentan como hechos, pero que en la verdad son cartas de intenciones sin ninguna posibilidad de comprobación.

¿Y el gobierno federal?

Existe una responsabilidad del gobierno federal, en la medida en que desmanteló los órganos de fiscalización o cortó brutalmente los recursos utilizados en las operaciones de fiscalización – que no permiten que los fiscales, que los auditores del trabajo salgan de sus oficinas y verifiquen cuales son las condiciones de trabajo en el campo. Existen hoy, en diversos lugares de Brasil, oficinas del Ministerio de Trabajo o auditores que no tienen siquiera computadores. Ellos tienen carro, pero no tienen combustible. A veces, no tienen ni carro propio, necesita venir de otra ciudad. Entonces, es una estructura de gestión intencional, en mi entendimiento, que inviabiliza un acompañamiento más próximo de las autoridades.

¿Podemos afirmar que todo chocolate en el mercado está contaminado con trabajo infantil?

Todo chocolate a la venta hoy en Brasil está contaminado por trabajo infantil. Esa afirmación puedo hacerla de forma categórica. ¿Por qué? Como no hay monitoreo de origen de este cacao, incluso el cacao que no fue producido por mano de obra infantil es indistinguible.

Las excepciones quedan por cuenta de determinadas marcas de chocolates especiales donde los compradores hacen hincapié, ahí si, de monitorear las cadenas productivas, los procesos de compra, y verificar si en la propiedad no está habiendo violaciones de derechos. Pero eso representa una parte muy pequeña, casi insignificante.

Lo que más me impresionó fue la situación de abandono de esas familias por parte de la cadena productiva que precisa de ellas para obtener ganancias bastante significativas. La familia productora de cacao es el principal actor en esta cadena y, al mismo tempo, es la principal víctima de un proceso predatorio, inhumano, y que no toma en cuenta los derechos fundamentales de las personas. La situación es muy grave.

A pesar de que la industria del chocolate ha sido altamente lucrativa, los municipios productores presentan bajos índices de desarrollo humano. ¿Por qué acontece eso?

Del municipio donde están los almacenes, controlados por los intermediarios, la recaudación de impuestos es de decenas de millones. En las ciudades donde efectivamente se produce el cacao, no se recauda nada. ¿Por qué? Con la figura del intermediario, ocurren operaciones sin factura legal, operaciones fraudulentas, que buscan específicamente extraer el cacao al menor precio posible. Y ahí entra la cuestión del trabajo infantil, del trabajo esclavo, de condiciones degradantes y de las operaciones hechas por esos intermediarios para sacar el cacao de esas ciudades, llevarlo a donde se procesa y, a partir de ahí, entrar en una cadena productiva que acaba generando ganancias apenas para las grandes empresas.

El intermediario tiene control sobre la vida y sobre la muerte de esas familias que producen el cacao. Eso porque está al servicio de las grandes procesadoras de cacao y su misión no es ayudar a esas familias. Su misión es obtener el cacao por el menor valor posible. Y es una red de intermediarios. Hay pequeños intermediarios locales, que tienen ahí su camioncito que lo lleva a un almacén, o el agricultor lo entrega directamente en ese almacén, hay decenas en los municipios productores. Y ese pequeño intermediario entrega a uno mayor. En el caso de Pará, entrega en Altamira, y ese intermediario mayor entrega a las grandes procesadoras de cacao, en el sur de Bahia, donde se concentra gran parte del procesamiento de cacao en el país.

Entonces, la figura del intermediario es muy conveniente para las grandes procesadoras y para las grandes empresas del sector de alimentos. Y es muy opresivo del punto de vista de las familias que producen. Hay casos, por ejemplo, en que el agricultor cambia el cacao por comida.

¿Qué mensaje queda para consumidores, empresas y gobiernos?

Si hasta la semana pasada las grandes empresas de cacao y de alimentos y de fabricación de chocolate podían decir que desconocían la existencia de violaciones graves de derechos humanos en sus cadenas productivas, eso ya no se puede ver más como algo factible. Desde la divulgación de esta investigación, las grandes procesadoras y las grandes marcas de chocolate necesitan dar una respuesta contundente para sanear estas cuestiones inaceptables que ocurren en la cadena productiva del cacao y del chocolate.

(function(i,s,o,g,r,a,m){i['GoogleAnalyticsObject']=r;i[r]=i[r]||function(){ (i[r].q=i[r].q||[]).push(arguments)},i[r].l=1*new Date();a=s.createElement(o), m=s.getElementsByTagName(o)[0];a.async=1;a.src=g;m.parentNode.insertBefore(a,m) })(window,document,'script','//www.google-analytics.com/analytics.js','ga'); ga('create', 'UA-54143594-4', 'auto'); ga('set', 'campaignName', 'FacebookIA'); ga('set', 'campaignSource', 'FacebookInstantArticles'); ga('set', 'campaignMedium', 'social'); ga('send', 'pageview');
Categorias: Brasil de Fato

Música e vida real: quando o verso virou agressão

qua, 05/12/2018 - 16:12
MACHISMO Leia depoimentos de quem viveu na pele o que é cantado em músicas bem populares Rafaella Dotta | Para psicóloga as música acaba sendo um reforço do machismo Reprodução

Ai, que delícia ouvir um sertanejão no volume bem alto e dançar coladinha com alguém. Mas imagina se, por um passe de mágica, as músicas virassem realidade? Mulheres passaram por situações semelhantes a algumas letras e não foi tão bom assim. Confira algumas histórias.
 “Ciúme não, excesso de cuidado / Repara não se eu não sair do seu lado”
A assistente de coordenação de uma escola, Viviane Simões, viveu a música “Ciumento Eu” com seu primeiro namorado. O namoro acabou pelo excesso de ciúmes do rapaz, coisa que Henrique & Diego cantam como “excesso de cuidado”. E dizem mais: "Tem uma câmera no canto do seu quarto / Um gravador de som dentro do carro / E não me leve a mal se eu destravar seu celular com sua digital (...) É tudo por amor”, diz a música, que tem 23 milhões de visualizações no Youtube.
Tal qual a letra, o ex-namorado procurava vigiar Viviane de diversas formas. Ele chegou a mandar mensagens pelo seu perfil no Facebook e excluir pessoas de quem tivesse ciúmes. O auge foi uma crise em que ele esmurrou a porta do banheiro na casa dos pais de Viviane, querendo saber com quem ela falava ao telefone.
“Tá doido que eu vou fazer propaganda de você”
E quem não conhece a clássica “Propaganda”, de Jorge e Mateus? Jogue a primeira pedra se você não cantou a plenos pulmões “Tá doido que eu vou / Fazer propaganda de você / Isso não é medo de te perder, amor / É pavor, é pavor”. Quem viveu esses versos foi Neliane Macedo, mãe de três filhos e que acabou de sair do casamento. Seu ex-marido cantava a música para justificar o que falava dela aos amigos e parentes, de “burra” a outros xingamentos, durante 7 anos.
“Desde o momento que ele escutou essa música, sentava no sofá e dedicava a mim. E realmente era algo que ele vivia. Falava mal de mim para os amigos pra ‘ninguém crescer o olho’”, conta Neliane. A relação foi piorando e ela foi proibida de usar determinadas roupas, vivia só em casa e chegou a perder 12 quilos em três meses por tristeza, conta. 
A letra também marcou o mais triste capítulo e o fim do casamento. “Um dia antes ele estava sentado no sofá cantando essa música, todo bonitinho, e no outro dia simplesmente ateou fogo na casa com dois dos meus filhos dentro. E romantizou tudo aquilo, dizendo que foi por amor, quando a gente sabe que não é”, desabafa. 
Outras pedradas
As músicas que podem prejudicar as mulheres não param por aqui. O ciúme exagerado, a agressão e a ameaça para ter relação sexual estão em milhares de letras. A “Vidinha de Balada” de Henrique & Juliano, não se importa com a resposta da mulher: “Vai namorar comigo, sim”, manda. “A Mala É Falsa” de Felipe Araújo relata uma ameaça para ter sexo: “Agora vê se aprende a dar valor / Mata minha sede de fazer amor".
Um projeto feito por brasileiras reúne outras composições sertanejas, mas também sambas, rocks, bossas novas e funks que rebaixam a mulher. O site Música Machista Popular Brasileira mmpb.com.br mostra que machismo não tem tipo musical preferido. Na opinião do site, músicas como essa “deveriam incomodar muito mais”.      

Violência contra mulher, não é o mundo que a gente quer!
Um terço das mulheres do planeta já foi violentada? O número é da Organização das Nações Unidas (ONU), que também levantou que 49 países não têm leis para impedir a agressão doméstica. Dia 25 de novembro foi o Dia Internacional pela Eliminação da Violência Contra a Mulher.    

Psicóloga analisa influência de músicas
A professora da Faculdade de Ciências Médicas Claudia Natividade opina que as músicas interferem sim nos relacionamentos amorosos. As atitudes humanas são construídas a partir do que aprendemos com o mundo e, para a psicóloga, as músicas funcionam como um incentivo, uma repetição da história que se quer. A música acaba sendo um reforço “bem-humorado” do machismo.
“O ritmo faz toda a diferença. Se a gente for ler a letra vai achar uma coisa abusiva, controladora. O ritmo faz com que a letra seja alegre, humorada, criando uma melhor entrada para esse tipo de mensagem na sociedade”, explica. 

(function(i,s,o,g,r,a,m){i['GoogleAnalyticsObject']=r;i[r]=i[r]||function(){ (i[r].q=i[r].q||[]).push(arguments)},i[r].l=1*new Date();a=s.createElement(o), m=s.getElementsByTagName(o)[0];a.async=1;a.src=g;m.parentNode.insertBefore(a,m) })(window,document,'script','//www.google-analytics.com/analytics.js','ga'); ga('create', 'UA-54143594-4', 'auto'); ga('set', 'campaignName', 'FacebookIA'); ga('set', 'campaignSource', 'FacebookInstantArticles'); ga('set', 'campaignMedium', 'social'); ga('send', 'pageview');
Categorias: Brasil de Fato

Calendário de Lutas 2019 é definido para Servidores Públicos Federais de Pernambuco

qua, 05/12/2018 - 16:00
MOBILIZAÇÃO Atividades como o acordo coletivo de trabalho já estão programadas Da Redação | Atividades até fevereiro, como o Encontro Nacional dos Empregados da Ebserh, já vem sendo organizadas SINDSEP PE

O Sindsep-PE definiu um calendário de lutas até fevereiro para a categoria. O objetivo é mobilizar a categoria contra o governo de extrema direita de Bolsonaro e evitar perdas de direitos no processo de transição com o governo Temer. Em dezembro, dias 7 e 8, haverá o encontro Nacional dos Empregados da Ebserh, para debater o acordo coletivo de trabalho 2019/2020.

Em fevereiro, haverá o Encontro de Comunicação da Condsf/Fenadsef e a Reunião do Conselho Deliberativo de Entidades da Condsef/Fenadsef, onde será avaliada as ações da categoria e a definição do próximo calendário de lutas. 

(function(i,s,o,g,r,a,m){i['GoogleAnalyticsObject']=r;i[r]=i[r]||function(){ (i[r].q=i[r].q||[]).push(arguments)},i[r].l=1*new Date();a=s.createElement(o), m=s.getElementsByTagName(o)[0];a.async=1;a.src=g;m.parentNode.insertBefore(a,m) })(window,document,'script','//www.google-analytics.com/analytics.js','ga'); ga('create', 'UA-54143594-4', 'auto'); ga('set', 'campaignName', 'FacebookIA'); ga('set', 'campaignSource', 'FacebookInstantArticles'); ga('set', 'campaignMedium', 'social'); ga('send', 'pageview');
Categorias: Brasil de Fato

Hortas urbanas garantem alimentos saudáveis, seguros e baratos

qua, 05/12/2018 - 16:00
AGRICULTURA Em Petrolina, a horta comunitária da escola Otacílio Nunes aproxima consumidores da produção de alimentos orgânicos Vanessa Gonzaga | Reginaldo Corrêa trabalha há quase 30 anos na horta Vanessa Gonzaga

Um dos principais pontos de referência do bairro Areia Branca, em Petrolina, é a Escola de Referência em Ensino Médio Otácilio Nunes de Souza. No coração do bairro, a escola já foi até Escola Técnica Federal de Pernambuco (ETFPE), que lançou as bases para a criação do Instituto Federal na cidade. Não é apenas pela referência em educação no ensino médio que a escola é conhecida. Nos fundos das salas de aula, desde o início da década de 1980, funciona num espaço de cerca de 0,5 hectares uma horta urbana.
Reginaldo Corrêa, chamado pelos colegas de trabalho e clientes de Galego, trabalha na horta há mais de 30 anos. Desde criança ele aprendeu a trabalhar com a agricultura, já que sua mãe também trabalhava numa horta comunitária no bairro Gercino Coelho. “Meu pai morreu quando eu tinha 5 anos, aí ela foi trabalhar na horta e levava os maiores junto, pra irem aprendendo. Ela criou nós 5 com o dinheiro desse trabalho”. Ele planta as mesmas variedades que aprendeu a lidar com a mãe. Cebolinha, alface, coentro, manjericão, beterraba, espinafre e mais outras folhagens, todas orgânicas, que garantem o seu sustento e o da sua família.
Cerca de 30 pessoas trabalham na “Horta do Otacílio”, apelidada pelos moradores do bairro e regiões vizinhas. Homens e mulheres cultivam hortaliças, frutas, tubérculos e plantas medicinais. Uma das vantagens em relação às feiras livres da cidade é o contato direto da clientela com os agricultores e agricultoras, o que também impacta no preço, garantindo produtos mais baratos, seguros e saudáveis do que os produzidos com agrotóxicos. Além disso, a horta funciona todos os dias das 6h da manhã às 18h, exceto nas tardes de domingo, ao contrário das feiras, que acontecem em um turno uma vez por semana.
Daniel Santos trabalha há mais de 10 anos na horta. Aos 16 anos ele passou a trabalhar para ajudar a família. Daniel já tentou trabalhar em outros empregos, mas sempre volta pra horta, porque “o retorno financeiro é certo e aqui a gente sabe quanto tira por mês”. Essa é uma questão coletiva para os produtores, que deixaram outros empregos para trabalhar para si mesmos. Todos trabalham no mínimo há 10 anos no local e nem mesmo nos períodos de seca a produção para, o que garante a estabilidade financeira das famílias. Por mês, a renda total da horta é de cerca de 10 salários mínimos, pelos cálculos da associação de produtores. Mesmo com tanto tempo de existência, os agricultores não têm nenhum tipo de incentivo à produção ou acesso aos programas de fomento a agricultura. A gestão da escola cede o terreno e paga a água utilizada, tendo em troca a garantia de que a área não vai ficar abandonada e improdutiva, como era antes da criação da horta.
“Se eu tivesse minha própria terra ia ser melhor, mas aqui a gente já está na cidade, não precisa pagar pra trazer as coisas. Nossa vantagem é essa aqui, estar direto com o consumidor”, explica Daniel, que tem um número fixo de clientes há anos.
Mesmo sem apoio de órgãos governamentais, a feira resiste cumprindo um papel importante de produzir alimentos saudáveis e com preços acessíveis, o que democratiza o acesso à alimentação de qualidade para as camadas populares e ajuda a criar um vínculo entre produtores e consumidores, garantindo que os clientes conheçam o trajeto do alimento, da terra à mesa. Mesmo com as vantagens envolvidas na produção urbana, o que ajuda a assegurar a produção é mesmo o amor pelo trabalho, garante Reginaldo.

(function(i,s,o,g,r,a,m){i['GoogleAnalyticsObject']=r;i[r]=i[r]||function(){ (i[r].q=i[r].q||[]).push(arguments)},i[r].l=1*new Date();a=s.createElement(o), m=s.getElementsByTagName(o)[0];a.async=1;a.src=g;m.parentNode.insertBefore(a,m) })(window,document,'script','//www.google-analytics.com/analytics.js','ga'); ga('create', 'UA-54143594-4', 'auto'); ga('set', 'campaignName', 'FacebookIA'); ga('set', 'campaignSource', 'FacebookInstantArticles'); ga('set', 'campaignMedium', 'social'); ga('send', 'pageview');
Categorias: Brasil de Fato

Presidentes latino-americanos sinalizam possível retomada da integração regional

qua, 05/12/2018 - 15:30
PROGRESSISTAS Chegada à presidência de López Obrador, no México, provocou reações positivas entre alguns presidentes vizinhos Fania Rodrigues | Nicolás Maduro, Díaz-Canel e Evo Morales assistem à posse de AMLO e falam em retomada de integração Twitter

A chegada de Andrés Manuel López Obrador (AMLO) à presidência do México abre caminho para a retomada de políticas de integração regional praticadas por governos de esquerda e progressistas da América Latina. Isso é o que apontam algumas reações de presidentes que estiveram presentes na posse do novo presidente mexicano, no último sábado (1), na Cidade do México. 

O presidente da Bolívia, Evo Morales, falou em "estreitar laços de integração". "Em nome de todo o povo boliviano, quero agradecer às grandes demonstrações de carinho do povo e das autoridades mexicanas. Nos une a história de resistência de nossos povos indígenas e agora esperamos seguir estreitando os laços da integração", escreveu o mandatário em sua conta no Twitter.

Em outra publicação, nessa mesma rede social, Evo também escreveu: "A irmandade latino-americana se fortalece com a inauguração de um governo de esquerda que marca o fim do neoliberalismo [no México]", expressou.

Já o presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, que ao chegar ao palácio de governo mexicano foi aplaudido pelo público da Praça da Constituição, mais conhecida como Zócalo, destacou a retomada da política exterior do México. "López Obrador hoje escreve uma página brilhante da história de nossos povos que lutam pela autodeterminação e a unidade latino-americana", disse Maduro em suas redes sociais.

Momento da posse

Como novo mandatário mexicano, López Obrador sinalizou que terá uma maior proximidade com os vizinhos latinos. Em seu discurso de posse, no Congresso Nacional, ele citou heróis libertadores da América Latina, como o venezuelano Simón Bolívar, o cubano José Martí e o mexicano Benito Juárez. "O México não deixará de pensar em Simón Bolívar e José Martí, que junto com Benito Juárez, seguem guiando, com seus exemplos de patriotismo, o caminho a ser seguido por povos e dirigentes políticos".

No momento dos cumprimentos, AMLO se referiu ao presidente boliviano como "amigo Evo Morales". Também fez uma distinção em relação a Cuba. Ao cumprimentar Miguel Díaz-Canel, disse: “Presidente da irmã República de Cuba”. E o cantor cubano Silvio Rodríguez, presente na posse, foi declarado pelo mexicano como "embaixador da poesia".

Em sua conta no Twitter, Díaz-Canel destacou a disposição de Cuba em "estreitar laços" com o México. "Afetuoso encontro com o presidente do México, López Obrador e sua esposa. Cuba e México são povos irmãos. Nossos governos compartilham a vontade de estreitar ainda mais as relações de amizade e de cooperação".

Miguel Díaz-Canel (à esquerda), com sua esposa, posa para foto oficial com López Obrador e a primeira-dama mexicana | Foto: Governo do México

(function(i,s,o,g,r,a,m){i['GoogleAnalyticsObject']=r;i[r]=i[r]||function(){ (i[r].q=i[r].q||[]).push(arguments)},i[r].l=1*new Date();a=s.createElement(o), m=s.getElementsByTagName(o)[0];a.async=1;a.src=g;m.parentNode.insertBefore(a,m) })(window,document,'script','//www.google-analytics.com/analytics.js','ga'); ga('create', 'UA-54143594-4', 'auto'); ga('set', 'campaignName', 'FacebookIA'); ga('set', 'campaignSource', 'FacebookInstantArticles'); ga('set', 'campaignMedium', 'social'); ga('send', 'pageview');
Categorias: Brasil de Fato

Caminhos da produção agroecológica se encontram na Feira Cícero Guedes, no Rio

qua, 05/12/2018 - 15:27
REFORMA AGRÁRIA Nos dias 10, 11 e 12 de dezembro, o Largo da Carioca vai expor 150 toneladas de alimentos dos assentamentos do MST Clívia Mesquita | Feira Estadual da Reforma Agrária Cícero Guedes prioriza conservação ambiental e do solo na produção de alimentos saudáveis Pablo Vergara

Este ano, a Feira Estadual da Reforma Agrária Cícero Guedes chega a sua 10ª edição, que acontece no mesmo local desde 2009, no Largo da Carioca, no centro do Rio de Janeiro, entre dias 10, 11 e 12 de dezembro. A expectativa é que sejam comercializadas mais de 150 toneladas de alimentos agroecológicos durante os três dias do evento, que promete ser ainda maior que os anos anteriores.

Os alimentos in natura e produtos da agroindústria vem de cooperativas, associações e grupos coletivos de trabalho dos assentamentos e acampamentos do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) de diversas regiões de dentro e fora do estado. 

Na região da Baixada Fluminense, a produção vem de dois assentamentos e um acampamento: o Terra Prometida, localizado entre Duque de Caxias e Nova Iguaçu, o Campo Alegre, que está entre Nova Iguaçu e Queimados, e o acampamento Marli Pereira da Silva, situado entre Paracambi e Japeri.

O coordenador regional do MST na Baixada, Leo China, destaca a conservação ambiental e do solo como parâmetros de trabalho. Todos os alimentos levados para a Feira são produzidos de maneira orgânica ou agroecológica, sem nenhum tipo de veneno ou química em seus componentes.

“Da Baixada para Feira, hoje em dia, a maior produção tem sido aipim, produtos beneficiados da chaya e fitoterápicos. Também algumas diversidades como abóbora, berinjela e jiló, muita horticultura como couve, alface e outras”,explica.

Cada acampamento ou assentamento do MST tem sua própria coordenação responsável pela lista de produção, balanço das quantidades e preços. Ainda segundo Leo, os coletivos se articulam de maneira independente para levar os alimentos até as feiras menores e mais próximas. Mas para um grande evento de comercialização, como se consolidou a Feira Cícero Guedes, é preciso organização coletiva.

“Assim temos levado produtos de pessoas que não eram de nenhum coletivo, mas que se inserem para participar da Feira e às vezes até ficam”, analisa o coordenador regional. Depois da produção organizada e separada para a feira, um caminhão sai da Baixada Fluminense e faz o transporte dos alimentos até o Largo da Carioca.

Amanda Matheus é assentada na região Sul Fluminense e faz parte da direção do MST no Rio de Janeiro. Nessa região está articula a produção dos assentamentos Roseli Nunes, Terra da Paz, Vida Nova e Irmã Dorothy, nos municípios de Piraí, Barra do Piraí e Quatis, com aproximadamente 140 famílias.

A experiência em diversas frentes de comercialização tem sido fundamental para o diálogo entre campo e cidade sobre produção de alimentos saudáveis e, sobretudo, agroecológicos, conta Amanda. O Sul Fluminense se organiza através do coletivo Alaíde Reis, e vai trazer cerca de 20 produtores para Feira Cícero Guedes.

“A produção de alimentos saudáveis, trabalho cooperado, saúde e educação são algumas das pautas que o MST considera como extremamente importantes para garantir uma vida digna e de qualidade do povo do campo e da cidade na construção da Reforma Agrária Popular”, acrescenta Amanda. 

Os assentados trabalham de maneira diversificada na terra, o que constrói uma enorme diversidade de produtos. Entre eles,  hortaliças, legumes, batata-doce, doce, milho, queijos, ovos, pães, bolos, artesanato, fitoterápicos e frutíferas em geral.

Atualmente a região tem algumas frentes de entrega de produção, como as Cestas da Reforma Agrária em parceria com o Sindicato Estadual dos Profissionais de Educação Núcleo de Volta Redonda (SEPE), Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro (UFRRJ) e o Espaço de Comercialização Terra Crioula, na Lapa, no Rio de Janeiro. Além de fazer entregas para o Armazém do Campo e a Rede Ecológica também na cidade do Rio.

(function(i,s,o,g,r,a,m){i['GoogleAnalyticsObject']=r;i[r]=i[r]||function(){ (i[r].q=i[r].q||[]).push(arguments)},i[r].l=1*new Date();a=s.createElement(o), m=s.getElementsByTagName(o)[0];a.async=1;a.src=g;m.parentNode.insertBefore(a,m) })(window,document,'script','//www.google-analytics.com/analytics.js','ga'); ga('create', 'UA-54143594-4', 'auto'); ga('set', 'campaignName', 'FacebookIA'); ga('set', 'campaignSource', 'FacebookInstantArticles'); ga('set', 'campaignMedium', 'social'); ga('send', 'pageview');
Categorias: Brasil de Fato

Ideologia e médicos

qua, 05/12/2018 - 14:01
EDITORIAL Fica o exemplo: a medicina pode estar ao alcance de todos Redação Minas Gerais | Bolsonaro parece mais preocupado com sua ideologia do que com os interesses nacionais Vitor Teixeira

O presidente eleito, Jair Bolsonaro afirmou, durante campanha eleitoral, que as relações do Brasil com outros países não teriam “viés ideológico”. Antes mesmo de assumir, estremeceu a relação com a China, o maior parceiro comercial do Brasil; causou ira nos países árabes, os maiores compradores da carne de frango brasileira, por anunciar mudança da embaixada do Brasil de Tel Aviv para o lado israelense de Jerusalém; se distanciou dos países do Mercosul, inclusive a Argentina, segundo principal destino das exportações nacionais; e forçou a ruptura com Cuba, que disponibilizava 8.553 médicos nas regiões mais carentes do Brasil.

No caso da presença dos médicos cubanos no Brasil, através do Programa Mais Médicos (PMM), importante lembrar que, por cinco anos, 20 mil médicos atenderam a 113,4 milhões de brasileiros em mais de 3.600 municípios. Mais de 700 cidades tiveram médico pela primeira vez na sua história graças ao programa. Somente em Minas Gerais, com o fim da cooperação com Cuba, 597 médicos deixarão o estado e 286 municípios perderão profissionais, sendo que 33% desses ficarão sem nenhum médico em seus Centros de Saúde.

286 municípios de Minas Gerais perderão médicos

Segundo pesquisa feita pela UFMG, 95% das pessoas atendidas avaliaram como “ótimo” ou “bom” o trabalho desses profissionais. Eram médicos formados para atuar em Postos de Saúde, capacitados na especialidade equivalente à Medicina de Família de Comunidade no Brasil. E sua principal herança para o Brasil será o exemplo: as favelas, as áreas indígenas e quilombolas, o sertão e a Amazônia podem ter médicos. E a medicina pode estar ao alcance de todos.

O mais provável é que os municípios mais distantes dos grandes centros, as áreas indígenas e quilombolas e até mesmo as vilas e favelas das grandes cidades tenham dificuldades de encontrar médicos para preencher as vagas dos médicos cubanos. E, os que entrarem no programa, provavelmente não permanecerão por muito tempo, considerando que 30% dos médicos brasileiros saem do Programa Mais Médicos antes do primeiro ano de trabalho.

Na prática, Bolsonaro parece mais preocupado com sua ideologia do que com os interesses nacionais. Que o povo brasileiro esteja atento e organizado para que os devaneios do futuro presidente não piorem a vida dos mais pobres e dos trabalhadores.

(function(i,s,o,g,r,a,m){i['GoogleAnalyticsObject']=r;i[r]=i[r]||function(){ (i[r].q=i[r].q||[]).push(arguments)},i[r].l=1*new Date();a=s.createElement(o), m=s.getElementsByTagName(o)[0];a.async=1;a.src=g;m.parentNode.insertBefore(a,m) })(window,document,'script','//www.google-analytics.com/analytics.js','ga'); ga('create', 'UA-54143594-4', 'auto'); ga('set', 'campaignName', 'FacebookIA'); ga('set', 'campaignSource', 'FacebookInstantArticles'); ga('set', 'campaignMedium', 'social'); ga('send', 'pageview');
Categorias: Brasil de Fato

TSE da Bolívia libera Evo para disputar primárias das eleições presidenciais de 2019

qua, 05/12/2018 - 13:41
AMÉRICA LATINA No ano passado, o Tribunal Pleno Constitucional do país já havia habilitado o atual presidente a disputar quarto mandato Redação | TSE da Bolívia liberou Evo para disputar eleições primárias de janeiro ABI

O Tribunal Supremo Eleitoral (TSE) da Bolívia autorizou no final da noite dessa terça-feira (04) a candidatura do atual presidente do país, Evo Morales, e do vice, Álvaro García Linera, às eleições primárias que acontecem no dia 27 de janeiro de 2019. Isso, na prática, representa que Evo deve concorrer nas eleições gerais de outubro, já que seu partido, o Movimento ao Socialismo (MAS), somente lançou uma chapa às primárias.

No ano passado, o Tribunal Pleno Constitucional (TCP) do país já havia habilitado Evo a disputar um quarto mandato. A ação, proposta por uma senadora do MAS, partido de Morales, foi julgada procedente e liberou, também, deputados e governadores a tentarem a reeleição.

Em um referendo realizado no fim de fevereiro, o governo propôs uma emenda à Constituição boliviana para permitir a segunda reeleição presidencial no país. A campanha entre o "sim" à emenda, promovida pelo governo, e o "não", promovida pela oposição com amplo apoio da imprensa, foi acirrada, assim como o resultado final: o "não" venceu com 51,3% dos votos contra 48,7% para o "sim".

A regra que limita as reeleições foi feita enquanto Morales já ocupava seu primeiro mandato e, como a lei não pode retroagir, a contagem do número máximo de reeleições começou a partir da eleição seguinte, que deu direito ao presidente de exercer seu segundo mandato.

Candidato na eleição seguinte, Evo foi reeleito para um terceiro mandato e pedia à Justiça que derrubasse o limite para que pudesse ter a possibilidade de se candidatar novamente.

Eleições primárias

O TSE autorizou mais sete chapas, além da de Evo, a concorrerem nas primárias. Assim como o MAS, outros partidos também só apresentaram uma chapa para esta etapa.

Concorrerão em janeiro, além de Evo e Linera, o Partido Ação Nacional Boliviana (PAN-BOL), com Ruth Nina para presidente e Leopoldo Richard Chui, vice; o Movimento do Terceiro Sistema (MTS), com Félix Patzy Paco e Lucila Mendieta Pérez; o Movimento Nacionalista Revolucionário (MNR), com Virginio Lema e Fernando Untoja; a Comunidade Cidadã (CC), com Carlos Mesa e Gustavo Pedraza; a Unidade Cívica Solidariedade (UCS), com Víctor Hugo Cárdenas e Erick Peinado; o Bolívia diz Não ao 21F, com Oscar Ortíz e Edwin Rodríguez; além do Partido Democrata Cristão (PDC), com Jaime Paz Zamora y Paola Barriga.

É a primeira vez que o país realiza eleições primárias, nos moldes do que acontece em países como Argentina e Estados Unidos.

(function(i,s,o,g,r,a,m){i['GoogleAnalyticsObject']=r;i[r]=i[r]||function(){ (i[r].q=i[r].q||[]).push(arguments)},i[r].l=1*new Date();a=s.createElement(o), m=s.getElementsByTagName(o)[0];a.async=1;a.src=g;m.parentNode.insertBefore(a,m) })(window,document,'script','//www.google-analytics.com/analytics.js','ga'); ga('create', 'UA-54143594-4', 'auto'); ga('set', 'campaignName', 'FacebookIA'); ga('set', 'campaignSource', 'FacebookInstantArticles'); ga('set', 'campaignMedium', 'social'); ga('send', 'pageview');
Categorias: Brasil de Fato

Festas de largo movimentam Salvador no último mês do ano

qua, 05/12/2018 - 11:28
RELIGIOSIDADE Santa Bárbara, Iansã e Nossa Senhora da Conceição da Praia são reverenciadas pelos soteropolitanos neste período Jamile Araújo | Todas essas festas levam milhares de pessoas às ruas de lugares históricos. Tatiana Azeviche/Setur

Chegado o mês de dezembro, a população soteropolitana inicia a agenda de manifestações religiosas e populares, as chamadas “festas de largo”. Iniciando pelo dia 4 de dezembro, dia de Santa Bárbara, padroeira dos Bombeiros, e dia de Iansã, orixá dos ventos e das tempestades. Esta festa começa com uma queima de fogos às cinco da manhã, seguida de uma missa campal no Largo do Pelourinho, procissão, oferenda de caruru e distribuição de acarajé. São pontos de parada da procissão, o Quartel do Corpo de Bombeiros e o Mercado de Santa Barbara, também localizados no Centro Histórico.
Já no dia 8 de dezembro, temos as festividades de Nossa Senhora da Conceição da Praia, padroeira da Bahia. Os festejos duram mais de quatro séculos, datam do período da fundação da cidade de Salvador, em 1549, quando foi construída ainda enquanto uma capela, por desejo do então governador do Brasil, Thomé de Souza. O festejo conta com novenas, procissão, missas e festa no largo do Mercado Modelo, no Comércio.
No mês de janeiro, acontece a lavagem do Bonfim, com o cortejo que sai da Igreja da Conceição da Praia até a Colina Sagrada, no bairro do Bonfim, formando um tapete branco de milhares de pessoas numa caminhada de oito quilômetros, para agradecer, reafirmar a fé e reverenciar o Senhor do Bonfim na Igreja Católica e o orixá Oxalá no candomblé e na umbanda. Banho de folhas, lavagem das escadarias, as famosas fitas coloridas do Senhor do Bonfim amarradas nos pulsos ou no gradil da Basílica, distribuição de mungunzá são algumas das marcas desta festa.
Todas essas festas levam milhares de pessoas às ruas e carregam uma característica do povo soteropolitano: a convivência entre catolicismo e religiões de matriz africanas como forma de resistência histórica e cultural. Sem contar na mistura entre “sagrado” e “profano”, visto que após as manifestações religiosas de agradecimento e pedidos, há programações musicais, venda de bebidas e comidas. Modificam a cidade e envolvem a população na sua construção, nas cores, nas danças, nos aromas, na fé. Até mesmo nas que não são feriado municipal, Salvador para e recebe as graças e bençãos.


Distribuição de acarajé: fé e agradecimento
Lu de Oyá Nereji, da Ilê Axé Oya Nereji Acorô Omim, que teve sua vida mudada após participar de uma festa de Santa Bárbara anos atrás, conta sobre o poder de transformação que a fé teve em sua vida. Foi em um quatro de dezembro, na procissão, que sentiu a necessidade de seguir no candomblé.
Há cinco anos Lu distribui acarajé na festa de rua, como forma de agradecimento a Iansã. Ela prepara e frita os “bolinhos de fogo” de “comer” - tradução de acarajé [acará + ajé] em Iorubá - na madrugada e, logo cedo, se arruma para seguir para o Pelourinho. “A distribuição começou com um balaio pequeno, nos outros anos fui aumentando, e meus filhos de santo começaram a chegar e me ajudar. Sempre que eu distribuo o acarajé de Iansã no Pelourinho, volto ao início de tudo. E volto mais fortalecida”.
Lu de Oyá diz ainda que oferece o balaio para Oxum para agradecer no dia oito de dezembro; e no mês de janeiro, no Bonfim, distribui mungunzá na porta da Igreja. “Peço misericórdia e que o manto sagrado dele caia sobre as pessoas, sobre a Bahia, o Brasil e o mundo, para nos trazer paz, porque Oxalá é paz. E eu peço a Oxalá que aquele milho branco leve paz a cada coração que pegue aquele copo”, finaliza.

(function(i,s,o,g,r,a,m){i['GoogleAnalyticsObject']=r;i[r]=i[r]||function(){ (i[r].q=i[r].q||[]).push(arguments)},i[r].l=1*new Date();a=s.createElement(o), m=s.getElementsByTagName(o)[0];a.async=1;a.src=g;m.parentNode.insertBefore(a,m) })(window,document,'script','//www.google-analytics.com/analytics.js','ga'); ga('create', 'UA-54143594-4', 'auto'); ga('set', 'campaignName', 'FacebookIA'); ga('set', 'campaignSource', 'FacebookInstantArticles'); ga('set', 'campaignMedium', 'social'); ga('send', 'pageview');
Categorias: Brasil de Fato

Confira a edição desta quarta-feira (5) da Rede Lula Livre

qua, 05/12/2018 - 11:23
RÁDIO Nossa programação vai ao ar de segunda a sexta-feira, das 9h45 às 10h, na Rádio Brasil de Fato e emissoras parceiras Redação | Apoiadores de Lula na Vigília Lula Livre, acompanham o julgamento do pedido de liberdade para o ex-presidente Lula Ricardo Stuckert

Na edição desta quarta-feira (5) da Rede Lula Livre, você confere todos os detalhes do julgamento do pedido de liberdade para Lula apresentado por sua defesa, e a repercussão do resultado. O novo despacho feito pelo ministro Lewandovski, autorizando o ex-presidente Lula a dar entrevistas, e a carta de Lula para o congresso mundial da Confederação Sindical Internacional também são destaques na Rede Lula Livre.

Você pode ouvir a Rede Lula Lula Livre ao vivo de segunda à sexta-feira, das 9h45 às 10h, na Rádio Brasil de Fato e emissoras parceiras.

(function(i,s,o,g,r,a,m){i['GoogleAnalyticsObject']=r;i[r]=i[r]||function(){ (i[r].q=i[r].q||[]).push(arguments)},i[r].l=1*new Date();a=s.createElement(o), m=s.getElementsByTagName(o)[0];a.async=1;a.src=g;m.parentNode.insertBefore(a,m) })(window,document,'script','//www.google-analytics.com/analytics.js','ga'); ga('create', 'UA-54143594-4', 'auto'); ga('set', 'campaignName', 'FacebookIA'); ga('set', 'campaignSource', 'FacebookInstantArticles'); ga('set', 'campaignMedium', 'social'); ga('send', 'pageview');
Categorias: Brasil de Fato

Médica que vaiou cubanos em 2013 será a responsável pelo programa federal

qua, 05/12/2018 - 11:18
Mais Médicos "Mais Médicos nunca foi solução sequer razoável para problemas que motivaram sua criação", publicou no Facebook Redação | Médica protagonizou a cena de preconceito contra médicos cubanos, na chegada dos profissionais a Fortaleza, em 2013 Foto: Reprodução Internet

A atual presidente do Sindicato dos Médicos do Ceará, a pediatra Mayra Pinheiro, filiada ao PSDB, aceitou o convite na última terça-feira (4), para assumir o cargo de secretária de Gestão do Trabalho e da Educação na Saúde (STGES) do Ministério da Saúde - responsável pelo Programa Mais Médicos, além de políticas públicas de gestão da área e formação de profissionais no país.

Conhecida pela posição contrária ao Mais Médicos, Mayra Pinheiro foi uma das que participou da manifestação que recepcionou com vaias e xingamentos os médicos cubanos na chegada a Fortaleza, em 2013, para trabalhar no programa.

"O programa Mais Médicos não é e nunca foi uma solução sequer razoável para solucionar os problemas que motivaram sua criação. E o desfecho de agora deixa claro que a saúde da população brasileira não era a motivação da iniciativa. Trata-se de uma tentativa de retaliação, porque quiseram passar o atendimento primário de saúde para Cuba. E agora Cuba quer tentar desarticular o atendimento da população. Os médicos brasileiros não vão permitir", escreveu a pediatra no Facebook em 15 de novembro, após Cuba anunciar que deixaria a iniciativa.

A pediatra disse que o convite é técnico, "não tem ligações políticas" e afirmou que o futuro ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, conhece sua atuação. Professora universitária, ela justificou ser capaz de estar no cargo pelo conhecimento científico.

Candidata ao Senado pelo PSDB nas últimas eleições, ela foi indicada da frente parlamentar da Medicina, da qual Mandetta é o líder.

Segundo ela, a correção de “distorções” do Mais Médicos será um dos focos de sua atuação. A legislação do programa federal contempla a formação médica, o ensino nas universidades, especialização de profissionais e o Programa de Valorização do Profissional da Atenção Básica (Provab).

Escravos: quem?

Logo após o anúncio do fim do convênio entre Cuba e o Brasil, a pediatra lançou pelo sindicato o programa "médicos por amor". A iniciativa é buscar doutores voluntários para atuar, no Ceará, nas cidades onde existiam profissionais cubanos.

Até o dia 25 de novembro, teriam sido recrutados 211 brasileiros para atender nesses municípios.

(function(i,s,o,g,r,a,m){i['GoogleAnalyticsObject']=r;i[r]=i[r]||function(){ (i[r].q=i[r].q||[]).push(arguments)},i[r].l=1*new Date();a=s.createElement(o), m=s.getElementsByTagName(o)[0];a.async=1;a.src=g;m.parentNode.insertBefore(a,m) })(window,document,'script','//www.google-analytics.com/analytics.js','ga'); ga('create', 'UA-54143594-4', 'auto'); ga('set', 'campaignName', 'FacebookIA'); ga('set', 'campaignSource', 'FacebookInstantArticles'); ga('set', 'campaignMedium', 'social'); ga('send', 'pageview');
Categorias: Brasil de Fato

Greve dos canavieiros de Pernambuco recebe apoio internacional

qua, 05/12/2018 - 11:11
MOBILIZAÇÃO No terceiro dia, avaliação dos profissionais é de manter a paralisação das atividades por tempo indeterminado Da Redação | Os 80 mil canavieiros de todo o estado estão paralisados desde a última segunda (03) ASCOM FETAEPE

Os canavieiros e canavieiras de Pernambuco entram hoje no terceiro dia de greve. A reinvindicação da categoria é que sejam mantidos na Convenção Coletiva de Trabalho os direitos historicamente conquistados e que estão em ameaça. Ontem (04), a Federação dos Trabalhadores e Trabalhadoras Assalariados Rurais do Estado de Pernambuco (FETAEPE) recebeu a cópia de uma carta aberta da União Internacional das Associações de Trabalhadores Alimentícios, Agrícolas, Hoteleiros, Restauradores, Tabaco e Afins (UITA) aos empresários do Setor Sucroalcooleiro do estado, pedindo que eles revisem seu posicionamento e retomem o diálogo com os trabalhadores, buscando uma saída que beneficie a todos. O texto diz ainda que a instituição permanecerá acompanhando a situação, e que estará pronta para tomar, caso necessário, as medidas pertinentes, em nível nacional e internacional.

Ainda na terça (04) a FETAEPE se reuniu para fazer uma avaliação da paralisação, que será mantida até que os empresários voltem atrás na proposta de retirada das horas in itinere, que é tempo gasto pelo empregado na ida e volta até o local de trabalho. Dados levantados pela FETAEPE indicam que há cerca de 80 mil canavieiros/as no estado, entre safristas e trabalhadores efetivados. Com a retirada das horas in intinere, o canavieiro terá uma perda de 20% do salário.

A decisão sobre a greve foi tomada na quinta-feira (29), após 13 rodadas de negociação da 39ª Campanha Salarial da Categoria. O encaminhamento ocorreu porque os patrões propuseram a retirada das horas in itinere e informaram que qualquer outro avanço na pauta só ocorreria se houvesse a renúncia a esse direito.  As negociações da 39ª Campanha Salarial da Categoria, coordenadas pela FETAEPE e Sindicatos da Zona da Mata, com o apoio da FETAPE e das centrais sindicais CTB e CUT, começaram no dia 9 de outubro.

(function(i,s,o,g,r,a,m){i['GoogleAnalyticsObject']=r;i[r]=i[r]||function(){ (i[r].q=i[r].q||[]).push(arguments)},i[r].l=1*new Date();a=s.createElement(o), m=s.getElementsByTagName(o)[0];a.async=1;a.src=g;m.parentNode.insertBefore(a,m) })(window,document,'script','//www.google-analytics.com/analytics.js','ga'); ga('create', 'UA-54143594-4', 'auto'); ga('set', 'campaignName', 'FacebookIA'); ga('set', 'campaignSource', 'FacebookInstantArticles'); ga('set', 'campaignMedium', 'social'); ga('send', 'pageview');
Categorias: Brasil de Fato