Brasil de Fato

Divulgar conteúdo
Uma visão popular do Brasil e do mundo
Atualizado: 48 minutos 7 segundos atrás

Em São Paulo, manifestantes participaram de ato em apoio à candidatura de Lula

qua, 15/08/2018 - 20:45
Mobilização Mobilização, em frente ao Tribunal Regional Eleitoral (TRE), ocorreu simultaneamente ao ato em Brasília Júlia Rohden | Organizado pela Frente Brasil Popular, manifestação na capital paulista teve faixas em defesa do ex-presidente Júlia Rohden

Paralelamente ao ato nacional realizado próximo ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE), em Brasília, que reuniu cerca de 50 mil pessoas para acompanhar o registro da candidatura de Luiz Inácio Lula da Silva à Presidência, manifestantes se reuniram em frente ao Tribunal Regional Eleitoral (TRE) de São Paulo.

O ato em São Paulo, organizado pela Frente Brasil Popular, ocorreu por volta das 17h desta quarta-feira (15), data limite para o registro de candidaturas ao pleito 2018.

De acordo com Antonio Pedro Souza, integrante da Frente Brasil Popular, o objetivo foi reunir apoiadores do ex-presidente que não puderam ir até Brasília.

A aposentada Sebastiana Toledo é uma das que reforçaram o ato em São Paulo. "O governo dele [Lula] mudou bastante as nossas vidas, porque ele é do lado do pobre e esse que está aí [Michel Temer] é do lado do rico. Por isso, esse povo está aqui. Eu queria poder estar em Brasilia, como não posso estou aqui", explica. 

Liciane Andrioli, da coordenação do Movimento dos Atingidos por Barragens (MAB), afirma que o ato é para denunciar a prisão política de Lula e lembra que ele segue em primeiro lugar nas pesquisas de intenção de voto.

Para Andrioli, a Marcha Nacional Lula Livre, que reuniu cerca de cinco mil trabalhadores rurais num trajeto de mais de 50 km até Brasília, tem importância histórica. "Foi muito importante a organização da Marcha, pelo Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) e pela Via Campesina, para marcar essa data que é histórica no nosso país. Nunca, na história do Brasil, tivemos um candidato preso que gerasse todo esse processo de mobilização e de luta para garantir o registro de sua candidatura", afirma. 

(function(i,s,o,g,r,a,m){i['GoogleAnalyticsObject']=r;i[r]=i[r]||function(){ (i[r].q=i[r].q||[]).push(arguments)},i[r].l=1*new Date();a=s.createElement(o), m=s.getElementsByTagName(o)[0];a.async=1;a.src=g;m.parentNode.insertBefore(a,m) })(window,document,'script','//www.google-analytics.com/analytics.js','ga'); ga('create', 'UA-54143594-4', 'auto'); ga('set', 'campaignName', 'FacebookIA'); ga('set', 'campaignSource', 'FacebookInstantArticles'); ga('set', 'campaignMedium', 'social'); ga('send', 'pageview');
Categorias: Brasil de Fato

Para entender por qué Lula puede participar en las elecciones de octubre

qua, 15/08/2018 - 20:19
JUSTICIA ELECTORAL En 2016, 145 candidatos a alcaldías disputaron elecciones procesados; cerca de 70% de ellos revirtieron la desestimación Katia Guimarães | Después del Tribunal Superior Electoral, la cuestión de Lula puede ser llevada al Supremo Tribunal Federal Lula Marques/Agencia PT

A pesar de la presión para que el Tribunal Superior Electoral (TSE) acelere el proceso de juzgamiento de un posible pedido de impugnación de la candidatura del ex presidente Luiz Inácio Lula de Silva, la Justicia Electoral tiene plazos legales a cumplir y, en última instancia, la palabra final es del Supremo Tribunal Federal (STF). En las elecciones de 2016, 145 candidatos se inscribieron y participaron en las elecciones estando enjuiciados, finalizado el proceso electoral, 70% de ellos consiguieron revertir la desestimación de sus candidaturas.

El Partido de los Trabajadores inscribe la candidatura de Lula este miércoles (15) en el TSE, realizando un gran acto político en Brasilia. Tres columnas reunieron 5 mil integrantes del Movimiento de Trabajadores Sin Tierra (MST), que se encontraron en la capital federal con miembros de diversos movimientos sociales y líderes políticos en defensa de la libertad del ex presidente y de su derecho a ser candidato. La expectativa es reunir hasta 30 mil seguidores de Lula. Con la intención de sensibilizar al Poder Judicial, siete militantes están en huelga de hambre hace 15 días.

Para el abogado Fernando Amaral, especialista en Derecho Electoral, la previsión del tránsito en juzgado y la presunción de inocencia, previstos en la Constitución Federal, tienen prevalencia sobre los dispositivos contenidos en la Ley de Ficha Limpia, principalmente porque los recursos relativos a la condena en el caso del triplex de Guarujá (SP) aún no se agotaron. “El hecho que me parece evidente, en el caso del presidente Lula y en el caso de las otras elecciones, es que la cláusula constitucional, que define la pérdida de los derechos políticos e impide candidaturas, es una cláusula que exige agotar todas las instancias del juicio. No es el caso del presidente Lula”, afirma.

Según Amaral, al mismo tiempo que existe el entendimiento de que la decisión en segundo grado vuelve al candidato inelegible por ocho años, también es verdad que al no haberse agotado todas las instancias, se abre la posibilidad de revertir la situación jurídica. “Si es verdad que la Justicia Electoral juzgó y aplicó la Ley de Ficha Limpia, también existe otro precedente”, dice. “Vamos a suponer que el proceso del presidente Lula fuera juzgado por algunas de las instancias en ese momento y tuviese algún tipo de reversión, eso no es imposible que suceda.  ¿Qué vamos a hacer? ¿Vamos sacar a un candidato escogido con base en qué?”, indaga.

Según Amaral, la posibilidad de que la Justicia Electoral desestime de oficio o inclusive rápidamente el pedido de inscripción de la candidatura de Lula irá manchar el proceso electoral. “El Poder Judicial tiene que tener mucha responsabilidad en el juzgamiento de ese pedido de inscripción del presidente Lula porque no puede en ese caso tener un tratamiento absolutamente diverso de la tradición de la jurisprudencia que existe”, afirma al defender que la Justicia Electoral, inclusive, leve en consideración las pruebas de inocencia presentadas por los abogados de Lula en relación al caso triplex. “Cualquier posibilidad para hacer de oficio, como acelerar, me parece absolutamente arriesgado para el proceso democrático”, completa.

Al hacer críticas al activismo del Poder Judicial, el abogado va más allá y defiende que soberanía popular, una vez que Lula está en primer lugar disparado en las encuestas de intención de voto, sea tomada en cuenta. “Tenemos un problema objetivo en el proceso judicial brasileño, que es ese activismo que absolutamente notable en los últimos años. El Poder Judicial, desgraciadamente, se ha posicionado en varios momentos, antes de que el caso concreto llegue para análisis de los jueces, de los magistrados, eso además de ser peligroso, en la teoría del buen derecho lastima la ecuanimidad de los jueces”, afirma.

“Quien tiene que decidir quien gobernará es el pueblo, aquel que la Constitución determina quien va a escoger quien va a gobernar por los próximos años es el voto. Sin permitir ese debate, queda evidente que el presidente fue impedido del derecho de postular a su candidatura”, añade. Fernando Amaral enfatiza además que el STF tiene el deber de enfrentar esa cuestión “independientemente de la cuestión jurídica”. “Si el presidente Lula va a segunda vuelta eso tiene un significado importante […], no da para decir que la población no sabe lo que sucedió, la población juzgó y ahí ¿nosotros no vamos a discutir en ningún momento la soberanía popular?”, cuestiona.

Por más que el TSE sea ágil, conforme parecer jurídico encomendado por el PT, inclusive cumpliendo los plazos mínimos, la decisión más rápida posible ocurriría hacia la mitad de la campaña, cerca de 25 días después de la inscripción.

Los alcaldes que estaban siendo procesados, en las últimas elecciones fueron electos sin que siquiera hubiera decisión sobre sus candidaturas. Hubo casos en que la Corte demoró 150 días para valorar. Con base en esos datos, el PT pretende llevar la candidatura del ex presidente Lula adelante, inclusive porque sus derechos políticos no están casados, lo que está garantizado por la Constitución. Vale recordar que, inclusive durante el proceso de juzgamiento de la impugnación, el puede hacer campaña y, a partir de la inscripción, Lula puede participar en debates y conceder entrevistas.

En caso de que el TSE decida impedir que Lula participe sobre la base de la Ley de Ficha Limpia, el líder petista todavía tiene el derecho de apelar al STF, pero el partido tendrá una encrucijada por delante, pues la legislación electoral determina el 17 de septiembre, como el plazo final para el cambio de candidatos a la Presidencia. Hasta esa fecha el partido tendrá que escoger entre sustituir a Lula o apelar. En la segunda hipótesis, existe oportunidad legal de que el nombre del ex mandatario, líder en las encuestas, figure en las urnas electrónicas, incluso preso. En caso de victoria, un dispositivo previsto en la Ficha Limpia asegura este derecho hasta la posesión del candidato electo. Y esa debe ser la opción de Lula y del PT.

(function(i,s,o,g,r,a,m){i['GoogleAnalyticsObject']=r;i[r]=i[r]||function(){ (i[r].q=i[r].q||[]).push(arguments)},i[r].l=1*new Date();a=s.createElement(o), m=s.getElementsByTagName(o)[0];a.async=1;a.src=g;m.parentNode.insertBefore(a,m) })(window,document,'script','//www.google-analytics.com/analytics.js','ga'); ga('create', 'UA-54143594-4', 'auto'); ga('set', 'campaignName', 'FacebookIA'); ga('set', 'campaignSource', 'FacebookInstantArticles'); ga('set', 'campaignMedium', 'social'); ga('send', 'pageview');
Categorias: Brasil de Fato

Após Interpol "condenar" Moro, Lava Jato leva mais duas derrotas no STF

qua, 15/08/2018 - 19:42
Desmoralização Supremo determina que denúncias baseadas apenas em delações premiadas não podem mais ser recebidas Juliana Gonçalves | Juristas questionam a competência de Moro nos processos da Operação Lava Jato Lula Marques/AGPT

Dez dias depois de Sérgio Moro ser desmoralizado pela Interpol, que constatou conduta parcial do juiz à frente da Operação Lava Jato e indícios de que ele feriu a Declaração Universal dos Direitos Humanos, o juiz de primeira instância acaba de sofrer mais duas derrotas.

Na última terça-feira (14), a Segunda Turma do Superior Tribunal Federal (STF) decidiu retirar das mãos de Moro os depoimentos de seis delatores da Odebrecht, que tentavam incriminar o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) e o ex-ministro Guido Mantega (PT).

O advogado Yuri Felix, membro do Instituto Brasileiro de Ciências Criminais (IBCcrim) e professor de processo penal, comenta que, há tempos, juristas fazem questionamentos sobre a competência de Moro, juiz de primeira instância, conduzir os processos da Lava Jato. 

"Isso é motivo de lamentação, porque já deveria ter sido feito faz tempo. Não somente os processos que citam o ex-presidente [Lula], mas ao que tange toda ou grande parte da Operação Lava Jato, que não é da competência do juiz Sérgio Moro. Não vou entrar em questões de imparcialidade ou arbitrariedade, mas, para mim, o juiz de Curitiba é flagrantemente incompetente no que tange à imensa maioria dos processos relacionados a Operação Lava Jato", declara Felix.

Delação premiada

Outra derrota de Moro, votada no mesmo dia pelo STF, diz respeito à tese levantada pelo ministro Dias Toffoli e recebeu o apoio de Gilmar Mendes e Ricardo Lewandowski. Agora, segundo entendimento do Supremo, uma denúncia baseada apenas em delação premiada não pode ser recebida. Ou seja, se houver apenas os depoimentos dos delatores, um inquérito não pode ser transformado em ação penal e, portanto, deve ser arquivado. As delações foram as grandes ferramentas usadas por Moro durante a Lava Jato.

Rafael Borges, advogado criminalista e conselheiro da Ordem dos Advogados do Rio de Janeiro, considera a decisão "absolutamente correta". "A fala do delator não pode nunca, jamais, em tempo algum, ser considerada isoladamente como prova de prática criminosa", alerta. 

Borges ressalta que o Supremo está seguindo apenas o que a lei brasileira já prevê. O advogado cita a Lei 12.850, de 2013, sobre organização criminosa, que, em seu artigo quarto, parágrafo dezesseis afirma: "Nenhuma sentença condenatória será proferida com fundamento apenas nas declarações de agente colaborador".

"O que o Supremo está dizendo é o seguinte: se eu não posso condenar apenas com base na palavra do agente colaborador, não faz sentido que eu inicie um processo só com base na palavra desse agente colaborador", esclarece o criminalista 

Em consonância com o que traz Borges, Felix do IBCCRIM pontua ainda que o processo penal democrático estabelece que, para uma acusação penal, é preciso superar dúvidas e ter elementos concretos. "A boa técnica processual penal aponta que a delação, a colaboração premiada, não é uma prova. É um meio de obtenção de prova, uma mera delação não pode subsidiar o recebimento de uma denúncia, a boa técnica processual diz isso", pondera.

Por fim, o conselheiro da OAB/RJ alerta ainda como a decisão dialoga com a presunção de inocência:"essa decisão do Supremo, além de refletir a legislação ordinária aplicável sobre o tema das delações, é reflexo da garantia constitucional de presunção de inocência".

Ele explica que a presunção de inocência não pode ser desconstruída apenas com a fala de um terceiro, já que essa garantia faz parte do texto constitucional.

Interpol

A conduta de Moro, de acordo com a Interpol, lançou dúvidas sobre a existência de um julgamento justo contra o ex-funcionário da Odebrecht, Rodrigo Tacla Duran, que tinha sido incluído na lista de procurados internacionais.

O Comitê de Controle de Arquivos da Interpol apontou violação de leis e normas do Direito internacional, reconhecidas pelo Brasil. Entre as evidências apresentadas à Interpol estão as reiteradas decisões de Moro de negar que Duran seja incluído como testemunha de defesa de Lula. 

Outra evidência foi a entrevista de Moro ao programa Roda Viva, da TV Cultura, em março de 2018. Nela, o magistrado fala abertamente sobre o processo, o que violaria regras éticas da magistratura.

(function(i,s,o,g,r,a,m){i['GoogleAnalyticsObject']=r;i[r]=i[r]||function(){ (i[r].q=i[r].q||[]).push(arguments)},i[r].l=1*new Date();a=s.createElement(o), m=s.getElementsByTagName(o)[0];a.async=1;a.src=g;m.parentNode.insertBefore(a,m) })(window,document,'script','//www.google-analytics.com/analytics.js','ga'); ga('create', 'UA-54143594-4', 'auto'); ga('set', 'campaignName', 'FacebookIA'); ga('set', 'campaignSource', 'FacebookInstantArticles'); ga('set', 'campaignMedium', 'social'); ga('send', 'pageview');
Categorias: Brasil de Fato

Impugnação automática de candidatura não tem previsão legal

qua, 15/08/2018 - 19:16
Eleições Rosa Weber defendeu possibilidade ao assumir a presidência do TSE; para juristas, medida fere a "inércia da Justiça" Rafael Tatemoto | Impugnação de ofício pela Justiça tem previsão somente em resolução do próprio TSE Carlos Humberto/SCO/STF

Ao assumir a presidência do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) nesta quarta-feira (15), a ministra Rosa Weber afirmou que, nos processos de registro de candidatura, se não houver contestação, a Justiça Eleitoral poderia declarar “de ofício”, ou seja, automaticamente, a impugnação de um candidato. 

Weber se referia à Resolução 23.548, publicada pelo TSE em 18 de dezembro de 2017. Em seu artigo 51, a Resolução prevê a possibilidade de o Tribunal Eleitoral indeferir um registro, "ainda que não tenha havido impugnação", quando o candidato for "inelegível ou não atender a qualquer das condições de elegibilidade". Contudo, o documento estabelece que, mesmo nestas condições, o candidato deve ser ouvido antes de qualquer decisão do relator do processo.

A Lei Eleitoral, por outro lado, prevê apenas que candidatos, coligações e partidos adversários, além do Ministério Público Eleitoral, poderiam apresentar ação de contestação. 

Renato Ribeiro, advogado e professor de direito eleitoral, entende que, nesses casos, deve prevalecer o princípio da “inércia da Justiça”. Ou seja, o Poder Judiciário só deveria agir após ser provocado pelas partes. Assim, em sua opinião, deve haver manifestação contrária da Promotoria ou dos adversários para que haja impugnação.

“A Justiça Eleitoral, a partir do registro de candidatura, dá oportunidade de cinco dias para que ofereçam uma ação de impugnação. O candidato tem sete dias para se defender. Logo em seguida, vai-se proferir uma sentença. Existe um processo legal”, esclarece. 

Caso Lula

No caso do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, há poucas possibilidades de que não haja contestação por algum de seus adversários, o que afastará a discussão sobre a validade da Resolução do TSE.

Caso a candidatura de Lula seja impugnada, o petista tem direito de permanecer na disputa eleitoral até o fim de todos os recursos, podendo participar dos atos de campanha, incluindo horário eleitoral gratuito e debates presidenciais. É o que defende Fernando Neisser, advogado eleitoral que representa o ex-presidente. 

Neisser explica que, com base no artigo 16 da Lei Eleitoral brasileira, Lula continuará a rotina como candidato, mesmo se impugnado, "até o trânsito em julgado do processo de registro de candidatura, ou seja, vai se discutir isso no TSE, vai ter embargos de declaração no TSE, vai se subir para o Supremo [Tribunal Federal]. É a literalidade da Lei”.

Registro

Nesta terça-feira (15), cerca de 50 mil pessoas se concentraram em Brasília para protocolar o registro da candidatura do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva à presidência da República pelo Partido dos Trabalhadores (PT)

Uma comissão foi a responsável por entregar o pedido de registro junto à Justiça Eleitoral, liderada pela senadora Gleisi Hoffmann, a ex-presidenta da República Dilma Rousseff, Fernando Haddad, atual candidato a vice da chapa de Lula, e Manuela D´Ávila, parceira da coligação e deputada estadual do Partido Comunista do Brasil (PCdoB-RS).

(function(i,s,o,g,r,a,m){i['GoogleAnalyticsObject']=r;i[r]=i[r]||function(){ (i[r].q=i[r].q||[]).push(arguments)},i[r].l=1*new Date();a=s.createElement(o), m=s.getElementsByTagName(o)[0];a.async=1;a.src=g;m.parentNode.insertBefore(a,m) })(window,document,'script','//www.google-analytics.com/analytics.js','ga'); ga('create', 'UA-54143594-4', 'auto'); ga('set', 'campaignName', 'FacebookIA'); ga('set', 'campaignSource', 'FacebookInstantArticles'); ga('set', 'campaignMedium', 'social'); ga('send', 'pageview');
Categorias: Brasil de Fato

Milhares de pessoas "registram" Lula candidato

qua, 15/08/2018 - 18:53
Eleições 2018 Movimentos populares reúnem 50 mil em Brasília, para acompanhar o ato de registro no TSE Leonardo Fernandes | "Uma mentira não é capaz de destruir com uma relação de 40, 50 anos com o povo”, disse Fernando Haddad, candidato a vice de Lula Matheus Alves

Pela primeira vez na história do Brasil, um candidato a presidente é registrado na companhia de milhares de brasileiros e brasileiras. Nesta quarta-feira (15), cerca de 50 mil pessoas se concentraram em Brasília, para protocolar o registro da candidatura do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva à Presidência da República pelo Partido dos Trabalhadores (PT).

A entrega do pedido de registro junto ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE) foi feita por uma comissão liderada pela presidenta do PT, a senadora Gleisi Hoffmann, a ex-presidenta Dilma Rousseff, o candidato a vice na chapa Fernando Haddad, ex-prefeito de São Paulo, e a parceira de coligação, a deputada federal do Partido Comunista do Brasil (PCdoB), Manuela D'Ávila.

Entre os manifestantes, participaram do ato os mais de cinco mil trabalhadores rurais que marcharam por mais de 50 quilômetros nos últimos cinco dias, culminando na capital federal.

Kelli Mafort, da direção nacional do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST), afirmou que a mobilização em Brasília superou as expectativas e demonstrou que o povo brasileiro sabe o que quer.

“Quem está aqui hoje fazendo essa luta está representando aqueles milhares e milhares de brasileiros e brasileiras que já manifestaram que querem eleger presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva. E essa é uma luta histórica, porque mostra que o registro de uma candidatura não deve ser apenas um ato burocrático. Mas uma construção coletiva, como a que estamos vendo hoje”, afirmou.

Fernando Haddad disse que a consolidação da candidatura de Lula é uma demonstração de que a estratégia golpista está perto do fim.

“Eles queriam que o povo desistisse do Lula. Eles queriam a todo custo que o povo esquecesse do Lula. Mas o povo conhece o Lula. Uma mentira não é capaz de destruir uma relação de 40, 50 anos com o povo”, disse Haddad, que ainda leu uma mensagem, enviada por Lula.

"A partir de amanhã vamos percorrer o Brasil. Cada um de vocês terá que ser Lula caminhando pelo Brasil, fazendo campanha", escreveu o agora candidato, preso político desde o dia 7 de abril em Curitiba.

Pouco antes de entrar no prédio do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), a senadora paranaense Gleisi Hoffmann, falou aos manifestantes.

“Estamos aqui de cabeça erguida, para dizer a eles [a direita] que nós não temos medo. Acreditamos no povo brasileiro. O registro dessa candidatura é uma vitória para nós”, declarou.

Edson Carneiro, membro da intersindical e do Partido Socialismo e Liberdade (PSOL), que tem candidato próprio à Presidência, também esteve no ato em Brasília e destacou a necessidade de defender a liberdade e o direito de Lula ser candidato.

“Nós temos claro que a tentativa do Judiciário, da Rede Globo, da direita, do sistema financeiro de impedir a candidatura do ex-presidente Lula é uma ação que busca aprofundar a retirada de direitos e consolidar o golpe. Portanto, nós não temos dúvidas em estar aqui para dizer que o presidente Lula tem o direito legítimo de ser candidato. E não é um direito só dele, mas dos milhões e milhões de brasileiros que querem votar nele”.

Parlamentares, governadores, artistas, intelectuais, representantes de movimentos populares e sindicais também estiveram presentes no ato em frente ao TSE.

(function(i,s,o,g,r,a,m){i['GoogleAnalyticsObject']=r;i[r]=i[r]||function(){ (i[r].q=i[r].q||[]).push(arguments)},i[r].l=1*new Date();a=s.createElement(o), m=s.getElementsByTagName(o)[0];a.async=1;a.src=g;m.parentNode.insertBefore(a,m) })(window,document,'script','//www.google-analytics.com/analytics.js','ga'); ga('create', 'UA-54143594-4', 'auto'); ga('set', 'campaignName', 'FacebookIA'); ga('set', 'campaignSource', 'FacebookInstantArticles'); ga('set', 'campaignMedium', 'social'); ga('send', 'pageview');
Categorias: Brasil de Fato

Cinema gaúcho retrata os caminhos do golpe

qua, 15/08/2018 - 17:18
Documentário Filmes juntam-se à onda de produções que percorrem os caminhos do golpe político-jurídico-midiático de 2016 Simone Lersch | Já Vimos Esse Filme retrata a divisão do país simbolizada pelo muro colocado no gramado da Esplanada dos Ministérios Divulgação

Concebidas a partir de Porto Alegre, capital com história na defesa da legalidade e da democracia, ambos chegam à tela do Cinebancários, em Porto Alegre, neste mês de agosto. GOLPE (70 minutos), de Guilherme Castro e Luiz Alberto Cassol, ganha exibição nos dias 14, 15 e 16 e Já Vimos Esse Filme (78 minutos), de Boca Migotto, tem lançamento no dia 24 no mesmo espaço e mais na Casa da Democracia, em Curitiba.

Os documentários reúnem testemunhos de cientistas sociais, historiadores, jornalistas, artistas e ativistas de movimentos sociais. Analisam desde o sistema eleitoral, até a influência do judiciário, da mídia e das redes sociais na crise política.

GOLPE faz uma cronologia e reflexão sobre os fatos que culminaram na deposição de Dilma e na prisão de Lula.  “O documentário parte de um conceito narrativo de que vivemos em meio a uma sociedade midiática, onde o fluxo de imagens e informações é tão intenso, que dificulta uma interpretação clara, ainda mais nesse esquema das bolhas, que propiciam a desinformação”, pontua Castro. “Como cineasta - continua - me deparo constantemente com o seguinte impasse: que imagens produzir num ambiente que tem câmera por todos os lados?” Seu objetivo é apresentar uma narrativa consistente e que contribua para a discussão política.

País sem memória

Produzido por um coletivo interdisciplinar em defesa da soberania popular, o documentário Já Vimos Esse Filme retrata, também, a divisão do país simbolizada pelo muro colocado na Esplanada dos Ministérios, em Brasília, no dia da votação na Câmara que consagrou o golpe. O diretor ouviu tanto manifestantes pró-impeachment, quanto da resistência ao golpe. Ele entende que os apoiadores da ruptura democrática não assistirão ao filme. “Hoje - diz Migotto - mesmo com todas as evidências de que houve um golpe, eles se agarram a fatos aleatórios, evitando uma análise conjuntural. Só para justificar que estavam certos”.

Já Vimos Esse Filme ainda estabelece um paralelo com o quadro político de 1954 e de 1964. Ou seja, com a tentativa de golpe contra Getúlio Vargas e, dez anos depois, quando as mesmas forças derrotadas conseguem derrubar João Goulart e implantar a ditadura militar.

Questionado se o Brasil está fadado a repetir a sua história, o diretor argumenta que a história é cíclica. “Ela tem nos mostrado que, sempre que avançamos um pouco, em seguida, acontece um retrocesso e, dessa forma, repetimos o curso da história”, sustenta. “E isso normalmente acontece com povos que não valorizam memória, educação e cultura”, acrescenta. Seu propósito é registrar para as gerações presentes e futuras as semelhanças entre os golpes políticos no Brasil e a fragilidade da formação democrática da sociedade.

Serviço

Já Vimos Esse Filme (78 minutos). Direção: Boca Migotto.  O lançamento do documentário acontecerá no dia 24 de agosto, às 21h, de forma simultânea no CineBancários, na Casa da Democracia, em Curitiba, no Youtube, no portal Brasil 247 e na Mídia Ninja. A data marca a morte de Getulio Vargas, em 1954.

Golpe (70 minutos). Direção: Guilherme Castro e Luiz Alberto Cassol - 14, 15 e 16 de agosto às 19h no CineBancários.

Nove títulos sobre o tema

(function(i,s,o,g,r,a,m){i['GoogleAnalyticsObject']=r;i[r]=i[r]||function(){ (i[r].q=i[r].q||[]).push(arguments)},i[r].l=1*new Date();a=s.createElement(o), m=s.getElementsByTagName(o)[0];a.async=1;a.src=g;m.parentNode.insertBefore(a,m) })(window,document,'script','//www.google-analytics.com/analytics.js','ga'); ga('create', 'UA-54143594-4', 'auto'); ga('set', 'campaignName', 'FacebookIA'); ga('set', 'campaignSource', 'FacebookInstantArticles'); ga('set', 'campaignMedium', 'social'); ga('send', 'pageview');
Categorias: Brasil de Fato

No Rio, iniciativas valorizam a produção e distribuição de alimentos agroecológicos

qua, 15/08/2018 - 17:10
AGRICULTURA A técnica de manejo sustentável da terra tem se mostrado como a melhor alternativa para a saúde da população Jaqueline Deister | Espaço de comercialização e hospedagem Raízes Brasil em Santa Teresa Foto: reprodução

Uma produção de alimentos sem o uso de agrotóxico, fertilizantes industriais e transgênicos, que respeita o meio ambiente, promove a agricultura orgânica e tem a capacidade produtiva cerca de 10% maior do que o agronegócio. Isso é possível? A resposta é sim. A técnica de manejo sustentável da terra tem se mostrado como a melhor alternativa para a biodiversidade e para a saúde da população. 

No estado do Rio de Janeiro, as experiências com a agroecologia têm sido promissoras e atraído cada vez mais a atenção das pessoas que buscam uma alimentação saudável e livre de veneno. Na busca por soluções para a falta de políticas públicas que incentivem a produção agroecológica, o Movimento dos Pequenos Agricultores (MPA) passou a investir no sistema de abastecimento popular, em que o contato entre o agricultor e o consumidor é feito de maneira direta, sem atravessador. Humberto Palmeira, conhecido como Beto, integra a coordenação nacional do MPA, ele explica que hoje é essencial pensar a distribuição dos alimentos. 

“Atualmente, os dados oficiais mostram que mais de 70% dos alimentos do Brasil vem da agricultura camponesa e familiar. Esse é o dado do último censo (IBGE). Só que a distribuição desses alimentos não é feita pelos camponeses, mas pelas médias e grandes redes de supermercados. O que nós estamos debatendo é que não basta só a gente produzir, temos que nos desafiar a construir ferramentas de distribuição”, ressalta. 

Apesar da dificuldade pela falta de incentivo do poder público, a rede de distribuição popular apontada por Humberto está crescendo aos poucos no estado. Hoje, o Movimento dos Pequenos Agricultores conta com feiras pela cidade do Rio, o espaço de comercialização e hospedagem Raízes do Brasil, localizado no bairro de Santa Teresa e a cesta camponesa, uma espécie de feira online de alimentos orgânicos e agroecológicos que atende a nove pontos: oito na cidade do Rio e um no município de Niterói. 

Outras experiências 

Na cidade de Maricá, na Região Metropolitana do estado do Rio, a experiência com a agroecologia tem mostrado outros caminhos possíveis além da comercialização. Joana Duboc é agrônoma no projeto de implantação de uma unidade demonstrativa de agroecologia que a prefeitura do município tem em parceria com o Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST).  

A iniciativa produz alimentos agroecológicos para seis escolas e hospitais públicos do município, atua também junto com aldeias indígenas e centros de reabilitação de dependentes químicos. Além disso, o projeto incide diretamente no processo de formação dos estudantes que plantam parte dos alimentos consumidos da escola. 

“A gente também faz a capacitação com as crianças para que elas desmistifiquem o processo de produzir alimento. Várias escolas já fazem a colheita e o replantio das hortas que começamos. E você vê a diferença da relação da criança com o alimento quando ela para e pensa o que é a semente, a muda, você começa a desmistificar o sistema agroalimentar”, destaca. 

O projeto conta também com a capacitação de 30 a 60 pessoas que querem trabalhar com agricultura agroecológica. A unidade demonstrativa, custeada pelo convênio da prefeitura com o MST, tem produzido uma média de 100 a 200 caixas de alimentos por semana que são doadas exclusivamente para abastecer as áreas de saúde e educação do município.  

Para saber mais: 

Programa Cesta Camponesa:   

www.cestacamponesa.com.br 

Raízes do Brasil 

Endereço: Rua Áurea, 80, Santa Teresa, Rio de Janeiro  

Facebook: Raízes do Brasil RJ 

(function(i,s,o,g,r,a,m){i['GoogleAnalyticsObject']=r;i[r]=i[r]||function(){ (i[r].q=i[r].q||[]).push(arguments)},i[r].l=1*new Date();a=s.createElement(o), m=s.getElementsByTagName(o)[0];a.async=1;a.src=g;m.parentNode.insertBefore(a,m) })(window,document,'script','//www.google-analytics.com/analytics.js','ga'); ga('create', 'UA-54143594-4', 'auto'); ga('set', 'campaignName', 'FacebookIA'); ga('set', 'campaignSource', 'FacebookInstantArticles'); ga('set', 'campaignMedium', 'social'); ga('send', 'pageview');
Categorias: Brasil de Fato

Editora do Brasil de Fato PE é premiada e destaca a importância do jornalismo popular

qua, 15/08/2018 - 17:00
Reconhecimento Monyse Ravenna recebeu, nesta terça-feira (14), o Troféu Mulher Imprensa na categoria Repórter de Jornal ou Revista Júlia Rohden | Jornalista e mestre em História Social, Monyse participa do jornal impresso do Brasil de Fato em Pernambuco desde sua fundação Elisa de Paula/Imprensa Editorial

A editora do jornal impresso Brasil de Fato em Pernambuco, Monyse Ravenna, recebeu na noite desta terça-feira (14) o Troféu Mulher Imprensa na categoria Repórter de Jornal Impresso ou Revista. A premiação aconteceu no Teatro Sérgio Cardoso, em São Paulo, e homenageou 17 mulheres pela atuação profissional. Ao receber o prêmio, Ravenna destacou a importância de também premiar jornalistas que não atuam em grandes empresas de comunicação, mas em veículos de comunicação popular, como o Brasil de Fato. "Para ter uma democracia mais firme - para ter uma democracia, já que no caso do Brasil a gente não tem - é necessário uma imprensa com pluralidade de opinião e de vozes”, afirmou ao receber o prêmio.

Jornalista e mestre em História Social pela Universidade Federal do Ceará (UFC), Monyse ajudou a fundar o jornal impresso do Brasil de Fato em Pernambuco e atua como editora desde o início da publicação, há dois anos. A jornalista foi a única representante de um veículo nordestino na premiação e dedicou o troféu aos ex-presidentes Luiz Inácio Lula da Silva e Dilma Rousseff. “Queria dedicar esse troféu para a primeira presidenta eleita no Brasil, Dilma Rousseff, deposta em um golpe de estado, e também para o presidente Lula. Eu venho de um lugar onde os governos da presidenta Dilma e do presidente Lula fizeram muita diferença na vida do povo. Para ter uma democracia não podemos ter o principal candidato em todas as pesquisas preso. Lula Livre!”, disse. 

O prêmio

O prêmio Troféu Imprensa foi criado há 13 anos pela Revista e Portal Imprensa para valorizar o trabalho de mulheres jornalistas. Na primeira etapa, as profissionais foram selecionadas por um júri do Portal Imprensa. Depois, a votação foi feita on-line por júri popular entre os meses de abril e junho. Monyse concorreu na categoria com outras cinco profissionais de veículos como a Revista Piauí e o jornal Folha de S. Paulo.

Ela venceu com 50% dos votos e avalia que é importante participar de espaços como a premiação. “Seria uma premiação com narrativa única da grande mídia - fora algumas outras mulheres da imprensa alternativa. Acho importante ressaltar o papel das mulheres nas redações, porque ainda vivemos um processo estrutural no mundo do trabalho da exploração e invisibilidade do trabalho das mulheres, mas não pode ser só isso. É preciso pautar outros aspectos, como a democratização da comunicação, como a necessidade de pluralidade de vozes neste contexto de ausência de democracia”, avalia Ravenna.

Ela conta que enfrenta desafios diários enquanto editora do jornal que vão desde o financiamento do impresso até a conquista de confiança por ser uma mulher quem coordena o jornal. "Mesmo em veículos populares, nessa perspectiva de esquerda, a gente lida com machismo cotidianamente. Essa necessidade de desconstrução do machismo nas redações também é uma realidade para nós e precisamos pensar modos e maneiras de combater", afirma

Gênero, raça e classe

A premiação também homenageou mulheres como Djamila Ribeiro, colunista da Carta Capital, Renata Fan, comentarista na TV Band e Andreia Sadi, repórter da Globo News. Em seu discurso, Djamila Ribeiro dedicou o troféu a todas as mulheres negras. "Sou uma mulher e negra. Se a invisibilidade é grande quando falamos do trabalho de mulheres, quando falamos de mulheres negras é ainda mais difícil", ressaltou a filósofa autora dos livros O que é lugar de fala? e Quem tem medo do feminismo negro?.

Monyse Ravenna lembrou que a premiação era composta majoritariamente por mulheres brancas que atuam em grandes veículos da região sudeste. Para ela, o feminismo deve considerar as questões de gênero, mas também de raça e classe. "É esse feminismo com perspectiva de raça e classe que eu me identifico. Não adianta a gente só ser mulher e reproduzir uma ideologia neoliberal. Não adianta eu ser mulher, ter minha carreira de sucesso e achar que posso chegar onde eu quiser. Não posso chegar. A sociedade que a gente vive impõem muitos limites de onde podemos chegar", conclui.

(function(i,s,o,g,r,a,m){i['GoogleAnalyticsObject']=r;i[r]=i[r]||function(){ (i[r].q=i[r].q||[]).push(arguments)},i[r].l=1*new Date();a=s.createElement(o), m=s.getElementsByTagName(o)[0];a.async=1;a.src=g;m.parentNode.insertBefore(a,m) })(window,document,'script','//www.google-analytics.com/analytics.js','ga'); ga('create', 'UA-54143594-4', 'auto'); ga('set', 'campaignName', 'FacebookIA'); ga('set', 'campaignSource', 'FacebookInstantArticles'); ga('set', 'campaignMedium', 'social'); ga('send', 'pageview');
Categorias: Brasil de Fato

“Escola Sem Partido” sofre derrota mas disputa continua em São Lourenço do Sul

qua, 15/08/2018 - 16:47
Educação Cidade do sul gaúcho pode ser a primeira do estado a aprovar a proposta do MBL. Resistência à ideia permanece mobilizada Katia Marko | Educadores acompanharam sessão na Câmara de Vereadores Caco Argemi

O prefeito de São Lourenço do Sul, Rudinei Harter (PDT), vetou, no dia 30 de julho, o projeto aprovado duas semanas antes pelos vereadores. A prefeitura considerou que a proposta é inconstitucional. Metade dos votos a favor da iniciativa do MBL, vieram do PSDB.

De acordo com a nota do executivo,  a Constituição é clara “ao estabelecer, em seu art. 22, XXIV, que as diretrizes e bases da educação nacional tratam-se de matérias de competência privativa da União.” O promotor de Justiça Paulo Roberto Charqueiro encaminhou ofício ao prefeito lembrando que a proposta já havia sido considerada inconstitucional por decisão liminar do STF.

Agora, o projeto tem até 30 dias para permanecer na câmara. Segundo a presidente da casa, Carmem Rosane Roveré (PSB), no momento está em análise nas comissões. O PL foi aprovado com seis votos: três do PSDB, dois do PDT e um do PP, partidos proponentes junto com o MBL.

“O debate está intenso. Tivemos sessão com casa lotada, com representantes dos movimentos sociais, da FURG, do CPERS, dos professores, que estavam pressionando para que os vereadores aprovem o veto do prefeito”, diz Carmen. ” No dia da votação – prossegue – eu não tinha direito ao voto, por ser presidente, mas me coloquei de forma contraria a este PL, pois entendo todo o retrocesso na educação que ele causará, principalmente na formação do senso crítico dos nossos alunos. Ela defende que os professores e a educação pública sejam valorizados “com uma educação plural, de qualidade e de livre pensamento, para formarmos uma sociedade mais justa”, argumenta.

Todas as sessões e reuniões, desde o dia 9 de julho, são transmitidas em tempo real pela WebTV Câmara. É possível também acompanhá-las pelo Facebook, o Youtube e o site da Câmara. “Nosso site atende a todas as normas de transparência, podendo acompanhar onde está o projeto, as deliberações, quando foi votado, e como votou cada vereador. Somos uma das únicas câmaras da zona Sul com este recurso”, informa.

Entidades criam Frente de Resistência à “Escola com Mordaça”

A discussão é seguida  por dezenas de educadores(as), estudantes, pais,  representantes de universidades e entidades da cidade e região, como o CPERS estadual, o 24º Núcleo, o 6º Núcleo (Rio Grande), a Aprofurg – seção sindical do Andes, o sindicato dos professores das universidades, entre outras.

Para Márcia Umpierre,  professora da FURG e vice-presidente da Aprofurg, o veto foi a primeira grande vitória da recém-criada Frente de Resistência à Escola com Mordaça - São Lourenço do Sul. “O veto do prefeito se deu pela inconstitucionalidade, mas também muito pela força dos sindicatos e pelos movimentos sociais, que realizaram um trabalho incansável de mobilização nessas últimas semanas”, destacou. Marcia ainda explica que o veto foi uma grande conquista, mas o movimento de resistência segue mobilizado e atento para os desdobramentos do assunto.

O professor e representante da Frente Brasil Popular no município Carlos Alberto Junior lembrou que a cidade registrou o maior número de moções de repúdio já visto na casa, sem qualquer manifestação favorável por parte de organizações educacionais. “Vocês, vereadores que apoiam este projeto, assumem uma posição medieval, colocando o professor em uma fogueira pública em um verdadeiro tribunal de exceção. Os professores não são o verdadeiro problema, porque o problema são vocês”, afirma.

A presidente do CPERS, Helenir  Schürer, entende que o projeto manipula a opinião pública e transforma a escola em um território hostil para educadores(as), que passam a lidar com um ambiente de perseguição e denuncismo.

“Não resolveremos nossos problemas com patrulhamento e coerção. A escola deve ser o espaço privilegiado da cidadania, do espírito crítico e da igualdade”, defende. “Os vereadores que aprovaram o texto preferiram escutar o MBL, movimento que prega a liberdade enquanto sobrevive de notícias falsas e propostas tão antidemocráticas que fariam inveja aos generais da ditadura militar”, ataca.  E nota que a rede pública gaúcha  está precarizada “graças à política de terra arrasada do governador Sartori e ao congelamento do orçamento federal (apoiado pelo mesmo MBL). Assim, “a opinião pública é manipulada para acreditar em ameaças imaginárias”.

Para os criadores da proposta, debates que visam estimular o senso crítico dos estudantes se resumem a doutrinação ideológica. Para a Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação (CNTE), a mordaça “solidifica a barbárie e todos os preconceitos, fanatismos religiosos, ignorância, falta de civilidade e de solidariedade, além de promover e fomentar o machismo, o racismo e a xenofobia”.

(function(i,s,o,g,r,a,m){i['GoogleAnalyticsObject']=r;i[r]=i[r]||function(){ (i[r].q=i[r].q||[]).push(arguments)},i[r].l=1*new Date();a=s.createElement(o), m=s.getElementsByTagName(o)[0];a.async=1;a.src=g;m.parentNode.insertBefore(a,m) })(window,document,'script','//www.google-analytics.com/analytics.js','ga'); ga('create', 'UA-54143594-4', 'auto'); ga('set', 'campaignName', 'FacebookIA'); ga('set', 'campaignSource', 'FacebookInstantArticles'); ga('set', 'campaignMedium', 'social'); ga('send', 'pageview');
Categorias: Brasil de Fato

João Pedro Stedile é alvo de mais uma notícia falsa

qua, 15/08/2018 - 15:21
Fake news Dirigente do MST foi acusado, indevidamente, de “usar uma sala VIP" enquanto sem-terra marchavam no Planalto Central Redação | Stedile esclareceu não ser a pessoa identificada na foto e classificou a matéria como "ofensiva e mentirosa" Foto: Guilherme Santos/Sul21

João Pedro Stedile, da direção nacional do MST, foi alvo de mais uma notícia falsa. Nesta terça-feira (14), o site Diário do Poder, editado pelo jornalista Cláudio Humberto, acusou o dirigente de “usar uma sala VIP enquanto sem-terra enfrentam sol e umidade desértica”.

O repórter André Britto, que assina a matéria, associou, indevidamente, a foto de um senhor com boné do MST, em uma sala não identificada, à figura de Stedile.

A suposta denúncia ocorre durante a Marcha Nacional Lula Livre, que começou na última sexta-feira (10), com mais de 5 mil camponeses marchando rumo à Brasília, para registro da candidatura do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), nesta quarta-feira (15), no Tribunal Superior Eleitora (TSE).

Em nota, o dirigente sem-terra esclareceu não ser a pessoa identificada na foto e classificou a matéria como "ofensiva e mentirosa". "Repudiamos o conteúdo sensacionalista da matéria e a utilização de notícias falsas como expediente para enganar e desinformar os leitores e a sociedade", denunciou. 

O Brasil de Fato entrou em contato com o Diário do Poder para que pudesse se pronunciar sobre o ocorrido, mas não obteve resposta até a publicação desta reportagem.

:: Acompanhe a cobertura especial das manifestações em defesa da candidatura de Lula

Nesta quarta-feira (15), o nome do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva será registrado como um dos concorrentes à Presidência da República nas eleições de outubro. O protocolo do registro será acompanhado por diversas atividades em várias partes do país. A principal dela acontece na própria capital federal, em que são esperadas mais de 30 mil pessoas no ato em frente à sede da TSE (Tribunal Superior Eleitoral), que deve começar às 14h.

Os cerca de 5 mil camponeses do MST e Via Campesina, que caminharam 50 km desde o dia 10 na Marcha Nacional Lula Livre, já chegaram ontem a Brasília para se somarem à mobilização. O Brasil de Fato acompanhará toda movimentação do dia de hoje e também conversará com especialistas para entender o atual cenário político das eleições de 2018.

É possível acompanhar a transmissão na Rádio Brasil de Fato e Rádio Brasil em Movimento através dos sites http://mst.org.br ou http://brasildefato.com.br; e por meio do aplicativo: https://goo.gl/Xv1vZQ.

(function(i,s,o,g,r,a,m){i['GoogleAnalyticsObject']=r;i[r]=i[r]||function(){ (i[r].q=i[r].q||[]).push(arguments)},i[r].l=1*new Date();a=s.createElement(o), m=s.getElementsByTagName(o)[0];a.async=1;a.src=g;m.parentNode.insertBefore(a,m) })(window,document,'script','//www.google-analytics.com/analytics.js','ga'); ga('create', 'UA-54143594-4', 'auto'); ga('set', 'campaignName', 'FacebookIA'); ga('set', 'campaignSource', 'FacebookInstantArticles'); ga('set', 'campaignMedium', 'social'); ga('send', 'pageview');
Categorias: Brasil de Fato

Dodge e Jungmann cometeram abuso de autoridade contra Lula, denuncia PT

qua, 15/08/2018 - 15:17
Abuso de poder Gebran Neto e Thompson, do TRF-4, também estão na lista do partido; acusação se baseia em entrevista do diretor da PF Cristiane Sampaio | Deputados e senadores do PT durante coletiva de imprensa nesta quarta-feira (15), no Congresso Nacional. Lula Marques/Liderança do PT na Câmara

Parlamentares do Partido dos Trabalhadores (PT) protocolaram, nesta quarta-feira (15), 11 requerimentos para solicitação de depoimento de cinco atores do sistema de Justiça relacionados à decisão de soltura do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), dada no dia 8 de julho pelo desembargador plantonista Rogério Favreto, do Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4).

São, ao todo, seis ofícios protocolados no Senado e outros cinco na Câmara Federal para oitiva do ministro da Segurança Pública, Raul Jungmann; da procuradora-geral da República, Raquel Dodge; do presidente do TRF-4, Thompson Flores; do desembargador Gebran Neto, relator do processo do tríplex no TRF-4; e do diretor-geral da Polícia Federal (PF), Rogério Galloro.

O partido informou que será feito ainda um outro requerimento, destinado ao juiz federal Sérgio Moro, responsável pelos processos da Lava Jato na primeira instância.

Todos eles devem ser ouvidos pelas duas casas, caso os pedidos sejam autorizados. No Senado, o número é maior porque dois requerimentos são direcionados a Jungmann, sendo um deles de convocação e o outro de prestação de informações.

O anúncio do protocolo foi feito durante coletiva de imprensa no Congresso Nacional conduzida por deputados federais e senadores do partido nesta quarta.

De acordo com o líder do PT na Câmara, Paulo Pimenta (RS), a decisão de solicitação dos depoimentos se baseia em entrevista dada recentemente por Rogério Galloro ao jornal “O Estado de São Paulo”. 

Ao veículo, o diretor informou que a PF não cumpriu a liminar de Favreto por conta de telefonemas do presidente do TRF-4 e de Dodge, que teriam se manifestado pelo impedimento da decisão. A procuradora-geral, inclusive, teria adiantado ao diretor que estava providenciando o protocolo de uma ação contra a soltura de Lula no Superior Tribunal de Justiça (STJ).

O diretor também revelou que teria comunicado a Jungmann que a PF iria cumprir a decisão e libertar o ex-presidente, mas que, na sequência, recebeu os telefones de Dodge e de Flores.

Na ocasião, Moro estava em período de férias e retornou ao expediente para negar a ordem de Favreto, assim como Gebran Neto estava de folga e retornou ao Tribunal para cassar a decisão.

Para o PT, a conduta dos cinco configuraria um caso de abuso de autoridade.

“São fatos que não deixam qualquer dúvida: houve uma ação  envolvendo agentes públicos de diferentes poderes”, atribuiu Pimenta, destacando o caráter político da prisão do ex-presidente..

Diante das declarações feitas pelo diretor-geral da PF, os parlamentares defendem que as autoridades envolvidas na polêmica sobre a soltura de Lula prestem esclarecimentos ao Legislativo sobre os fatos ocorridos no dia 8 de julho.   

“Nós não estamos aqui querendo esclarecimentos sobre atos que digam respeito à atuação do MP. Não estamos questionando um parecer da procuradora-geral, Raquel Dodge. Estamos questionando a conduta dela de incitação à desobediência de uma ordem judicial. Isso não é papel do Ministério Público”, pontuou o deputado Wadih Damous (PT-SP), que também atua no caso de Lula como advogado de defesa.  

Ele acrescentou que a conduta de Dodge pode caracterizar ainda crime de responsabilidade e, em alguns casos, levar a um pedido de impeachment.

“Não é papel da procuradora-geral da República monitorar decisões de juiz de plantão. Será que ela fica monitorando todos os plantões do Brasil pra dizer que ordem deve ser cumprida e qual não deve ser cumprida?”, questionou o deputado.

TRF-4

Após a forte repercussão da entrevista de Galloro, Thompson Flores emitiu, na última segunda-feira (13), uma nota pública que contradiz as afirmações do diretor da PF. Na manifestação, ele afirma que não houve pressão para manter Lula preso.

“Nós precisamos saber quem está falando a verdade nesse processo. Numa democracia, nós precisamos ter mecanismos de controle. As autoridades têm que prestar contas das suas ações, dos seus atos”, defendeu a senadora Gleisi Hoffmann (PR), presidenta nacional do PT.

Trâmite

Na Câmara, os cinco requerimentos devem ser submetidos à avaliação da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ). No Senado, os pedidos foram protocolados na Mesa Diretora e devem ser encaminhados ao plenário da Casa, ficando a cargo do presidente, Eunício Oliveira (PMDB-CE), a colocação dos ofícios na pauta de votações.  

Segundo informou o líder da bancada do PT na Casa, Lindbergh Farias (RJ), o grupo espera colocar os requerimentos em votação na última semana do mês. Ele também disse que a intenção é estender o debate sobre os pedidos em comissões legislativas do Senado.  

“Vamos conversar com o presidente do Senado, mas também com outros parlamentares. A gente acha que vai ter um apoio muito mais amplo. Não é coisa só da bancada do PT”, afirmou.

(function(i,s,o,g,r,a,m){i['GoogleAnalyticsObject']=r;i[r]=i[r]||function(){ (i[r].q=i[r].q||[]).push(arguments)},i[r].l=1*new Date();a=s.createElement(o), m=s.getElementsByTagName(o)[0];a.async=1;a.src=g;m.parentNode.insertBefore(a,m) })(window,document,'script','//www.google-analytics.com/analytics.js','ga'); ga('create', 'UA-54143594-4', 'auto'); ga('set', 'campaignName', 'FacebookIA'); ga('set', 'campaignSource', 'FacebookInstantArticles'); ga('set', 'campaignMedium', 'social'); ga('send', 'pageview');
Categorias: Brasil de Fato

Encontro discute humanização do parto, aborto e saúde da mulher

qua, 15/08/2018 - 15:04
Saúde O 2º Eneon, Encontro de Enfermagem Obstétrica e Neonatal da Paraíba, acontece entre os dias 28 e 30 de agosto Cecília Figueiredo | Encontro tem por objetivo reunir profissionais de saúde do interior e capital Marita Brilhante

João Pessoa sediará, entre os dias 28 e 30 de agosto, o 2º Encontro de Enfermagem Obstétrica e Neonatal da Paraíba (Eneon). Com o tema “Diálogos sobre o cuidado sensível e a autonomia das mulheres”, o evento promovido pela Associação Brasileira de Enfermagem Obstétrica da Paraíba e Universidade Federal da Paraíba (UFPB) reunirá, no Espaço Cultural José Lins do Rego, profissionais e estudantes para discutir propostas de humanização da assistência ao parto.

Waglânia Freitas, professora de Enfermagem da UFPB, explica que o II Eneon é fruto das inquietações que emergem dos processos de trabalho durante a assistência às mulheres na gravidez, parto, pós-parto e puerpério. “Discutir que tipo de modelo queremos na assistência à mulher e ao bebê, na gravidez, parto e pós-parto; e às mulheres, nos diversos ciclos da vida”, complementou.

Segundo a enfermeira, é necessário uma inversão das práticas de cuidado para as necessidades das mulheres e não das instituições.

Renascimento do parto

Para tanto, o debate será aberto pela educadora e psicóloga indiana Laura Uplinger, da Associação Nacional de Educadores Perinatais, que está no documentário “O renascimento do parto” e trabalha com Michel Odent, idealizador do parto humanizado na França. “Ela vem fazer a fala de como a gravidez pode interferir na sociedade. O que a memória daquela criança traz a partir da experiência que ela tem do cuidado [que recebe] durante a gravidez”.

Freitas também esclarece que serão debatidos no evento temas relacionados à medicalização do corpo feminino e à hospitalização dos partos. “A motivação para este encontro emerge do fato de, nas últimas décadas, termos presenciado uma rápida expansão no desenvolvimento e no uso de práticas profissionais elaboradas com a intenção de iniciar, corrigir e acelerar o processo fisiológico do parto, sob a justificativa de obter melhores resultados para as mulheres e seus recém-nascidos, e, algumas vezes, para racionalizar padrões de trabalho, no caso do parto hospitalar”, acrescenta.

Aborto

Descriminalização do aborto será a pauta da mesa “Nossos corpos nos pertencem”, no terceiro dia do encontro (30), e contará com a presença da obstetriz Ellen Flamboyant, do Coletivo Saúde e Sexualidade. A convidada esteve em Brasília, acompanhando as audiências sobre a temática, no Supremo Tribunal Federal.

Para a especialista, não se trata de ser favorável ou não ao aborto, como prática de controle de natalidade, mas da defesa universal de saúde das mulheres. “A Associação Brasileira de Enfermagem Obstétrica da Paraíba é favorável ao protagonismo das mulheres. As mulheres decidirem sobre seus corpos. Como pesquisadora, dentro da área de violência contra as mulheres, sou a favor da descriminalização, porque em realidade a criminalização como está atinge [negativamente] um grupo específico de pessoas, não a totalidade das mulheres”.

Segundo ela, mulheres pobres, negras e com baixa escolaridade, são as maiores vítimas da criminalização do aborto e de forma preconceituosa. “Mulheres que são tratadas mal quando chegam [no serviço público] em situação de abortamento, seja provocado ou espontâneo. As pessoas [profissionais] olham com preconceito. É um processo de muita dor, elas ficam junto de outras que estão em trabalho de parto, o que é ruim e discordante da proposta da estratégia da Rede Cegonha”.

Saberes populares

Por meio de uma metodologia baseada na Educação Popular e nas práticas feministas, o II Eneon pretende fomentar o diálogo com a partilha de experiências. A programação contará com oficinas, rodas de conversas, palestras e apresentações de trabalho.

O Eneon encerrará com a Carta de João Pessoa pela Humanização do Parto e do Nascimento, com recomendações de Boas Práticas Obstétricas e do cuidado sensível e autônomo à mulher em todos os ciclos vitais. Haverá ainda uma Tenda do Cuidado, onde os participantes terão acesso a práticas integrativas e complementares. O documento, segundo Waglânia, será encaminhado para gestores da Educação e da Saúde, estaduais, municipais, Ministério Público.

O II Eneon é realizado pela Abenfo-PB, tendo em sua comissão organizadora os projetos de extensão universitária "Roda Bem Gestar" (DESC/CCS/UFPB) e Partejar (CCM/UFPB), o Grupo de Estudos em Direitos Humanos e Saúde Mental (UFPB) e o Coletivo pela Humanização do Parto e do Nascimento na Paraíba. O evento conta ainda com o apoio do Centro de Ciências da Saúde (CCS/UFPB) e do Conselho Federal de Enfermagem da Paraíba (Coren-PB).

Para se inscrever e acessar o edital para envio de trabalhos, acesse o site: abenfopb.com.br

(function(i,s,o,g,r,a,m){i['GoogleAnalyticsObject']=r;i[r]=i[r]||function(){ (i[r].q=i[r].q||[]).push(arguments)},i[r].l=1*new Date();a=s.createElement(o), m=s.getElementsByTagName(o)[0];a.async=1;a.src=g;m.parentNode.insertBefore(a,m) })(window,document,'script','//www.google-analytics.com/analytics.js','ga'); ga('create', 'UA-54143594-4', 'auto'); ga('set', 'campaignName', 'FacebookIA'); ga('set', 'campaignSource', 'FacebookInstantArticles'); ga('set', 'campaignMedium', 'social'); ga('send', 'pageview');
Categorias: Brasil de Fato

Colômbia: 337 líderes sociais foram mortos desde 2016, afirma governo

qua, 15/08/2018 - 15:01
violência Ultima vítima foi Alfredo Manuel Palacio Jiménez, integrante de um grupo social na cidade de Aracataca Redação | 83% dos assassinatos de líderes sociais estão relacionados com a disputa pela posse de terra ou por recursos naturais Agencia Prensa Rural/Flickr CC

O número de líderes de movimentos sociais assassinados na Colômbia desde 2016 chegou a 337, segundo informações da Ouvidoria do Povo do país. Até julho deste ano, este total era de 322.

A última vítima foi Alfredo Manuel Palacio Jiménez, integrante de um grupo social na cidade de Aracataca (860 km ao norte de Bogotá). Jiménez foi assassinado com dois tiros ao ser interceptado enquanto estava em uma moto com a esposa.

O informe da Ouvidoria, divulgado na segunda-feira (13/08), também revelou que 83% dos assassinatos de líderes sociais estão relacionados com a disputa pela posse de terra ou por recursos naturais. A morte de 13% do total foi causada, afirma o governo colombiano, por causa de cultivos ilícitos.

Os departamentos com mais assassinatos de líderes e defensores de direitos humanos são Cauca, Antioquia (onde fica Medellin), Norte de Santander (na fronteira com a Colômbia), Nariño (na fronteira com o Equador) e Chocó (na fronteira com o Panamá).

O partido Força Alternativa Revolucionária do Comum (FARC), antigo grupo guerrilheiro, tem, junto a organizações sociais, pedido ao governo colombiano que garanta a segurança de líderes sociais, defensores de direitos humanos e ex-combatentes. Esta responsabilidade está prevista no Acordo de Paz assinado há dois anos em Havana.

(function(i,s,o,g,r,a,m){i['GoogleAnalyticsObject']=r;i[r]=i[r]||function(){ (i[r].q=i[r].q||[]).push(arguments)},i[r].l=1*new Date();a=s.createElement(o), m=s.getElementsByTagName(o)[0];a.async=1;a.src=g;m.parentNode.insertBefore(a,m) })(window,document,'script','//www.google-analytics.com/analytics.js','ga'); ga('create', 'UA-54143594-4', 'auto'); ga('set', 'campaignName', 'FacebookIA'); ga('set', 'campaignSource', 'FacebookInstantArticles'); ga('set', 'campaignMedium', 'social'); ga('send', 'pageview');
Categorias: Brasil de Fato

"Há um grande sub-registro de casos de intoxicação", afirma Aline Gurgel

qua, 15/08/2018 - 15:00
AGROTÓXICO A pesquisadora da Fiocruz critica o PL do veneno e afirma que não existe “exposição segura aos agrotóxicos” Redação* | Aline afirma que para cada caso de intoxicação notificado, 50 outros deixam de ser registrados nos sistemas de informação em saúde Daniel Lamir

Apesar de o Ministério da Saúde registrar anualmente entre 12 e 14 mil intoxicações por agrotóxicos, e a notificação de casos de intoxicação exógena ser obrigatória no país, “há um grande sub-registro de casos”, informa a pesquisadora da Fiocruz Aline do Monte Gurgel à IHU On-Line. Segundo ela, “estimativas apontam que, para cada caso notificado, 50 outros deixam de ser informados nos sistemas de informação em saúde. Praticamente todos os casos notificados são de intoxicações agudas, porque é mais fácil estabelecer uma relação causal nessas situações, onde os sinais de intoxicação surgem pouco tempo depois da exposição. Os casos crônicos, onde os sinais de intoxicação demoram mais tempo para aparecer, dificilmente são diagnosticados e notificados, dificultando precisar o número de ocorrências no país”.

De acordo com Aline, não existe “exposição segura aos agrotóxicos”, porque “o perigo é uma das características intrínsecas” ao produto. A noção de “uso seguro” dessas substâncias, alerta, “é um conceito disseminado majoritariamente pelo agronegócio, que precisa vender a ideia de que as pessoas podem se expor aos agrotóxicos sem que haja intoxicação”.

Se a medida for aprovada, afirma, ela irá impor uma série de retrocessos, entre eles, o desmonte do sistema de regulação tríplice e vigente no país, que consiste em liberar os agrotóxicos para comercialização somente depois da análise dos Ministérios da Saúde, da Agricultura e do Meio Ambiente, deixando a avaliação a critério do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento - Mapa. “Acontece que os órgãos de Saúde e do Meio Ambiente realizam suas avaliações de toxicidade com base em critérios técnicos que são observados por especialistas da área, buscando zelar pela defesa da saúde e proteção da vida. Como o Mapa não possui competência técnica para realizar tais análises, o processo de avaliação dos agrotóxicos pode se tornar um mero procedimento burocrático realizado sem o rigor técnico e científico necessários, uma vez que ele não possui expertise para realizar tais análises. Essa concentração de poderes no Mapa deixa esse Ministério ainda mais vulnerável aos interesses do mercado”, adverte.

Aline do Monte Gurgel é graduada em Biomedicina pela Universidade Federal de Pernambuco – Ufpe e mestra e doutora em Saúde Pública pelo Centro de Pesquisas Aggeu Magalhães/Fundação Oswaldo Cruz. Atualmente é pesquisadora na área de Saúde Pública na Fiocruz.

IHU On-Line - Segundo dados do Ministério da Saúde, são registradas anualmente entre 12 e 14 mil intoxicações por agrotóxicos no país a cada ano. Esse dado é uma surpresa ou não, tendo em vista o uso de agrotóxicos no país?

Aline do Monte Gurgel - Embora a notificação dos casos de intoxicação exógena, como os decorrentes da exposição aos agrotóxicos, seja obrigatória no Brasil, temos observado que há um grande sub-registro de casos. Estimativas apontam que, para cada caso notificado, 50 outros deixam de ser informados nos sistemas de informação em saúde. Praticamente todos os casos notificados são de intoxicações agudas, porque é mais fácil estabelecer uma relação causal nessas situações, onde os sinais de intoxicação surgem pouco tempo depois da exposição. Os casos crônicos, onde os sinais de intoxicação demoram mais tempo para aparecer, dificilmente são diagnosticados e notificados, dificultando precisar o número de ocorrências no país.

Mesmo diante do sub-registro, o número de casos notificados é bastante expressivo e ajuda a entender a dimensão do problema representado pelas intoxicações decorrentes do uso de agrotóxicos no Brasil, que tem grandes impactos para a saúde, o ambiente e a sociedade.

IHU On-Line - Quais são as complicações ou problemas de saúde gerados por conta das intoxicações por agrotóxicos?

Aline do Monte Gurgel - A exposição aos agrotóxicos está associada ao surgimento de diversos problemas para a saúde, desde casos de intoxicação aguda, cujos sinais mais brandos de intoxicação podem incluir náuseas, vômitos e dores de cabeça, a doenças graves como o câncer e Parkinson, além de danos potencialmente irreversíveis e fatais, como mutações genéticas, casos de malformação do feto ainda na barriga da mãe e abortos.

IHU On-Line - É possível estimar quais são as principais causas dessas intoxicações e qual é o perfil dos intoxicados?

Aline do Monte Gurgel - As intoxicaçõesocorrem porque as pessoas se expõem ao veneno, por diferentes vias e em diferentes situações. Pode haver exposição dietética, que se dá pelo consumo de alimentos contaminados com resíduos de agrotóxicos, sejam eles in natura (como frutas e verduras), ultraprocessados (como massas e salgadinhos) ou de origem animal(leite e carne de animais que se expuseram previamente aos agrotóxicos). A exposição também pode ser ambiental, quando a pessoa entra em contato com solo ou água contaminados com resíduos de agrotóxicos, ou por meio da exposição ocupacional, que é quando o contato com o veneno se dá no processo de trabalho, seja ele em uma fábrica que produz agrotóxicos ou no campo, durante a aplicação dos venenos agrícolas, por exemplo.

É importante frisar que a exposição não acontece por um comportamento inadequado da população ou por meio de "atos inseguros" dos trabalhadores que manuseiam agrotóxicos; a toxicidade é uma característica dos agrotóxicos, como o próprio nome diz, e, mesmo que sejam adotadas medidas para reduzir a exposição, o perigo não é eliminado.

É importante destacar que as intoxicações não se distribuem igualmente na população; se concentram nos grupos populacionais mais vulnerabilizados, como trabalhadores rurais, indígenas, quilombolas, bem como pessoas imunocomprometidas, como crianças e idosos.

IHU On-Line - Alguns pesquisadores debatem sobre o uso seguro ou não desses produtos. Na sua avaliação, existe uso seguro de agrotóxicos?

Aline do Monte Gurgel - O uso seguro de agrotóxicos é um conceito disseminado majoritariamente pelo agronegócio, que precisa vender a ideia de que as pessoas podem se expor aos agrotóxicos sem que haja intoxicação. A verdade é que não existe exposição segura aos agrotóxicos, uma vez que o perigo é uma característica intrínseca aos agrotóxicos, não sendo possível eliminá-lo. A adoção de medidas de proteção coletiva e o uso de Equipamentos de Proteção Individual - EPI pelos trabalhadores pode apenas reduzir o risco de exposição, mas nunca vai alterar o potencial de uma substância de causar intoxicações. Ademais, é preciso considerar que grande parte dos EPI foi concebida para proteger contra agentes isolados, sendo incapazes de proteger contra a exposição a misturas, onde muitas vezes agrotóxicos diferentes interagem entre si, potencializando seus efeitos tóxicos, provocando os chamados efeitos sinérgicos. Os agrotóxicos também podem interagir com os EPI em escala molecular, levando à absorção das moléculas do produto e consequente exposição humana.

Igualmente, existem muitas falhas de concepção e de projeto em relação aos EPI. Por exemplo, muitos dos EPI atualmente comercializados para a proteção contra agrotóxicos foram adaptados da indústria sem revisão das especificações, isto é, foram projetados para evitar a exposição a outros produtos químicos, e simplesmente indicados posteriormente para a indústria dos agrotóxicos, sem que houvesse para isso qualquer adaptação que eventualmente se fizesse necessária. Da mesma forma, muitos EPI não foram concebidos para uso simultâneo, havendo casos onde as luvas não se integram com a vedação das mangas das roupas. Tudo isso favorece a exposição do trabalhador, representando um aumento no risco do desenvolvimento de diversos problemas de saúde.

É importante ressaltar que esses dados não se baseiam em uma opinião ou ponto de vista. Todas essas informações podem ser evidenciadas em estudos científicos realizados por pesquisadores no Brasil e em outros países, reforçando a tese de que não é possível se expor aos agrotóxicos de forma segura, mesmo que ele seja utilizado conforme prescrito.

IHU On-Line - Como tem se discutido a responsabilização por essas intoxicações na área da saúde hoje? A responsabilidade é atribuída ao agricultor que teve contato com o produto ou ao fabricante?

Aline do Monte Gurgel - Temos que ter cuidado para não responsabilizar individualmente os trabalhadores pelos casos de intoxicação. Temos no Brasil, especialmente após os anos de 1960-70, no período pós-Revolução Verde, um modelo de produção que praticamente impõe o uso de agrotóxicos para os produtores, pois a oferta de crédito foi atrelada à compra de insumos químicos. Com isso o pequeno produtor era praticamente obrigado a usar agrotóxicos em suas plantações, levando à exposição e, consequentemente, ao crescimento dos casos de intoxicação. Também sabemos que as condições de trabalho no campo são muitas vezes precárias, favorecendo as exposições dos trabalhadores. Não dá para culpar o pequeno produtor pelo seu adoecimento, ele é muito mais uma vítima desse modelo de produção.

IHU On-Line - Qual sua avaliação do PL do Veneno? Quais as desvantagens ou vantagens dele em relação à legislação atual? O que deve mudar na regulamentação de registro dos agrotóxicos em relação ao modo como ela ocorre hoje?

Aline do Monte Gurgel - O PL 6.299 impõe uma série de retrocessos para a saúde e o ambiente. Sua aprovação vai permitir a exposição humana a agrotóxicos que hoje têm seu registro proibido no Brasil, a exemplo daqueles relacionados a danos graves como câncer, malformação congênita, mutações e distúrbios no sistema hormonal, por exemplo. A atual legislação brasileira proíbe o registro de agrotóxicos que possam provocar esses efeitos, porém o PL irá permitir a liberação desse tipo de produto no mercado nacional sempre que o risco para a população for considerado “aceitável”. Acontece que para algumas substâncias que podem provocar câncer ou para aquelas que provocam desregulação hormonal, por exemplo, não é possível estabelecer doses de exposição consideradas seguras, pois há risco de dano para cada dose diferente de zero. Não existe risco que possa ser considerado “aceitável” nesses casos, e o PL negligencia isso.

Outro importante retrocesso relaciona-se ao desmonte do sistema de regulação tríplice vigente no Brasil, onde o registro de um agrotóxico se dá somente após a análise de três ministérios: Saúde, Agricultura e Meio Ambiente. A nova proposta legislativa retira dos órgãos da Saúde e do Meio Ambiente a competência de avaliar os impactos dos agrotóxicos em suas respectivas áreas, que seriam agora feitas pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento - Mapa. Acontece que os órgãos de Saúde e do Meio Ambiente realizam suas avaliações de toxicidade com base em critérios técnicos que são observados por especialistas da área, buscando zelar pela defesa da saúde e proteção da vida. Como o Mapa não possui competência técnica para realizar tais análises, o processo de avaliação dos agrotóxicos pode se tornar um mero procedimento burocrático realizado sem o rigor técnico e científico necessários, uma vez que ele não possui expertise para realizar tais análises. Essa concentração de poderes no Mapa deixa esse Ministério ainda mais vulnerável aos interesses do mercado.

Outro artigo potencialmente problemático do PL diz respeito à prescrição de receita agronômica antes da ocorrência da praga, de forma preventiva. Esta medida, além de não permitir adequar o uso de agrotóxicos ao problema fitossanitário, ao nível de dano ou o estágio da cultura a ser tratada, favorece ainda mais a exposição dos trabalhadores aos agrotóxicos ao ampliar as possibilidades de exposição no campo.

IHU On-Line - Se o PL do Veneno for aprovado, a nova legislação poderá aumentar o número de intoxicações por agrotóxicos?

Aline do Monte Gurgel - A expectativa é acelerar os processos de registro de agrotóxicos, permitindo inclusive o registro de agrotóxicos que estejam relacionados ao surgimento de cânceres, malformação congênita, danos ao sistema reprodutivo, mutações e distúrbios no sistema hormonal. Também será possível produzir no Brasilprodutos que não tenham registro no país, prescrever o uso de venenos de forma preventiva, antes da ocorrência da praga, bem como registrar agrotóxicos sem que sejam feitos estudos toxicológicos no país. Somando todos esses elementos, é de se esperar um aumento da exposição e, consequentemente, do número de intoxicados.

Embora esse aumento seja esperado, pode ser que, em um primeiro momento, ele não se traduza em dados observáveis nos sistemas de informação em saúde, uma vez que muitos dos potenciais agravos esperados surgem tardiamente, como é o caso dos cânceres, que podem surgir décadas após uma exposição.

IHU On-Line - Como deveriam ser feitos os estudos toxicológicos no país?

Aline do Monte Gurgel - Existe um elemento central que precisa ser considerado em qualquer estudo de exposição a agentes tóxicos: o princípio da precaução. O princípio da precaução é considerado o mecanismo mais importante para a preservação da saúde e do ambiente ao prever que a simples presença de indícios de danos causados por um agente como agrotóxicos já seria suficiente para justificar interromper a exposição das pessoas e dos ecossistemas. Assim, diante da possibilidade de dano irreversível público ou ambiental e na ausência de consenso científico irrefutável, a exposição deve ser evitada até que aquele que pretende causar o dano — no caso as empresas que detêm ou buscam o registro do agrotóxico — possam provar, sem sombra de dúvidas, que a exposição àquele agente pode ser considerada segura. Em síntese, a defesa da vida deve se sobrepor a qualquer interesse econômico.

*Matéria produzida pelo IHU Unisinos

(function(i,s,o,g,r,a,m){i['GoogleAnalyticsObject']=r;i[r]=i[r]||function(){ (i[r].q=i[r].q||[]).push(arguments)},i[r].l=1*new Date();a=s.createElement(o), m=s.getElementsByTagName(o)[0];a.async=1;a.src=g;m.parentNode.insertBefore(a,m) })(window,document,'script','//www.google-analytics.com/analytics.js','ga'); ga('create', 'UA-54143594-4', 'auto'); ga('set', 'campaignName', 'FacebookIA'); ga('set', 'campaignSource', 'FacebookInstantArticles'); ga('set', 'campaignMedium', 'social'); ga('send', 'pageview');
Categorias: Brasil de Fato

5ª Corrida da Lua recebe inscrições até dia 20 de agosto

qua, 15/08/2018 - 15:00
Na Geral Competição acontece no dia 25 deste mês Da Redação | Essa é a 5ª edição da corrida, que acontece em Petrolina Divulgação Cronos

Cresce no estado o número e competições de corrida, que atraem pessoas de várias idades. Estão abertas as inscrições, até dia 20 de agosto, para a quinta edição da Corrida da Lua, em Petrolina, no Vale do São Francisco de Pernambuco. A corrida será realizada no dia 25 deste mês, com início às 19h.

São oferecidas 350 vagas para competidores a partir dos 14 anos. Serão dois percursos que compõe a rota da competição, 5km e 10km. As inscrições podem ser realizadas no Centro de Esporte e Lazer - Areia Branca ou pela internet no site do evento: http://www.cronoschip.com.br/.

(function(i,s,o,g,r,a,m){i['GoogleAnalyticsObject']=r;i[r]=i[r]||function(){ (i[r].q=i[r].q||[]).push(arguments)},i[r].l=1*new Date();a=s.createElement(o), m=s.getElementsByTagName(o)[0];a.async=1;a.src=g;m.parentNode.insertBefore(a,m) })(window,document,'script','//www.google-analytics.com/analytics.js','ga'); ga('create', 'UA-54143594-4', 'auto'); ga('set', 'campaignName', 'FacebookIA'); ga('set', 'campaignSource', 'FacebookInstantArticles'); ga('set', 'campaignMedium', 'social'); ga('send', 'pageview');
Categorias: Brasil de Fato

Confira a edição desta quarta-feira (15) da Rede Lula Livre

qua, 15/08/2018 - 14:57
Rádio Mais de 30 mil brasileiros se reúnem em Brasília para participar do ato de registro da candidatura do ex-presidente Redação | Zé Dirceu na concentração do ato que protocolará a candidatura de Lula em Brasília Lu Sodré

O programa desta quarta-feira (15), fala sobre os militantes da Marcha Nacional Lula Livre que participam, na tarde de hoje, do ato de registro de candidatura do ex-presidente Lula à presidência da República.

E ainda, Adolfo Perez Esquivel, ganhador do prêmio Nobel da Paz, e Frei Sérgio Gorgen, que está há 16 dias em greve de fome, são recebidos pela presidente do Supremo Tribunal Federal, a Ministra Carmem Lúcia.

Confira o Boletim Diário da Rede Lula Livre:

(function(i,s,o,g,r,a,m){i['GoogleAnalyticsObject']=r;i[r]=i[r]||function(){ (i[r].q=i[r].q||[]).push(arguments)},i[r].l=1*new Date();a=s.createElement(o), m=s.getElementsByTagName(o)[0];a.async=1;a.src=g;m.parentNode.insertBefore(a,m) })(window,document,'script','//www.google-analytics.com/analytics.js','ga'); ga('create', 'UA-54143594-4', 'auto'); ga('set', 'campaignName', 'FacebookIA'); ga('set', 'campaignSource', 'FacebookInstantArticles'); ga('set', 'campaignMedium', 'social'); ga('send', 'pageview');
Categorias: Brasil de Fato

Los tres sueños de Helena, luchadora de los Sin Tierra de Brasil

qua, 15/08/2018 - 14:39
MARCHA LULA LIBRE En su primera marcha nacional con el movimiento, ella celebra haber encontrado un medio de vida colectivo Diego Sartorato | María Helena da Silva durante la caminata entre Sobradinho y el Parque Ecológico do Torto, este lunes (13) Julia Dolce

La primera vez que los sueños de María Helena da Silva, de 41 años, volaron alto, fue en la adolescencia. Apasionada por el fútbol, integró las categorías de base del CSA [Centro Sportivo Alagoano], equipo tradicional de su tierra, Alagoas, estado del nordeste del país, gracias a los propios esfuerzos: para garantizar el apoyo financiero para su permanencia en el deporte, se ofreció a cuidar del hijo de la patrona de su padre, productor rural. El esfuerzo rindió frutos: su talento rindió patrocinios y llamó la atención de un reclutador del Fluminense, que la invitó a Rio de Janeiro a jugar con el equipo. "Lo que yo quería era vestir la camiseta de la Selección Brasileña, yo tenía esa visión hacia adelante. Ese era un camino, ¿no es cierto?", cuenta.

Desgraciadamente, no pudo ser. "Mi padre decía que yo iba mujer e iba volver lesbiana, que iba ser influenciada, que las personas iban a hablar. Yo le decía: 'papá, yo soy yo, mi interés es el juego', pero no sirvió, su visión era otra, me sacó del juego", recuerda.

La desilusión precoz marcó el inicio de una vida profesional ecléctica: en desafío –"Ah, decidí ser independiente, creo que fue eso mismo. Rebeldía, desafío incluso"– a los prejuicios en su comunidad, se dedicó a diversas profesiones consideradas "masculinas". Helena fue albañil, metalmecánica, técnica de laboratorio, guardia de seguridad, bombera civil y dueña de restaurante. Pero donde depositó un nuevo sueño fue en la profesión de metalmecánica.

"Aprendí en un taller de mi ciudad, trabajé por tres meses. Primero, producía basureros, y recibía 20 reales por cada uno. Cuando comencé a entregar cinco por día, el dueño del taller dijo que no iba a tener como pagarme. Entonces comencé a hacer portones, pero él decidió despedirme, para que no fuera competencia", dice.

Su objetivo era aprender la profesión para tener su propia metalmecánica, pero no para competir con el entonces patrón. "Hay espacio para todo el mundo, ¿no es cierto?". Ella consiguió abrir su propio negocio, pero no encontró felicidad duradera: la amistad con el metalmecánico que le enseñó la profesión se volvió realmente una relación de competencia, centrada en el dinero, y acabó. "Le pasaba lo que no alcanzaba a hacer, pero él me reclamaba como si yo estuviera subordinada a el", protesta.

"Siempre me sentí enojada con quien cree que la mujer tiene que estar tras del fogón, que no nos dan oportunidades, creando dificultades donde no hay, siempre para rebajarnos a nosotras las mujeres. Si usted es reportero y yo soy reportera, tenemos que ganar igual, no tiene eso ahí", explica. "No me sentía un ser humano, yo aún no sabía que era porque ese es el sistema de la burguesía, esa comprensión vino cuando entré al movimiento, pero es algo que me dejaba furiosa".

Hoy, Helena participa de su primera marcha con el Movimiento de Trabajadores Rurales Sin Tierra (MST), como integrante de la columna Ligas Campesinas. Ella vive en el campamento Rosa Luxemburgo, en Barra do Santo Antonio, y lucha para transformarlo en asentamiento. Mientras participa del acto político que exige la libertad del ex presidente Luiz Inácio Lula da Silva, sus compañeros encaran un desalojo por orden judicial, pero eso no altera su determinación. "Ellos nos pueden sacar, pero nada dice que no vamos a volver, ¿no es cierto?"

"El movimiento me presentó una forma de vivir colectiva, en la que todos cooperan y comparten lo que tienen. Eso es lo que siempre quise, incluso aunque no lo supiera. Si yo estaba enojada, era a veces hasta violenta, es porque no quería vivir en aquel individualismo, en el que cada uno sólo quiere saber de sí, de aprovecharse del otro", afirma. "En el movimiento, si usted tiene un jarro de café, usted lo comparte con todo el mundo y todo el mundo bebe un trago. Es así como tiene que ser".

Uno de los momentos que vivió con el MST que más la marcó fue ayudar a distribuir toneladas de alimentos agroecológicos a las comunidades pobres de su estado. "Las personas pedían hasta las bolsas con el símbolo del movimiento para tenerlas de recuerdo, fue algo que me tocó y me convenció".

El nuevo modo de vida es una conquista que transformó su vida, pero Helena tiene un sueño mayor en este momento. "La libertad de Lula", responde, sin dudar. "Vea como está el país, 60 millones de desempleados, sin visión de futuro. Sólo Lula puede traer de vuelta una mejoría, una alegría a las personas. Yo conquisté mucho en tiempos de él, eso tiene de volver", pondera.

(function(i,s,o,g,r,a,m){i['GoogleAnalyticsObject']=r;i[r]=i[r]||function(){ (i[r].q=i[r].q||[]).push(arguments)},i[r].l=1*new Date();a=s.createElement(o), m=s.getElementsByTagName(o)[0];a.async=1;a.src=g;m.parentNode.insertBefore(a,m) })(window,document,'script','//www.google-analytics.com/analytics.js','ga'); ga('create', 'UA-54143594-4', 'auto'); ga('set', 'campaignName', 'FacebookIA'); ga('set', 'campaignSource', 'FacebookInstantArticles'); ga('set', 'campaignMedium', 'social'); ga('send', 'pageview');
Categorias: Brasil de Fato

More than 30,000 Brazilians to demonstrate for Lula’s registration as candidate

qua, 15/08/2018 - 14:16
BRAZILIAN ELECTIONS For the first time ever, a huge crowd will gather at Brazil's top electoral court to make sure a candidate can run Juca Guimarães | People’s Brazil Front, which gathers left-wing and people’s movements, estimates 30,000 people will participate in the demonstration Julia Dolce

Brazil’s former president Luiz Inácio Lula da Silva will be officially registered this Wednesday as one of the contenders for president in the country’s October elections. At least 30,000 voters are expected to take part in a demonstration outside the Supreme Electoral Court this afternoon to accompany the members of the Workers’ Party who will register the ex-president as a presidential candidate.

The number of protesters was estimated by the People’s Brazil Front, which is organizing the demonstration along with other rallies aiming to make sure Lula can run for office.

“We want to stage the largest possible demonstration, with a lot of people, gubernatorial and congressional candidates, and pastoral commissions. And more importantly, we want to bring the people together to take part in the registration of Lula with the Supreme Electoral Court,” said João Paulo Rodrigues, a member of the national board of the Landless Workers’ Movement (MST).

The MST staged a national march with three columns of workers and activists with people’s movements from all parts of the country. They marched for five days and arrived in Brasília yesterday.

“Those who marched for five days on the road will go back home with a real sense of achievement and a copy of Lula’s registration as a candidate,” said the MST leader.

In addition to the demonstration, people’s movements are staging a Hunger Strike for Justice in the Supreme Court, against the conviction and imprisonment of the former president, as they understand the court ruling has no legal grounds and is politically motivated, only to keep him from running for office.

“It’s a very important mobilization process for society at large. This struggle is not just for the elections. It will also show our political articulation to the winner of the election. If Lula wins, it will be about supporting the government. If [far-right candidate Jair] Bolsonaro wins, it will be about defending movements and opposing the government,” Rodrigues said.

The MST estimates that at least 1,000 buses should come to Brasília for the demonstration to join the activists who came on other 200 buses and are already camping in the capital city of Brazil. “It will be a celebration of democracy,” the MST leader said.

Youth

One of the movements supporting Lula’s right to run for office is the Levante Popular Juventude (Youth Uprising), with activists marching with the three columns to Brasília.

For the demonstration outside the Supreme Electoral Court building, the Levante planned several activities to energize the “celebration of democracy.”

“The Levante will be very lively, bringing joy to the Brazilian people to register Lula to run in this election. We are coming in full force and with the enthusiasm we need right now. We’re having the ‘Come with Lula’ band, bringing the energy of carnival, a folk party, stilts, confetti, music, agitation. We want to say that, despite this [2016] coup, the people are staying strong to have Lula running as a candidate, and to be our president,” said 27-year-old Nátaly Santiago, from the national coordination of the Levante.

The Levante will also hold political debates in a fun, easygoing environment.

“People know there is no evidence against Lula, people know there is no crime. So we are having this big carnival band playing songs that address political issues, funny interventions about [coup president Michel] Temer and [Supreme Court Justice] Cármen Lúcia, to start this political conversation about the coup process and how the people can resist against this ‘Injustice League’ and its judge Sérgio Moro, who is some sort of Captain America,” Santiago said.

The chair of Lula’s Workers’ Party, Gleisi Hoffmann, visited the camp set up by the landless workers last night. “Lula is the people’s choice. The polls show that. We want – all of us – Free Lula, Lula running, Lula for president,” she said.

(function(i,s,o,g,r,a,m){i['GoogleAnalyticsObject']=r;i[r]=i[r]||function(){ (i[r].q=i[r].q||[]).push(arguments)},i[r].l=1*new Date();a=s.createElement(o), m=s.getElementsByTagName(o)[0];a.async=1;a.src=g;m.parentNode.insertBefore(a,m) })(window,document,'script','//www.google-analytics.com/analytics.js','ga'); ga('create', 'UA-54143594-4', 'auto'); ga('set', 'campaignName', 'FacebookIA'); ga('set', 'campaignSource', 'FacebookInstantArticles'); ga('set', 'campaignMedium', 'social'); ga('send', 'pageview');
Categorias: Brasil de Fato